Home/Curiosidades/20 fatos sobre a história do sexo (parte II)

20 fatos sobre a história do sexo (parte II)

Janeiro 15th, 2013|Curiosidades|14 Comments


No artigo anterior, propus abordar alguns aspectos sobre a história do sexo na pré-história e na antiguidade oriental e clássica. Nesta postagem, vamos à segunda parte, tratando da forma como o sexo era concebido e/ou encarado na Idade Média e Idade Moderna.

Sugerimos a leitura do livro Uma breve história do sexo, de Claudio Blanc, mostra ao leitor como a sociedade encarou o sexo desde os tempos mais longínquos da Pré-História, acompanhando as diferentes alterações passadas pelas concepções no decorrer da linha do tempo.

Livro Uma Breve História do Sexo, de Claudio Blanc

>> Compre na Livraria Saraiva (R$ 35,00)

>> Compre na Loja Submarino (R$ 35,00)

Neste livro, o autor inicia sua narrativa no período pré-histórico, quando o sexo era praticado como forma de culto religioso, caráter que persistiu até a Antiguidade.

Gravura de sexo na Idade Média

Pintura Medieval

– Na Idade Média, o orgasmo não tinha nada a ver com um prazer racional; era considerado uma força incontrolável. O corpo feminino era considerado mais suscetível ao pecado e à corrupção, necessitando da vigilância maculina. Não se costumava ficar completamente nu, nem para fazer sexo.

– O centro de uma casa nobre era um casal procriador, cercado de filhos solteiros, parentes e agregados. Porém, o adultério era comum nas famílias nobres e a poligamia era praticada e até admitida. Segundo a literatura, numa casa repletas de irmãs, sogras, tias, primas e cunhadas, só podia rolar incesto.

– A noite de núpcias poderia acontecer antes da cerimônia oficial do casamento, porque os noivos já estavam comprometidos pelo desponsatio, a partir do qual a noiva se tornava responsabilidade do marido e se mudava para o novo lar.

– No período medieval, um único leito não servia apenas ao casal, mas também a filhos e parentes. Ou seja, era cama famliar e não de casal, o que causava grandes preocupações morais. Cortinas podiam isolar a área destinada ao senhor. Quem tinha mais riqueza e poder, mantinha seus criados íntimos num quarto vizinho.

– O rapto de mulheres era corriqueiro até o século XII. Frequentemente, era feito com a concordância da mulher ou instigado por ela. Tratava-se de um modo de fazer valer a vontade dos pombinhos contra um casamento arranjado ou um meio de uma mulher se livrar de um mau marido.

Espartilho usado na era moderna

Espartilho no século XVIII

– Os cabelos longos eram obrigatórios para as mulheres. Porém, como as longas madeixas tinham grande poder erótico, deveriam sempre ser trançadas. Todas as mulheres que não fossem prostitutas ou meninas, bem como as casadas quando saíam do quarto, deveriam cobrir as tranças com touca.

– Os costumes medievais recatados continuaram na Idade Moderna, mas a Reforma Protestante ajudou a tornar alguns deles menos rígidos. O divórcio, por exemplo, que era proibido pelo catolicismo, passou a ser aceito na Igreja Anglicana.

– A partir deste período, mudarm os padrões de beleza – mulheres com cinturas fina e seios fartos passaram a ser as mais desejadas. No século XVI, surgiu o espartilho, peça de roupa que projetava o peito da mulherada para cima e afinava suas cinturas.

– A paquera às moças solteiras tinha data para acontecer. Nas noites de 30 de abril, árvores parecidas com pinheiros, chamadas maio, eram plantadas diante das casas das moças. Plantas espinhosas eram dedicadas às garotas orgulhosas e o sabugueiro, que exala mau odor, era uma forma de debochar das pobrezinhas.

– Os casamentos por amor, e não apenas por interesse, passaram a se tornar mais comuns, assim como o hábito de trocar cartas entre apaixonados. Muitas cartas tinham códigos secretos – o rei Henrique IV, que governou a Inglaterra de 1399 a 1413, usava, por exemplo, o $ em seus textos quando queria esconder algo.

Courtesãs na Idade Moderna

Cortesãs europeias

– De 1545 a 1563, o Concílio de Trento tornou a Igreja a responsável pelo casamento – antes, os casamentos eram só civis, e aconteciam em casa mesmo. A partir daí, passaram a acontecer diante de um membro da igreja.

