Home/Resumos/Resumo: Imperialismo

Resumo: Imperialismo

fevereiro 15th, 2010|Resumos|34 Comments


Neste resumo, você vai conhecer o Imperalismo, suas causas, a divisão de grandes continentes como a África e a Ásia e suas repercussões e revoltas. Ao terminar de ler o conteúdo, faça o quiz e teste seus conhecimentos.

  • Quiz sobre o Imperialismo: Teste seus conhecimentos sobre este assunto com o quiz. Aprenda os principais conceitos desta aula e fique fera nas avaliações.

Antecedentes

O Imperialismo, também chamado de Neocolonialismo, foi um movimento de expansão territorial, cultural e econômica de nações europeias sobre outras, a partir do século XIX. A exploração das potências imperialistas está relacionada com a Revolução Industrial. Isto porque o crescimento do número de indústrias estimulou a busca de matérias-primas, que estavam em falta na Europa.

Além disso, fazia-se necessário a busca de novos mercados consumidores, para escoar a produção das fábricas, e dos capitais disponíveis. A mão-de-obra também era mais barata do aquela encontrada na Europa. Estes fatores, associados a outros, estimulou a corrida com vista a dividir territórios, principalmente na África e Ásia, que pudessem suprir estas necessidades europeias.

Os principais potências imperialistas foram: Inglaterra, França, Bélgica, Alemanha, Itália, Rússia e Japão. A participação destas potências ocorreu em graus e momentos diferentes.

Colonialismo x Neocolonialismo

O Neocolonialismo foi uma nova forma de colonizar territórios, diferente da expansão territorial que ocorreu durante o chamado Colonialismo. Enquanto o Colonialismo ocorreu a partir do século XV – no contexto do Mercantilismo –, o Neocolonialismo ocorreu a partir do século XIX – no contexto da Revolução Industrial.

O Colonialismo ocorreu sob patrocínio da burguesia comercial, que buscava ouro e prata, principalmente na América. O Neocolonialismo, por sua vez, ocorreu sob patrocínio da burguesia industrial, que buscava matérias-primas e mercados consumidores, na África e na Ásia.

Durante a corrida colonialista, justificava-se a dominação pela expansão da fé cristã. Na corrida neocolonialista, o argumento utilizado foi a chamada missão civilizadora.

Missão civilizadora

A forte industrialização, as conquistas econômicas e a organização político-social na Europa, no decorrer do século XIX, levou os europeus à crença de que haviam atingido o topo da civilização. Esta ideia está ligada a uma visão eurocêntrica de mundo, que coloca a cultura europeia como superior às outras culturas ao redor do planeta.

Alguns países imperialistas diziam que a conquista e exploração de territórios na África e Ásia faziam parte de uma missão civilizadora, ou seja, o “fardo do homem branco” era levar àquelas regiões a cultura e progresso europeus. De certa forma, a missão civilizadora está vinculada à teoria do Darwinismo Social, baseada nas ideias de Charles Darwin sobre a evolução. Aplicada à sociedade, esta teoria dizia que haviam povos mais ou menos evoluídos.

Vale ressaltar que, no geral, o objetivo dos países imperialistas não era civilizar, mas obter vantagens econômicas com a exploração dos africanos e asiáticos.

Doutrina Monroe

Diante dos interesses econômicos dos países imperialistas europeus, os Estados Unidos temiam que houvesse uma tentativa de recolonizar a América. Para evitar que isto ocorresse, foi criada a Doutrina Monroe pelo então presidente James Monroe, em 1823. O slogan desta campanha era: “América para os Americanos”.

Assim, de acordo com esta doutrina, a Europa não deveria criar colônias no continente americano. Por outro lado, os Estados Unidos não tentariam criar colônias na África e Ásia. A Doutrina Monroe acabou, futuramente, influenciando na criação da política do Big Stick, segundo a qual os Estados Unidos poderiam intervir nos países americanos quando achassem necessário.

Aparentemente, os Estados Unidos estavam fazendo frente à Europa para defender nosso continente. No entanto, o que estava sendo defendido eram os interesses norte-americanos.

Partilha da África

A Partilha da África foi a divisão do continente africano entre os países imperialistas. Esta divisão teve início na segunda metade do século XIX. Porém, foi na Conferência de Berlim, em 1884, que a delimitação das fronteiras da África atingiu seu ponto máximo. Nela, foram decididas normas a serem obedecidas pelos países imperialistas.

A conferência não conseguiu conter as ambições de alguns países. A disputa por territórios na África foi um dos motivos da Primeira Guerra Mundial, em 1914. Importante lembrar que a divisão do continente africano não levou em consideração as diferenças culturais entre as tribos, estimulando conflitos étnicos, políticos e religiosos que existem até hoje.

Tanto na África quanto na Ásia, a constante presença dos europeus desencadeou diversas revoltas contra o imperialismo, como a Guerra dos Bôeres, a Revolta dos Cipaios e a Guerra do Ópio.

