Filme: O Nome da Rosa, de 1986

Home » Filmes » Filme: O Nome da Rosa, de 1986

Em 1327, William de Baskerville, um monge franciscano, e Adso von Melk, um noviço que o acompanha, chegam a um remoto mosteiro no norte da Itália. Baskerville começa a investigar uma série de assassinatos, que se mostram bastante intrincandos, além dos mais religiosos acreditarem que é obra do demônio.

Filme: O Nome da Rosa

>> Compre na Livraria Saraiva (R$  19,90)

Dados Técnicos

Diretor: Jean-Jacques Annaud
Duração: 131 min
Ano: 1986
País: Alemanha
Gênero: Suspense
Cor: Colorido

Curiosidades

  • O filme trata da ação da Igreja Medieval e sua influência cultural, política, econômica e social na Europa Ocidental, assim como o predomínio intelectual dos monges da época.
  • Um mosteiro ou monastério é uma instituição e edifício de habitação, oração e trabalho de uma comunidade de monges ou monjas. Os mosteiros cristãos ocidentais também são chamados de abadia ou priorado.
  • O filme aborda, de forma crítica, as violências sexuais, os conflitos no seio dos movimentos heréticos do século XIV, a luta contra a mistificação, o poder e o esvaziamento dos valores pela demagogia.
  • O filme é baseado no livro homônimo de Umberto Eco, lançado em 1980.

Trechos do filme

Confira alguns trechos temáticos para você assistir online ou fazer download.

  • Igreja e Riqueza: debate sobre a vida de Jesus e a riqueza da Igreja na Idade Média, bem como a comédia como sendo algo maligno.
  • Inquisição: retrata a visão de mundo no período medieval e a atividade do Tribunal de Inquisição.
  • Canto gregoriano: ilustra o canto gregoriano na Idade Média, que foi predominante nessa época devido à forte influência da igreja sobre os costumes e cultura do povo em toda Europa.
By | 2014-01-23T06:44:04+00:00 10 de Abril de 2013|Categories: Filmes|Tags: , , , , |18 Comments

About the Author:

Professor, historiador e blogueiro, já trabalhei em algumas das maiores escolas públicas e particulares de Santa Catarina. Comecei a lecionar em 2001, sempre preocupado com um ensino caracterizado pela criatividade e inserção de novas tecnologias e metodologias variadas em sala de aula.

18 Comments

  1. Klaus do Iate 10 de Abril de 2013 at 7:47

    Caramba! Que super-coincidência estava vendo este filme no sábado passado!!!
    Além de assistir o filme ser delicioso, vale super a pena alugar em videolocadora e assistir tb ao making-off, Jean Jacques Annaud tb dirigiu o espetacular Guerra do Fogo. Ele faz muitos comentários hilários e procedentes. O ator que faz Adso , mas tarde se tornaria um hollyhoodiano famoso, Cirtian Slater. Durante o set ele REALMENTE se apaixona pela atriz Valentina que faz a camponesa, a própria rosa do título. A cena “mais quente” d filme não foi revelada para Cristian Slater!!! Por isto na hora que vemos a dança dos corpos soa tão realistamente desajeitada e reassistir à face do Adso, diante daquele desejado/desprezado súcubo,depois que sabemos disso é impagável.

  2. Klaus do Iate 10 de Abril de 2013 at 7:55

    O coração do filme é mostrar como os mosteiros daa Igreja Catolica Romana possuia o monopólio completo, total do conhecimento dentro do feudalismo europeu. V~e-se claramente o papel dos copistas e como conhecimento vital como a fórmula do concreto romano pode ter sido perdida para sempre, bastava um doido fundamentalista estar a frente de tudo como abade. Vê-se também como se relacionava a Santa Inquisição e o Estado. E as condições “ótimas” a que estava submetido o campesinato. E como a Igreja, na sua relação com eles , era bem similar ao senhor feudal laico. Os camponeses tinham que pagar TRIBUTOS que possibilitavam aos senhores feudais monges uma vida bem melhor que a deles. Uma das consequências mais benéficas da guerra entre Papa e Imperador do Ocidente (Questão das Investiduras) foi o estabelecimento de Universidades seculares, principiando pela Universidade de Bolonha, quebrando o monopólio da Igreja sobre o conhecimento, depois disso , fórmulas como a do concreto não seriam mais tão facilmente perdidas.

