Home/Resumos/Resumo: Unificação da Itália e Alemanha

Resumo: Unificação da Itália e Alemanha

fevereiro 28th, 2010|Resumos|13 Comments


Neste resumo, você vai conhecer o processo que levou à unificação da Itália e Alemanha, os motivos e interesses da burguesia, as lutas e conflitos e as características de cada unificação. Ao terminar de ler o conteúdo, faça o quiz e teste seus conhecimentos.

Antecedentes

No século XIX, a maior parte dos territórios europeus já eram estados-nação, ou seja, países unificados. Itália e Alemanha, porém, não tinham o seu território unificado, o que prejudicava os interesses econômicos da burguesia destas regiões.

Depois do Congresso de Viena, em 1815, a Itália foi dividida em vários reinos, ducados e estados pontifícios, ou seja, que pertenciam à Igreja Católica. A Alemanha, por sua vez, foi dividida em 39 estados, a Confederação Germânica. O poder era disputado entre os católicos da Áustria e os protestantes da Prússia.

Uma série de guerras e medidas, cada uma à sua maneira, acabou levando estas duas regiões à unificação e a criação de estados fortes e centralizados.

Unificação da Itália

A Itália, além de estar dividida entre várias monarquias autônomas, sofria a dominação da Áustria, que dominava a região da Lombardia e a cidade de Veneza. O norte da Itália, onde ficava o reino de Piemonte-Sardenha, concentrava a maior parte da burguesia, que desejava a unificação para formar um mercado nacional para os seus produtos

Assim, foi no reino de Piemonte-Sardenha que teve início o movimento pela unificação da Itália, em 1848. Os italianos tiveram apoio da França na luta contra a Áustria. A guerra contra a Áustria começou em 1859, com apoio de Napoleão III, imperador da França. Os Camisas Vermelhas, movimento popular liderado por Giuseppe Garibaldi, também foram decisivos. A Áustria acabou derrotada, cedendo o território da Lombardia.

A unidade italiana

A vitória sobre a Áustria mobilizou os italianos de várias regiões, como Toscana, Parma e Módena. Estes estados, seguidos de outros, se uniram ao Piemonte no projeto de unificação. Os últimos territórios conquistados pelos piemonteses foram Veneza e Roma. Veneza foi conquistada em 1866. Roma foi conquistada em 1870 e se tornou capital da Itália unificada.

No processo de unificação, a Igreja Católica perdeu vários estados pontifícios, ou seja, territórios sob seu domínio e influência. Assim, acabou sofrendo grande prejuízos. Em 1929, através do Tratado de Latrão, Benito Mussolini indenizou a Igreja, cedendo a praça de São Pedro e possibilitando a criação do Estado do Vaticano, dentro de Roma.

Unificação da Alemanha

O processo de unificação alemã foi liderado pela Prússia. Os 39 estados alemães eram chamados, na época, de Confederação Germânica. Em 1834, por iniciativa da Prússia, foi criado o Zollverein, uma associação econômica dos estados da confederação. A Áustria, no entanto, se negou a aderir.

O Zollverein favoreceu o desenvolvimento industrial e militar da Prússia, que passou a ver na Áustria um obstáculo a seus projetos. Em 1862, Otto Von Bismarck foi nomeado primeiro-ministro da Prússia. Com forte armamento, Bismarck declarou guerra a vários estados da confederação, em 1864.

Em 1866, Bismarck declarou guerra à Áustria e venceu, conquistando os territórios do norte. Para incluir os territórios do sul, a Prússia declarou guerra à França de Napoleão III.

Guerra Franco-Prussiana

Em 1870, iniciou-se a guerra entre França e Prússia. Em pouco tempo, os franceses foram derrotados. Napoleão III deixou o poder e foi proclamada a República na França. Em 1871, Guilherme I, rei da Prússia, foi proclamado imperador na Alemanha. Assim, foi criado o império alemão, também denominado Reich.

Neste mesmo ano, pelo Tratado de Frankfurt, a França foi obrigada a ceder à Alemanha a província de Alsácia-Lorena, rica em ferro e carvão. Este fato provocou o crescimento do revanchismo francês, uma das principais causas da Primeira Guerra Mundial.