Guerra dos Bôeres

A Guerra dos Bôeres ocorreu na África do Sul, entre 1880 e 1902. O confronto ocorreu entre os bôeres – africanos de origem holandesa e francesa – contra os ingleses. Dentre as causas, podemos destacar o fato dos ingleses desejarem se apoderar das regiões do Transvaal e Orange, ricas em minas de diamante, ouro e ferro.

Foram duas guerras no total. A Primeira Guerra dos Bôeres ocorreu de 1880 a 1881. A Segunda Guerra dos Bôeres, por sua vez, ocorreu de 1899 a 1902. Apesar das vitórias iniciais, os bôeres foram derrotados pelos ingleses.

Revolta dos Cipaios

A Revolta dos Cipaios ocorreu na Índia, em 1857. O confronto ocorreu entre os Cipaios, soldados indianos que lutavam no exército inglês, contra os ingleses. Dentre as causas, está a indesejada ocupação da Inglaterra na Índia, e a tentativa de converter hindus e muçulmanos indianos ao cristianismo.

Além disso, havia a suspeita de que a gordura utilizada para lubrificar as armas, provinha do porco e do boi. Como estes animais são considerados impuros ou sagrados por alguns indianos, este fato estourou a revolta. No fim, os ingleses venceram o conflito.

Guerra do Ópio

A Guerra do Ópio ocorreu na China, entre 1839 e 1860. O confronto ocorreu entre chineses e ingleses. As causas do conflito estão nos interesses dos ingleses em comercializar com a China. Porém, o mercado chinês era fechado. Contudo, um dos produtos com boa aceitação era o ópio, droga entorpecente proveniente da papoula. Por um tempo, o comércio rendeu grandes lucros aos ingleses.

Porém, o governo chinês proibiu e mandou queimar toneladas da droga. Isto despertou a fúria dos ingleses, que declararam guerra à China. Foram duas guerras no total. A Primeira Guerra do Ópio ocorreu de 1839 a 1842. A Segunda Guerra do Ópio, por sua vez, ocorreu de 1856 a 1860.

No fim, a Inglaterra saiu vitoriosa. Através de tratados, como o Tratado de Nanquim, muitos portos foram abertos aos ingleses, entre eles o de Hong Kong e Xangai.

34 Comments

  1. EAD/JOYCE 6 de outubro de 2009 at 17:12 - Reply

    Muito bom seu texto, quanta carnificina em nome do progresso. Mas os diamantes ainda são causa da miséria na África.

  2. Prof_Michel 6 de outubro de 2009 at 17:14 - Reply

    Totalmente verdade, Joyce. A Belle Epoque é uma boa evidência disto. Beijos

  3. Larissa De Souza 23 de novembro de 2009 at 20:12 - Reply

    que ótimo ficou o resumo !!

  4. Mainny Gabrielle de carvalho 3 de maio de 2010 at 18:50 - Reply

    Adorei o resumo, me ajudou muito com algumas dúvidas que eu tinha sobre o imperialismo :)

  5. Prof_Michel 3 de maio de 2010 at 18:51 - Reply

    Legal, Mainny! ;)

  6. Marcos Lima 24 de fevereiro de 2011 at 16:56 - Reply

    Fantastico Michel…muito bom seu resumo…me ajudou muito para trabalhar com meus alunos..obrigado

  7. Prof_Michel 24 de fevereiro de 2011 at 16:59 - Reply

    Legal, Marcos! Show de bola

  8. Lariinha.. 12 de abril de 2011 at 17:22 - Reply

    Prof sabe o que eu achei que era imperalismo?
    Foi as primeiras imperatises!!
    nao é para se acabar???
    Aauhsahsauhs, beijãooo

  9. Gina 31 de julho de 2012 at 19:05 - Reply

    poise tem gente ignorante que não sabe o que e imperalismo !

  10. Erika Andrade 16 de agosto de 2012 at 16:53 - Reply

    Professor Michel, parabéns pelo resumo do Imperialismo, muito bom. Ajudou muitos nos estudos. Mas é uma pena pensar que muitos conflitos que acontecem hoje na África é causa da Conferência de Belim, da qual os países imperialistas não respeitaram as diferenças culturas, étnicas dos africanos. Colocaram tribos rivais para trabalhar juntas o que desencadeou vários conflitos. Mas, infelizmente, até hoje, aquela ideia de que os lucros estão acima da ética não sofreu mudanças…

    • Michel Goulart 16 de agosto de 2012 at 17:02 - Reply

      Sem dúvida. A partilha afro-asiática representou um impacto muito forte – geralmente, negativo – para as sociedades e culturas locais e regionais.

  11. Eva 11 de outubro de 2012 at 10:27 - Reply

    amei o resumo, agora sem dúvidas, vou terminar meu trabalho!!

  12. leticia 19 de outubro de 2012 at 19:25 - Reply

    amei o resumo, agora eu vou fazer o meu trabalho de historia baseado nisso ,agora estou sem duvidas sobre o imperialsmo

  13. Prof Ricardo Capivara 17 de fevereiro de 2013 at 12:59 - Reply

    Olá Prof. Michel, parabéns pelo resumo, mas, meu interesse é a referência do mapa com alegorias do Império Britânico. Saudações.

