Neste resumo, você vai conhecer a importância que tem o tempo no estudo da História. Você vai aprender sobre as várias formas de contar o tempo. Ao terminar de ler, confira outros recursos para você aprender mais, como videoaulas, questões, mapas mentais, dentre outros

Aspectos gerais

O Tempo é considerado um objeto de difícil conceito, mas de extrema importância no estudo da história. Situar os fatos no tempo e contextualizá-los é tarefa de historiadores e professores desta disciplina. Sem o tempo, não existe história.

No decorrer dos tempos, vários instrumentos foram utilizados como forma de contar o tempo. Eles ajudavam na organização de diferentes sociedades. Podemos destacar alguns instrumentos, como a ampulheta, o relógio de sol, a clepsidra, o relógio de vela, relógio de pêndulo e o relógio atômico.

Instrumentos

A ampulheta é constituída de duas âmbulas e um pequeno orifício, com uma certa quantidade de areia. O relógio de sol mede o tempo pela posição do sol. A clepsidra utiliza dois recipientes, um com água e outro vazio. A água passa para o recipiente vazio, levantando uma boia atrelada a um ponteiro, que marca o tempo.

O relógio de vela consiste em uma vela normal, demarcada com uma escala horária. O tempo é marcado pela velocidade de queima da vela. O relógio de pêndulo utiliza pesos para fornecer a energia necessária para mover os ponteiros. No relógio atômico, o funcionamento depende das propriedade do átomo, considerado o relógio mais preciso do mundo.

Calendário

Assim com os instrumentos para contar o tempo, os calendários também foram criados como forma de organizar as sociedades. Calendários são sistemas de contagem que utilizam unidades temporais como dia, mês e ano. Eles variam de acordo com a cultura ou religião de um povo.

O calendário cristão marca os anos a partir do nascimento de Cristo, usando a extensão a.C. (antes de Cristo) ou d.C. (depois de Cristo). Foi adotado em 1582, através do papa Gregório XIII. O calendário hegírico é utilizado em países de religião muçulmana. Marca os anos a partir da fuga de Maomé para Meca, em 622.

O calendário hebraico, por sua vez, é utilizado em países de religião judaica. Marca os anos a partir de uma referência bíblica do que seria a criação do mundo, situada no ano 3760 a.C.

Tempo histórico e cronológico

Quando estudamos história, podemos contar o tempo de duas formas: através do tempo cronológico ou através do tempo histórico. O tempo cronológico é aquele que temos usando calendários ou instrumentos. Ele oferece uma medida exata ou aproximada do tempo.

O tempo histórico, por sua vez, está relacionado com as mudanças que ocorrem em determinada sociedade, independente do tempo cronológico. Podemos utilizar, como exemplo, uma tribo de índios nômades na Amazônia, que vive da caça e da coleta.

Apesar de viverem no mesmo tempo cronológico que o nosso, estes índios vivem no tempo histórico do paleolítico.

Linha do Tempo

Através de uma concepção eurocêntrica do mundo, difundiu-se uma linha do tempo baseada em eventos ligados ao contexto do continente europeu. Esta linha do tempo, considerada oficial, divide-se em Pré-história, Idade Antiga, Idade Medieval, Idade Moderna e Idade Contemporânea.

Esta linha do tempo é limitada ao não oferecer dados para a compreensão histórica e temporal de outras sociedades.

Anacronismo

Anacronismo é um erro histórico. Significa situar um acontecimento, fato ou personagem num período em que não existiu. Por exemplo, ao dizer que os antigos romanos utilizavam armas de fogo, estamos incorrendo no anacronismo, pois a pólvora ainda não era dominada naquele período histórico.

Apesar de ser um erro histórico, se bem utilizado pode servir para compreender alguns fatos, baseado em valores de nosso tempo. Assim, o anacronismo aparece em desenhos, como no caso dos Flintstones; histórias em quadrinhos, como no caso do personagem Piteco; entre outras mídias.

Converter anos em séculos

Para converter anos em séculos, a regra é simples. Se o ano terminar em 00, permanece o(s) dígito(s) inicial(is), convertido(s) em século.

Exemplo: 1200=séc. XII; 300=séc. III

Se o ano não terminar em 00, acrescenta-se 1 ao(s) dígito(s) inicial(is), convertido(s) em século.

Exemplo: 1756=séc. XVIII; 101=séc. II

É importante fazer a conversão sempre em algarismos romanos.

Converter séculos em anos

A regra para converter séculos em anos também é simples. Converte-se o(s) dígito(s) inicial(is), do romano ao cardinal, acrescentando dois zeros. Este é o ano final.

Exemplo: séc. XVI=16+00=1600
Em seguida, subtrai 99 do número, encontrando, assim, o ano inicial.

Exemplo: 1600-99=1501

Ou seja, o séc. XVI inicia em 1501 e termina em 1600.