Home/Resumos/Resumo: Absolutismo

Resumo: Absolutismo

abril 30th, 2011|Resumos|35 Comments


Neste resumo, você vai conhecer os principais reis que governaram a Europa durante o período conhecido como Absolutismo. Você vai aprender as características políticas e econômicas do período. Ao terminar de ler o conteúdo, faça o quiz e teste seus conhecimentos.

  • Quiz sobre o Absolutismo:  Teste seus conhecimentos sobre este assunto com o quiz. Aprenda os principais conceitos desta aula e fique fera nas avaliações.

Antecedentes

O absolutismo foi uma prática política criada na Europa, a partir do século XV, que defendia o poder total na mão dos reis. No fim da Idade Média, uma aliança entre o rei e a burguesia fez mudar o mapa político europeu.

A burguesia se beneficiou com a existência de uma só língua, uma só moeda e mais segurança nas transações comerciais. O rei também se beneficiou, pois obteve mais dinheiro, exército e poder em suas mãos. Desta aliança, surgiram as monarquias nacionais, territórios unificados sob o comando de um rei com amplos poderes na mão.

A prática econômica do absolutismo foi o Mercantilismo. O governo absolutista interferia muito na economia dos países, buscando desenvolvimento econômico através do acúmulo de riquezas.

Teóricos absolutistas

O poder do rei foi justificado através da ação dos teóricos ou pensadores absolutistas. Estes teóricos defendiam ideias cujo impacto foi tão grande, que funcionavam como marketing político para convencer o povo.

Uma das ideias com grande alcance foi a teoria do Direito Divino dos Reis, que defendia que o poder do rei era sagrado e de origem divina, sendo assim pecado desobedecê-lo. Alguns dos principais teóricos absolutistas foram: Nicolau Maquiavel, Thomas Hobbes, Jacques Bossuet e Jean Bodin.

Maquiavel e Hobbes

Maquiavel foi um diplomata e historiador italiano. Criou a obra O Príncipe, na qual defendia que o monarca deveria utilizar de qualquer meio – lícito ou não – para manter o controle do seu reino. A frase que resume suas ideias é: “Os fins justificam os meios”. A Itália foi uma das últimas regiões unificadas na Europa (1870).

Hobbes foi um matemático e filósofo inglês. Criou a obra Leviatã, na qual discorreu sobre a natureza humana e a necessidade de governos e sociedades. Dizia que o ser humano, no estado natural, é cruel e vingativo, necessitando de um governo forte e centralizado para manter o seu controle. A frase que resume suas ideias é: “O homem é o lobo do homem”.

Bodin e Bossuet

Bodin foi um jurista francês, membro do Parlamento e professor de Direito. Criou a obra “Os Seis livros da República”, em 1576, na qual defendia que a soberania é um poder perpétuo e ilimitado. Sendo assim , as únicas limitações do soberano eram a lei divina e a lei natural. Bodin usava de argumento religioso para justificar o poder do rei, da mesma forma que Bossuet.

Bossuet foi um bispo e teólogo francês. Criou a obra “Política tirada da Sagrada Escritura”, na qual criou o argumento que o governo era divino e os reis recebiam o seu poder de Deus. Assim, desobedecer a autoridade real seria considerado um pecado mortal. Um dos reis que se valeu de suas idéias foi o monarca absolutista Luís XIV.

Luís XIV

Luís XIV foi rei da França entre 1643 e 1715. Devido ao seu poder, ficou conhecido como Rei-Sol. Foi autor da frase “O estado sou eu”, que resume o espírito absolutista da época. Durante o seu reinado, foi construído o luxuoso Palácio de Versalhes, que foi morada da família real francesa a partir de 1683.

Vale lembrar que houve muitos outros monarcas absolutistas na Europa, como: Henrique VIII e Elizabeth I, da Inglaterra; Fernando e Isabel, da Espanha; D. João V, de Portugal, entre outros.

35 Comments

  1. GUILHERME 6 de abril de 2010 at 20:11 - Reply

    Oi Michel. Ta se o rei tinha poder absoluto na mao, nao tinha nenhuma altoridade que o questionava??? E voce tambem disse que quem desrespeitasse tal altoridade iria para o inferno, mas nao aocntecia algo a mais??? Por exemplo a fogueira???

  2. Prof_Michel 6 de abril de 2010 at 21:32 - Reply

    Bom, a punição para traidores e crimes de "lesa majestade", ou seja, contra o rei, era dura e, muitas vezes, cruel. Aguarde o artigo sobre instrumentos de tortura e execução do séc. XVII e XVIII.

  3. GUILHERME 8 de abril de 2010 at 18:57 - Reply

    Aguardei e valeu apena a espera. Parabens

  4. José Paulo Dal Toé Pozzobon 25 de abril de 2010 at 9:25 - Reply

    Aee Michel :) valeu pelo resumo!! :D
    curte: nao tem resumo sobre renascentismo?? nao achei aqui e no caderno nao temos nada tbm… =(
    o que cai na Bimestral??

    Abraço

  5. Prof_Michel 25 de abril de 2010 at 9:36 - Reply

    Cai apenas Absolutismo.

  6. Prof_Michel 25 de abril de 2010 at 9:38 - Reply

    Cai apenas Absolutismo.

  7. José Paulo Dal Toé Pozzobon 26 de abril de 2010 at 12:44 - Reply

    aeee :)
    conteudo facinho!
    da de tirar nota boa tranquiloo…
    vai cair aquele: "espelho"??

  8. Prof_Michel 26 de abril de 2010 at 14:18 - Reply

    Que espelho?