– No século XVI, o pintor italiano Giulio Romano pintou uma série de 16 desenhos para um livro de sonetos obscenos de Pietro Arentino, retratando várias posições sexuais. Em um dos quadros, um homem de joelhos segura uma mulher, que está na diagonal e com uma das pernas sobre seu pescoço.

– As pinturas de Giulio Romano são fichinha comparadas ao Kama Sutra, que foi escrito provavelmente entre os séculos 3 e 4, mas só foi popularizado no Ocidente a partir de 1883, quando ganhou uma tradução em inglês. O livro contém a descrição de 529 posições sexuais.

– Mesmo com a pena de morte por enforcamento, os homossexuais não deixavam de sair do armário. No século 18, começaram a surgir vário bordéis masculinos na Inglaterra, as “molly houses” (“molly” era a palavra em inglês para “efeminado”).

– As prostitutas eram chamadas de cortesãs e seus quartos eram cheios de pentes, caixas de pó e frascos de perfume. Havia dois tipos de cortesãs. Algumas atendiam em casa e tinham uma agente, a alcoviteira, que buscava clientes nas ruas. Havia ainda as que trabalhavam em bordéis, tabelados pelo estado.

Imagem do livro de Denis Diderot

Imagem do livro Les Bijoux Indiscrets, de Diderot.

– Na escola, todos já ouviram falar de Rousseau e Voltaire. Esses intelectuais do Iluminismo também escreviam pornografia. Na era moderna, tornaram-se comuns livros de contos eróticos. Voltaire escreveu o livro Candide, que tem alguns textos eróticos, enquanto Diderot fala de sexo em Les Bijoux Indiscrets.

– As leis mais humilhavam que puniam. O adultério, por exemplo, era punido na França com um desfile dos maridos traídos e das mulheres traidoras. Os homens eram obrigados a montar um asno e passear pela cidade usando chifres, enquanto as mulheres adúlteras tinham que montar em um asno, cobertas de penas.

– Em 1495, os soldados franceses em Nápoles dão sinais de tumores genitais. É o início da sífilis na Europa, uma das piores doenças sexuais modernas. Só em 1527,  é empregada pela primeira vez a expressão doença venérea, por Jacques Bethercourt.

– Por volta de 1550, o médico italiano Gabriel Fallopius descreveu os órgãos reprodutivos femininos, e um deles ganhou seu nome: as trompas de Falópio, hoje chamadas de tubas uterinas. A invenção da camisinha moderna também é creditada a Fallopius e ocorreu nessa década.

– Em 1554, o médico alemão Johannes Lange descreve uma doença bizarra: a clorose, que atacava quem não fizesse sexo. Entre os sintomas, letargia e palidez. O tratamento para curar a doença, obviamente, era a prática sexual.

14 Comments

  1. klaus do iate 15 de Janeiro de 2013 at 17:36 - Reply

    A descoberta do clitóris cientificamente é coisa recente. Creio que do seculo XVII.

    • Michel Goulart 16 de Janeiro de 2013 at 5:58 - Reply

      Do clitóris biológico, do clitóris “prazer feminino” é muito mais recente.

  2. Klaus do iate 17 de Janeiro de 2013 at 21:06 - Reply

    da Wiki inglesa:
    Like Avicenna, Magnus also used the word virga for the clitoris, but employed it for the male and female genitals; despite his efforts to give equal ground to the clitoris, the cycle of suppression and rediscovery of the organ continued, and a 16th-century justification for clitoridectomy appears to have been confused by hermaphroditism and the imprecision created by the word nymphae substituted for the word clitoris

  3. Klaus do iate 17 de Janeiro de 2013 at 21:07 - Reply

    Caspar Bartholin, a 17th-century Danish anatomist, dismissed Colombo and Falloppio’s claims that they discovered the clitoris, arguing that the clitoris had been widely known to medical science since the second century.[123] Although 17th-century midwives recommended to men and women that women should aspire to achieve orgasms to help them get pregnant for general health and well-being and to keep their relationships healthy,[116] debate about the importance of the clitoris persisted, notably in the work of Regnier de Graaf in the 17th century[39][124] and Georg Ludwig Kobelt in the 19th.[3][125] Like Falloppio and Bartholin, De Graaf criticized Colombo’s claim of having discovered the clitoris; his work appears to have provided the first comprehensive account of clitoral anatomy

  4. Klaus do iate 17 de Janeiro de 2013 at 21:12 - Reply

    Portanto Bartholin e Graaf no seculo XVII fecham a tampa do caixao da duvida que pairava desde seculo III se o clitoris existia ou nao, se ele era normal ou sinal de doença e qual seu papel, alem da homologia com o pênis. Também eles demonstram que o a parte visivel do orgão é apenas a ponta de um iceberg, pois a estrutura interna escondida do orgao é bem maior. Eles conseguiram tudo isto graças a dissecção de cadaveres e adequado registro de seus achados. O grande renascentista Vesalius, descobridor da circulação, no caso do clitoris, boiou geral, apesar do orgão ser antes de mais nada uma estrutura vascular.