13 Comments

  1. klaus provenzano 24 de abril de 2012 at 10:56 - Reply

    A Alemanha unficada nos seculo XIX por Bismarck (que dizia que se as pessoas soubessem como salsichas e poltica são feitas, nao iriam querer saber mais nem de uma nem da outra) seria o Segundo Reich, que nasceu dentro do salão de espelhos do palcio de Versalhes (motivo pra frances ter bronca de alemão até hoje).
    O Primeiro Reich nasceu da partição do imperio de Carlos magno em (França-oeste e Alemanha-leste).O Primeiro Reich, porem nao emplacou . Nem com o ressurgimento de um poder forte temporario na mao da dinastia saxã (otonidas) e nem na mao dos poderosos Habsburgs. Esta dinastia explica porque a Austria tem tanta influencia na Italia e na Alemanha ainda nao-unficadas no seculo XIX antes de Cavour e Bismarck.
    Os Habsburg quase unficaram a Alemanha,nos seculo XVI quando eram donos tb. da Holanda, Espanha e maioria das Americas, mas a ascençao de Lutero, a oposição da França e e do imperio Turco melaram seu projeto.
    No seculo XVIII, a Prussia com seu despota iliuminista aparece como jogador importante no dominio da Alemanha atrapalhando a Austria Habsburg.
    A Prussia se salva na Guerra dos sete anos graças a liderança da um genio militar ( rei Frederico o grande), das batatas, do seu luteranismo e da ajuda financeira inglesa.
    Tanto a Prussia quanto a Austria apanham de Napoleão, mas Restauração mantem mais ou menos a composição de sua elite (nobreza latifundiaria aburguesada já arriscando industrialização).
    O reino da Prussia , responsavel final pela unificação alemã, nasce como reino independente no iniciozinho do seculo XVIII, mas sua historia ANTERIOR é bem interessante para entender algumas atitudes alemãs nas guerras mundiais…

    • Isabela 16 de maio de 2013 at 11:06 - Reply

      como abaixo ?

  2. Isabelle 30 de outubro de 2012 at 18:22 - Reply

    Muito bom esse resumo, me ajudou muito, só tive dificuldade em baixá-lo. Obrigada!

  3. Klaus do Iate 22 de maio de 2013 at 1:20 - Reply

    Após sobreviver quase por milagre a guerra dos Sete Anos, a Prússia teve que enfrentar Napoleão na 1a metade do seculo XIX. Mesmo tendo lutado contra Napoleão, a Prússia recebeu alguns territorios dados por ele quando ele reorganizou o mapa da Alemanha. Quando Congresso de Viena tentou restaurar as coisas, a Prussia acabou recebendo ainda mais territorio! Quando Napoleão se reergueu pra o Governo dos 100 dias, os prussianos foram tão fundamentais em derrota-lo definitivamente em Waterloo quanto os ingleses. A Prussia chega ao tempo do Bismarck (2a metade do seculo XIX) com tanta influencia sobre restante dos alemães quanto a sua rival a Austria. Só faltou que ao bom exercito fosse juntada muita malandragem e isto Bismarck tinha de sobra.

  4. Aleexx Juniioor 21 de janeiro de 2014 at 15:18 - Reply

    Vlw Klaus do late …

  5. Daniele Pimentel 4 de junho de 2014 at 11:07 - Reply

    Olá Michel! Há algum problema com o resumo? Não consigo visualizá-lo. Aparece uma informação dando código de erro. Poderia ver o que é?
    Grata!

  6. alexandre ribeiro athayde 4 de outubro de 2016 at 17:09 - Reply

    muito bom tirei 12 na prova e nois

  7. MATHEUS 9 de novembro de 2016 at 9:32 - Reply

    Esse resumo me ajudou bastante pra fazer o meu seminário de historia

  8. Gabriela Cardoso 9 de novembro de 2016 at 12:40 - Reply

    muito bom este ressumo,ajudou bastante.

  9. Mayce 22 de agosto de 2018 at 8:23 - Reply

    Muito bom, me ajudou bastante no meu seminário. Espero tirar a nota máxima. Me desejem sorte!

    • alana 5 de setembro de 2018 at 15:07 - Reply

      como foi????

  10. eleir silva 21 de maio de 2019 at 16:16 - Reply

    o que aconteceu apos o processo de unidicacao da alemanha com a italia?

  11. Maria de Jesus 3 de junho de 2019 at 20:33 - Reply

    Nossa adorei o resumo ,vai me ajudar bastante

Leave A Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.