  14. kleyton 20 de fevereiro de 2013 at 17:38 - Reply

    olá michel , nao sei porque os tipos de questoes aparecem em ingles? pode me ajudar?

  15. kleyton 20 de fevereiro de 2013 at 17:58 - Reply

    olá michel nao sei porque os no com tipos de questoes estão em ingles pode me ajudar?

    • Michel Goulart 20 de fevereiro de 2013 at 18:54 - Reply

      Sim, o layout está em inglês, mas é um inglês bem básico, nem exige tanto conhecimento.
      No caso das questões de verdadeiro ou falso, é assim: true=verdadeiro; false=falso

  16. kleyton 20 de fevereiro de 2013 at 18:10 - Reply

    as opções de respostas verdadeiro ou falso aparecem em ingles o que aconteceu michel? pode me ajudar?

  17. Rodolfo 25 de fevereiro de 2013 at 16:24 - Reply

    Olá, gostaria de agradecer ao querido professor Michel Goulart, e toda equipe do HISTÓRIA DIGITAL, este resumo é um grande apoio para mim!
    Esclarece bastante sobre o IMPERIALISMO. Forte abraço á todos! ;D

    • Michel Goulart 25 de fevereiro de 2013 at 16:25 - Reply

      Rodolfo, estamos criando uma versão destes resumos para impressão e leitura em tablets.

  18. Klaus do Iate 15 de março de 2013 at 1:54 - Reply

    Acho injusto nao colocar os EUA na lista dos países imperialistas. É verdade que inicialmente montaram uma imagem de anticolonialistas (Doutrina Monroe), mas o fato é que nao impediram a aventura francesa no Mexico e pior, o imperio colonial espanhol já bem reduzido, com as diversas independencias na America Latina, ainda foi tomado pelos americanos. Filipinas e Cuba foram colonias dos EUA na prática como Ted Roosevelt queria tanto. Outros que largaram meio tardiamente na corrida imperialista porque tiveram sua unficação e revolução industrial bem tardias foram Alemanha e Italia. As velhas Holanda, Espanha, Portugal ( que intensificou a ocupação inteiriorana de Angola e Moçambique nesta epoca) e Dinamarca são socios juniores do clubinho imperialista. A Russia tratava as nações suditas asiaticas como colonias ha muito tempo, mas sua industrialização e urbanização incipentes também a colocam como membro junior do clubinho, mas participou do break-up da China e conseguiu uma importante esfera de influencia na Persia. Para provar a todos que nao havia superioridade intrinseca europeia, o Japão deu um sacode na Russia quando os varios imperialistas começaram a se estranhar na Belle Epoque.

  19. beatriz e. 11 de agosto de 2013 at 14:38 - Reply

    professor, é nesse período que surgem os escravos negros, ou seja, o branco como um ser superior ou já existiam?

    • Michel Goulart 11 de agosto de 2013 at 20:38 - Reply

      Os negros já eram escravizados desde o período colonial, ou seja, 400 anos antes do Imperialismo.

  20. lucas 22 de novembro de 2013 at 19:48 - Reply

    Podem falar o que falar mas os ingleses são um povo belicoso e difícil de ser combatido! Até hoje(se não me falha a memória) nunca ouvi falar da Inglaterra “de joelhos” para outra nação. Tanto nas guerras mundiais, quanto em revoltas, os ingleses na maior parte das vezes ou se sagraram como vitoriosos ou perderam por questão de meros detalhes(saindo com algumas vantagens).

  21. SCHANDLER FARIAS DE SOUZA 23 de novembro de 2013 at 2:02 - Reply

    Muito bom o material. É sempre válido reciclar os conhecimentos e adquirir novos :)

  22. ketelim 24 de maio de 2014 at 11:15 - Reply

    legal

  23. Izete 22 de fevereiro de 2015 at 18:58 - Reply

    Gostei muito. Com seu texto vou me sentir mais segura para realizar a minha prova.

  24. Kaoana 10 de março de 2015 at 13:26 - Reply

    Ótimo resumo, uma boa fonte para estudar para as provas ;))

  25. prof angelita 1 de abril de 2015 at 10:58 - Reply

    muitoooooo0ooo tooooops””””

  26. jshfv 14 de abril de 2016 at 21:53 - Reply

    Muito bom o texto ajudou muito a entender, bem resumido e feito :3

  27. luisa 9 de agosto de 2017 at 12:01 - Reply

    Muitooo Bom, parabéns. ótimo texto, ótimo resumo. novo site favorito kkkkk

  28. MANOEL 5 de março de 2018 at 11:12 - Reply

    O conteúdo deve ser acrescido de uma pesquisa, pois todos títulos são temas importantes no aspecto da relação metrópole versus colônia.

  29. auvaromaia.com 27 de fevereiro de 2019 at 12:46 - Reply

    Simplesmente desejo ɗizer que seu artigo é como incrível .

    О clareza еm seu post é simplesmente
    excelente е eu poderia assumir és especialista
    sobre este assunto. Bem com sua permissão deixe me agarrar ѕeu feed
    RSS pаra manter atualizado com o próximo post.
    Obrigado 1 milhãߋ e ρor favor continuar o gratificante trаbalho.

Leave A Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.