  9. José Paulo Dal Toé Pozzobon 27 de abril de 2010 at 13:15 - Reply

    questão espelho*

  10. Igor Fontana 27 de abril de 2010 at 13:23 - Reply

    Que espelho ? O_O

  11. Ana Carolina Benedet 27 de abril de 2010 at 15:35 - Reply

    Como surgiram as monarquias nacionais?

  12. Prof_Michel 27 de abril de 2010 at 15:48 - Reply

    Ana, as monarquias nacionais surgiram da necessidade do rei centralizar o poder. Afinal, a Europa era dividida em regiões feudais, difíceis de comandar por causa da ausência de uma única língua, moeda, leis, etc.

  13. Ana Carolina Benedet 27 de abril de 2010 at 16:24 - Reply

    okk, obrigada =))

  14. Igor Fontana 27 de abril de 2010 at 16:54 - Reply

    Pra mim a burguesia ganhou muuuuito mais do que o rei , mais o rei tambem ganhou alguma coisa e acho que foi um bom acordo .

  15. Gabriel Pacheco 27 de abril de 2010 at 17:04 - Reply

    Esse áudio do podcast é engraçado :P

    Mas esses resumos ajudam muito para estudar.

  16. Prof_Michel 27 de abril de 2010 at 17:54 - Reply

    Igor, a burguesia se beneficiou tanto que cortou a cabeça do rei alguns séculos depois.
    Gabriel, espero que o termo engraçado aí não signifique ruim, heehehe.

  17. Igor Fontana 27 de abril de 2010 at 18:57 - Reply

    Cortou a cabeça do rei ? :o

  18. Larissa de Souza 27 de abril de 2010 at 20:42 - Reply

    michel o que que disse a frase do Maquiavel: Os fins justificam os meios?

  19. Larissa de Souza 27 de abril de 2010 at 20:46 - Reply

    Michel Jacques Bossuet fez a obra: 'O direito divino dos reis' e “Política tirada da Sagrada Escritura”?

  20. Gabriel 20 de maio de 2010 at 1:19 - Reply

    pse eu errei na prova oq era monarquia nacional –' IUAHSIUHSUAIH agora eu ja sei o que significa vaaleu michel !!

  21. Claudio Moreira Pereira Júnior 7 de maio de 2011 at 20:19 - Reply

    Absolutismo tem mais influencia catolica do que crista?

  22. Prof_Michel 7 de maio de 2011 at 21:23 - Reply

    Igreja Católica é uma igreja de origem cristã.

  23. Tito Da Rocha Salasar 15 de maio de 2012 at 19:38 - Reply

    Como seria alguns nomes de instrumentos de tortura ?

  24. Lethícia 5 de novembro de 2012 at 20:25 - Reply

    Tu não teria um resumo mais completo? porque na introdução consta: “Você vai conhecer os principais reis que governaram a Europa durante o período conhecido como Absolutismo. Você vai aprender sobre a política e economia” e o resumo só fala sobre os pensadores e nada sobre os reis… desde já obrigada.

  25. Silas 15 de janeiro de 2013 at 12:15 - Reply

    Ótimooo site!

  26. Klaus do Iate 15 de março de 2013 at 0:50 - Reply

    Já na Idade feudal, houve lugares onde os reis detinham bastante poder politico: Sicilia, Portugal, Normandia. Como a Inglaterra foi conquistada por Guilherme da Normandia, ele tentou implantar seu sistema de centralização politica lá, mas nao colou muito porque a tradição saxã e celta era de nobres guerreiros discutir tudo em pé de igualdade com o rei, as vezes, a monarquia era ELEITA e havia orgãos semipermanentes lembrando o Parlamento e numa destas revoltas da nobreza, uma Magna carta foi empurrada goela abaixo do rei João semTerra. Note que no periodo feudal, sem-terra significaria sem-poder. Isto está sendo revisto. John Lackland demonizado nos romances se interessava bem mais pelo país que seu irmão mais famoso e romantizado Richard Lionheart. Rei John enfrentou vitoriosamente duas invasões anfibias francesas e uma revolta simultanea de seus baroes feudais. John recuperou alguns territorios na França perdido por seu irmão cruzado. John, porem, tornou a perde-los novamente, mesmo aliado ao imperador da Alemanha,na batalha de Bouvines, uma batalha contra o rei feudal francês. Num verdadeiro avant-premiere da Guerra de 100 anos, John perdeu a Flandres e a terra natal da dinastia a Normandia.Quando começa a guerra de 100 anos, os ingleses tem apenas um pedaço da Guiana no continente.

  27. Klaus do Iate 15 de março de 2013 at 0:55 - Reply

    Boa parte da má-fama do rei ingles John I, foi adquirida quando ele aumentou os impostos ingleses para pagar o resgate que o imperador do Sacro Imperio exigiu para liberar o irmão Ricado Coração de Leão.

  28. Karen 10 de outubro de 2013 at 23:15 - Reply

    Qual rei Luís que foi responsável pela condenação dos Cavaleiros Templários? Não me lembro muito bem da data, mas algo entre 1300 anos.

  29. nailma 16 de março de 2014 at 13:29 - Reply

    como era a educação no absolutismo? quem podia estudar?

    • Michel Goulart 17 de março de 2014 at 15:10 - Reply

      A educação era muito mais restrita do que atualmente.

  30. Thayna Cardoso 4 de abril de 2014 at 14:39 - Reply

    Nossa velho, legal mesmo essa historia meu

  31. Kauê Cardoso 4 de abril de 2014 at 14:40 - Reply

    Meu Deus, que site é esse? Explica tudo o que preciso!

  32. Sofia Santos 23 de abril de 2019 at 19:50 - Reply

    oque quis dizer maquiavem com a frase ”os fins justificam os meios”?

  33. Sofia Santos 23 de abril de 2019 at 19:50 - Reply

    maquiavel*

Leave A Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.