Neste resumo, você vai conhecer o processo que levou à independência dos Estados Unidos, no século XVIII, os motivos, os principais envolvidos, a criação de um governo independente e repercussões no mundo. Ao terminar de ler o conteúdo, faça o quiz e teste seus conhecimentos.

  • Quiz sobre a Independência dos EUA: Teste seus conhecimentos sobre este assunto com o quiz. Aprenda os principais conceitos desta aula e fique fera para provas, vestibulares e concursos.

Antecedentes

O território hoje conhecido como Estados Unidos foi colonizado por puritanos ingleses, no século XVII. A partir de então, ficou conhecido como Treze Colônias. As treze colônias não foram colonizadas igualmente. A Inglaterra exercia um controle menor na parte norte, caracterizada como colônia de povoamento. Ali se formou uma elite antenada com as mudanças que ocorriam na Europa.

Os princípios iluministas que se espalhavam pelo continente europeu inspiraram os colonos do norte a exigir reformas, menos impostos cobrados e mais liberdade da colônia em relação à metrópole. Neste contexto, a disputa por territórios na América do Norte acabou gerando a Guerra dos Sete Anos, entre Inglaterra e França, de 1756 a 1763. No fim, a Inglaterra saiu vitoriosa.

Apesar de vitoriosa, a Inglaterra aumentou a quantidade de leis e impostos, visando compensar prejuízos de guerra. Isto gerou descontentamento entre os colonos, que passaram a lutar pela independência.

Os impostos

Para compensar os prejuízos na guerra, a Inglaterra impôs vários impostos, em forma de leis que deveriam ser obedecidas nas treze colônias. A lei do açúcar, de 1764, estabelecia impostos elevados sobre o açúcar importado pelos colonos e proibia a importação de rum.

A lei do selo, de 1765, determinava que as publicações na colônia só poderiam circular contendo um selo de permissão inglês. A lei do alojamento, também de 1765, estabelecia que os colonos deveriam fornecer alojamento e alimentação para as tropas inglesas.

A lei do chá, de 1773, aumentava o imposto sobre o chá trazido da Inglaterra e a proibição de comprá-lo de qualquer outro país.

A reação dos colonos

Em 1774, a Inglaterra impôs as leis intoleráveis, que determinavam o fechamento do Porto de Boston e proibia manifestações contra a Inglaterra. Em represália, alguns colonos se disfarçaram de índios e sabotaram o carregamento de chá inglês. Este episódio ficou conhecido como Festa do Chá de Boston.

Este fato marcou o início dos grandes protestos que, neste mesmo ano, levaram os colonos a realizar o Primeiro Congresso da Filadélfia. Este congresso, em linhas gerais, exigia o não-pagamento de vários impostos e taxas decretados pelos ingleses, assim como o direito de reunião para apresentar queixas às autoridades competentes. Em 1775, os ingleses e colonos iniciaram uma luta armada.

Guerra de independência

Em 1776, os colonos realizaram o Segundo Congresso da Filadélfia, que foi seguido por declaração de guerra contra os ingleses. Em 4 de julho deste ano, foi criada a Declaração de Independência, por Thomas Jefferson, inspirada nas ideias iluministas.

George Washington foi designado comandante das tropas dos colonos que, apesar de algumas vitórias, estavam em desvantagem em relação ao exército inglês. Porém, a França e a Espanha forneceram apoio militar ao exército dos colonos, visando prejudicar a Inglaterra. Esta ajuda foi decisiva para a vitória dos colonos.

A guerra durou até 1781, quando os ingleses se renderam. As treze colônias passaram a se chamar Estados Unidos da América. A Inglaterra reconheceu a independência em 1783.

O novo governo

Com o término da guerra contra os ingleses, os líderes tinham a tarefa de organizar as estruturas do novo governo. Dois grupos se defrontaram nesta tarefa: os republicanos e federalistas. Os republicanos, liderados por Thomas Jefferson, defendiam mais autonomia para os estados.

Por sua vez, os federalistas, liderados por George Washington, defendiam a existência de um poder central forte. Este se tornou o primeiro presidente dos Estados Unidos. Para equilibrar as duas tendências, foi criada a Constituição de 1787. Ela garantia a divisão dos três poderes e a autonomia regional, desde que não entrasse em choque com os interesses da nação.

Esta constituição foi influenciada pelas ideias iluministas e acabou inspirando a Revolução Francesa, o movimento de independência das colônias espanholas e a independência do Brasil.