  5. Klaus do iate 17 de Janeiro de 2013 at 21:15 - Reply

    Agora a questão do uso do clitoris ser doentio ou moralmente aceito, realmente é de esclarecimento muito recente. Freud na virada do seculo XIX-XX ainda via algum desvio nisto. Master e Johnson na decada de 60 foram os que, através de estatistica, confirmaram que o uso era completamente normal e o atalho mais fácil ao prazer saudável.

  6. Clifford K. Sanders 23 de Janeiro de 2013 at 9:20 - Reply

    O exercício da homossexualidade no contexto da pederastia não era excludente, pois “o fato de o homem ter sua esposa não era impedimento para que se relacionasse com um adolescente. E nem o fato de se relacionar com o adolescente significava o fim do seu casamento.” (GUIMARÃES, s/d) A pederastia modificava, com dificuldade, o aspecto do homem frente à sociedade, pois os cultos ao belo, ao sublime, à inteligência e à cultura não tinham sexo. Entretanto, a busca do sexo pelo sexo era condenável.

  7. klaus do iate 7 de Fevereiro de 2013 at 23:17 - Reply

    A certeza de paternidade sempre foi algo buscado, mas apenas conseguido recentemente com testes de DNA. A sucessao na liderança de clãs e imperios estavam em jogo. Assim se tentou garantias de exclusidade sexual com harens e gineceus e com a maiora das sociedades valorizando mulheres com “conduta ilibada” , isto é, que nao aparentasse interesse por sexo ou prazer durante cópula.

  8. klaus do iate 7 de Fevereiro de 2013 at 23:37 - Reply

    Além disso, apesar de ha milenios a humanidade notar semelhança fisica de filhos de ambos os sexos com suas mães por muito tempo se alimentou a crença que a mulher apenas contribuia na reprodução humana como um ninho, incubadora ou como a terra fértil e que a verdadeira reprodução de outro individuo corria apenas pelos sementes dos machos, cujas gonadas são bem aparentes, e as crianças só herdariam caracteristicas paternas. Mais outro mito para tratar do medo da paternidade incerta? Mas de fato, as gonadas femininas, ovarios, cheias de sementes femininas, em humanos só foram descobertas no século XIX !

  9. klaus do iate 7 de Fevereiro de 2013 at 23:44 - Reply

    Mais precisamente, nos mamiferos, como eram viviparos, nunca se imaginou que suas femeas pudessem produzir “ovos”. O ovário dos mamiferos só foi descoberto em 1827!

  10. klaus do iate 8 de Fevereiro de 2013 at 0:00 - Reply

    Cliford,dentro das sociedades derivadas do protoindoeuropeu, um homem, mesmo membro de uma familia poderosa, nao nascia com plenos direitos. Antes de ser capaz de empunhar uma arma, ou de ser educado por seu tutor, ele nao era considerado “cidadão”. Era um nao-homem, um sem-voz, um sem-arma. Por isto a palavra grega pederastia tem relação etmologica com criança. Um não-homem, por extensão, era considerado mulher. Um homem feito, já cidadão, se relacionar sexualmente com este pré-cidadão nao era mal visto. Mas o cidadão que se relacionava sexualmente com outro cidadão, era alvo de censura e motivo para piadas.

  11. Geraldo de aguiar filho 5 de Maio de 2013 at 19:44 - Reply

    Muito bom,ler e conhecer um pouco sobre a historia da vida sexual do passado,também gostei da susgestão do livro,vou comprar.(bela matéria parabéns!)

  12. Rosangela Cardoso 20 de Janeiro de 2014 at 13:51 - Reply

    O primeiro anatomista a fazer referência a essa parte do corpo feminino foi Ronaldo Columbus, em 1559, quando o descreveu como a “cidade do amor”.

    http://ecoeacao2012.blogspot.com.br/2013/09/documentario-clitoris-prazer-proibido.html

  13. lv factory outlet frankfurt 29 de novembro de 2014 at 14:02 - Reply

    Hey there! I’m at work browsing your blog from my new iphone! Just wanted to say I love reading through your blog and look forward to all your posts! Keep up the superb work!

Leave A Comment