  3. Klaus do Iate 10 de Abril de 2013 at 7:58

    A escola de minha filha e do meu filho recomendaram a apreciação deste filme para trabalhos paradidáticos valendo ponto. Outro seria o “Incrivel exército de Brancaleone” que tem parte 1 e 2 , conforme descobri recentemente.

  4. Klaus do Iate 10 de Abril de 2013 at 8:04

    Sean Connery, nesta época se sentia subestimado como ator de um personagem só (o 007) e procurava papéis que o desligasse do 007. Tudo bem que o Umberto Eco construiu seu protagonista como um Sherlock Holmes medieval de batina, vê-se a influência pelo nome dele que lembra um dos casos mais difíceis de Holmes ( o cão dos Baskerville).
    O livro O nome da Rosa , como outros do Umberto Eco, pode ser taxado de chato pelo excesso de detalhes. Mas o filme é imperdível, mesmo que haja anacronismos, eles são muitissimo sutis e o filme merece estar na lista dos 10 filmes com MENOS erros históricos.

  5. Klaus do Iate 10 de Abril de 2013 at 8:09

    Jean Jacques Annaud é um gênio. E tevew chance de trocar idéias com Umberto Eco durante o filme. No Making-off , ele cita uma conversa entre os dois. Annaud chamou a atenção de Eco para um erro no livro! Da interação entre Eco e Annaud surgiu a fantástica cena que lembra a pintura das Escadarias Impossíveis do Ingres que aparece em todo livro a respeito de ilusões opticas. E para terminar lembrar que o filme O nome da rosa, foi feito sem computadores! Tudo ali não é realidade virtual! Incluindo a Valentina.

    http://www.google.com.br/imgres?imgurl=http://projecaoastral.com/wp-content/uploads/2011/10/a-escada-impossivel1.jpg&imgrefurl=http://projecaoastral.com/experiencias/a-escada-impossivel/&h=570&w=600&sz=89&tbnid=lulmvxgPfTuUYM:&tbnh=92&tbnw=97&prev=/search%3Fq%3DEscadaria%2Bimpossivel%26tbm%3Disch%26tbo%3Du&zoom=1&q=Escadaria+impossivel&usg=__HTUbnh4EOtYiRsoAZhjncotGe4A=&docid=ZW-rhnzuC-W44M&hl=pt-BR&sa=X&ei=DUhlUd7ANYeo8QS76IGIBw&sqi=2&ved=0CDcQ9QEwAQ&dur=3582

  6. Klaus do Iate 10 de Abril de 2013 at 8:13

    Michel , você já ouviu falar nos hereges citados no filme: dolcinites? Eu já ralei para pesquisar sobre eles e não achei coisa alguma. Você sabe se realmente existiram? O que já achei foi a tal visão docética do Cristo que é uma idéia que recorre em várias heresias, mas que não comporia nenhum grupo herege em particular. Será que o filme se referia aos Cátaros? A trama se passa em 1327? Então Wiliam tinha memória a respeito da cruzada Albigense?

  7. Klaus do Iate 10 de Abril de 2013 at 8:27

    O debate entre os enviados papais e a ordem franciscana recém-nascida, na época é hilário. A pior praga em toda história da humanidade certamente é a ignorância. Ter o monopólio do conhecimento foi golpe de mestre ( apesar de que não tenha sido construído de modo premeditado) da Igreja católica, o mais poderoso senhor feudal de todos os tempos.
    Como o papa se torna uma espécie de Darth Vader desde Pedro/Paulo até Julio II é uma história boa para ser contada.

  8. Klaus do Iate 10 de Abril de 2013 at 8:30

    O “corcunda Salvatore” fez também papel importante em outro filme de Annaud: era o grandalhão da trinca de heróis ema Guerra do Fogo. Não sei o nome do ator. É ele quem interpreta o Hellboy também?

