Neste resumo, você vai conhecer a história do império dos astecas, uma das civilizações mais importantes da América Central. Você vai aprender sobre sua organização política, social, econômica e sua cultura. Ao terminar de ler o conteúdo, faça o quiz e teste seus conhecimentos.

  • Quiz sobre o Império dos Astecas: Teste seus conhecimentos sobre este assunto com o quiz. Aprenda os principais conceitos desta aula e fique fera nas avaliações.

Antecedentes

Vindos do norte, provavelmente da ilha de Aztaclán, origem do seu nome, os astecas instalaram-se no vale do México em meados do século XIV. Construíram grandes templos e uma capital – Tenochtitlán – com cerca de 200 mil habitantes, maior do que qualquer cidade europeia na época. E constituíram o maior império da América Pré-Colombiana.

Foram guerreiros com uma organização militar muito desenvolvida. Falavam, quase todos, a língua nauatle. Tinham cabelos curtos, eram fortes e de pele escura. Descendentes da tribo dos mexicas, origem do nome do atual México, os astecas foram conquistados e dominados pelos espanhóis, em 1521. Esta conquista foi liderada por Hernán Cortez.

Quando teve fim, o império asteca englobava 500 cidades e 15 milhões de habitantes. Sobre as ruínas de Tenochtitlán, foi erguida a Cidade do México.

Política e sociedade

O governo asteca era uma monarquia. O conselho do imperador elegia o seu sucessor, o qual deveria pertencer aos membros da linhagem governante, a chamada Casa Real. A sociedade asteca era dividida em camadas e comandada por um imperador, chefe do exército. A nobreza era também formada por sacerdotes e chefes militares.

Os camponeses, artesãos, trabalhadores urbanos e escravos compunham grande parte da população. Esta camada da sociedade era obrigada a exercer trabalho obrigatório para o imperador, em obras públicas. O poder do imperador era hereditário e teocrático, ou seja, vindo de origem divina, mas ele governava com o auxílio de um grande conselho. Ele tinha como obrigação proteger o povo e homenagear os deuses.

Os astecas costumavam se dividir em cidades-Estado independentes, sendo que cada uma possuía seu próprio rei. Porém, na época da ocupação espanhola, obedeciam apenas a Montezuma, imperador asteca.

Economia

A principal atividade econômica dos astecas era a agricultura. As terras, em sua maioria conquistadas na guerra, pertenciam aos nobres, mas eram cultivadas por escravos. Como grande parte das terras era alagada, os agricultores plantavam em chinampas, espécies ilhas de cultivo sobre as quais eram colocadas juncos, esteiras e lama do lago para fertilizar a terra.

O milho era alimento básico. Com sua farinha faziam uma espécie de panqueca – a tortilha – que recheavam com girinos, lagartas ou peixes. Cultivavam também feijão, tomate, pimenta, abóbora, algodão e tabaco. Do cacau faziam uma bebida muito forte, chamada de xocoatl, origem do nosso chocolate. De uma planta fibrosa, chamada agave, extraíam uma bebida alcoólica chamada pulque, ancestral da famosa tequila.

O mercado de Tlatelolco, cidade conquistada em meados do século XV, recebia diariamente milhares de pessoas. Não existia dinheiro, mas a semente de cacau era utilizada como moeda e simbolizava poder.

Religião

Os astecas tinham muitos deuses, dos quais podemos destacar Tezcatlipoca, deus da noite; Quetzalcoatl, deus da sabedoria; e Tlaloc, deus da chuva. Ao lado do templo principal, eram construídos outros para as divindades que iam surgindo. Eram feitos de grandes blocos de pedra pois, assim, achavam que ficariam mais perto dos deuses.

Durante os festivais mensais, os astecas homenageavam os deuses com sacrifícios humanos. No festival do deus da primavera, um jovem era sacrificado. Geralmente, o mais bravo dos prisioneiros de guerra era sacrificado a cada ano. No dia de sua morte, ele tocava flauta no cortejo. Sacerdotes e quatro belas moças acompanhavam-no.

Os sacerdotes astecas também se dedicavam à astrologia e tinham calendário. Observavam constantemente, as estrelas e acreditavam que, por meio delas, poderiam saber quais os dias de sorte e os dias de azar.

Legado cultural

Com a casca de figueira brava, os astecas faziam o papel, sobre o qual escreviam com desenhos e símbolos. Porém, eles não conheciam o alfabeto. O sistema de escrita asteca não era para ser lido, mas decifrado. Cada escriba representava as coisas de sua maneira. Geralmente, na parte de baixo da figura estaria o solo, e, na parte de cima, o céu.

Os seus curandeiros, segundo os historiadores, conheciam cerca de 400 espécies de remédios de origem vegetal, mineral e animal. Praticavam sangrias e tratavam de vários males. Os astecas também desenvolveram técnicas avançadas de construção, utilizando palanques e rampas para transporte de blocos de pedra, maquetes, represas e obras hidráulicas.

Desenvolveram um rico artesanato, fazendo tiaras, mantas, trabalhos com plumas e joias. Todas as peças de ouro encontradas no império asteca foram derretidas pelos espanhóis.