  9. Klaus do Iate 10 de Abril de 2013 at 8:36

    Ha registros textuais e iconográficos de que os monges veteranos dissuadiam os mais jovens de pensar em sexo dizendo que o Diabo tinha posto dentes na vulva de jovens mulheres desconhecidas. Adso não sabia disto ou não acreditou nisto. Adso,era filho mais jovem de um barão feudal de Melk,portanto não herdaria o feudo e foi enviado para compor o clero. Mais um detalhe fielmente histórico do filme.

  10. Michel Goulart 10 de Abril de 2013 at 13:33

    Agora que você falou, é bem possível que ele seja o Hellboy.

  11. Klaus do Iate 17 de Abril de 2013 at 8:19

    Outro detalhe do filme historicamente correto, que só me passou pela cabeça agora. No debate dentro do mosteiro: franciscanos debatem com enviados papais, enquanto os anfitrioes beneditinos agem como moderadores. faria mais sentido, os enviados papais serem os mderadores. Acontece que todos os mais poderosos papas Gregorio VII, Urbano II e principalmente Inocencio III, eram homens beneditinos ou ligados a eles! E a Reforma Papal em torno de 1050, que prega mais moralidade e acaba concluindo que isto só seria possivel conquistando, alem do poder espiritual cristao unificado, o poder politico temporal supremo em toda a Europa, nasce entre os beneditinos. ACHO que em Cluny, mas devo pesquisar mais. Assim, o debate do filme era um jogo de cartas marcadíssimas!

  12. Klaus do Iate 17 de Abril de 2013 at 11:41

    Mas um detalhe historicamente correto do filme. No mosteiro beneditino de Cluny, foi iniciada a Reforma Papal em torno de 1050. Eles acabaram concluindo que para a toda Cristandade melhorar moralmente só se toda Igreja estivesse sob o papa de Roma e se todo papa tivesse também poder temporal sobre reis e imperadores europeus. Portanto o debate visto no filme entre enviados papais e franciscanos, sob moderação beneditina era um jogo de cartas marcadíssimas. Não se trata de dizer maniqueistamente que os beneditinos eram os Darth Vader da história. Mas que eles chegaram a conclusão que só havia um meio de evitar que o Estado interferisse na Igreja: interferindo no Estado. Mas o Ocidente não se tornaria o que se tornou se passasse do cesaropapismo para a teocracia.

  13. Klaus do Iate 17 de Abril de 2013 at 11:44

    O Ocidente acabou não seguindo nem uma coisa , nem outra. Na Revolução francesa finalmente fez-se o divorcio entre Estado e Igreja, casamento feito por Constantinus I e reforçado por Clóvis e Carlos Magno. Mesmo o pseudo-revolucionario Napoleão tira a coroa imperial das mãos do papa antes de por em sua cabeça.

  14. Klaus do Iate 17 de Abril de 2013 at 11:48

    Os papas mais poderosos: Gregorio VII, Urbano II (da Primeira Cruzada) e poderosissimo Inocêncio III (que criou a Inquisição) eram beneditinos ou ligados a eles de perto. São bento quando bolou a ordem não pensava assim.

  15. Victória 7 de Maio de 2013 at 10:21

    Assisti ao filme ontem e gostarei de saber o significado da cena em que os monges matam animais e preservam o sangue. O mesmo sangue que o segundo morto aparece.

  16. Klaus do Iate 24 de agosto de 2013 at 21:49

    Sangrar o animal de grande porte abate é uma garantia de morte, geralmente ele é tonteado com golpe na cabeça antes e sangrado depois. Algumas culturas desprezam este sangue (hebreus), outras (como os massai e os europeus, incluindo medievais) fazem pratos especiais com eles (linguiça de sangue=morcela=chouriço). O sangue é altamente nutritivo ,mais que estraga rápido. A carne propriamente dita é preservada por mais tempo, se antes foi exanguinada.

  17. Daniele Pimentel 18 de Março de 2014 at 9:09

    Está na lista dos que pretendo assistir!

  18. Ruthe Ramos 15 de setembro de 2016 at 3:05

    gostaria de saber sobre o poder temporal e espiritual do filme

Leave A Comment