Neste resumo, você vai conhecer sobre a origem do homem americano e quais são as rotas de migração mais conhecidas para o povoamento do continente durante a Pré-História Americana. Ao terminar de ler, confira outros recursos para você aprender mais, como videoaulas, questões, mapas mentais, dentre outros

Aspectos gerais

Admite-se que o continente americano era despovoado até cerca de 40 mil anos atrás. Por essa época, teria se iniciado o processo de imigração humana para a América. Porém, estas datas ainda são objeto de discussão. A falta de consenso entre os estudiosos sobre o povoamento da América tem origem nas diferentes datações encontradas em sítios arqueológicos em todo o território americano.

No sítio arqueológico de Monte Verde, no Chile, os pesquisadores chegaram a conclusão que os seres humanos passaram por ali há 12 mil anos, aproximadamente. Data semelhante foi encontrada no sítio Clóvis, nos Estados Unidos. Vestígios encontrados no sítio do Boqueirão da Pedra Furada, no Brasil, apontam que os seres humanos ali estiveram há 40 mil anos atrás. Muito tempo antes, portanto.

Estas diferentes datações encontradas em pontos tão distantes da América são motivo de controvérsia nas discussões sobre a origem do homem americano.

Origem do homem americano

Há diversas teorias quanto à origem do homem americano. Alguns estudiosos defenderam, durante muito tempo, a teoria de que ele seria autóctone, ou seja, que teria surgido e evoluído na própria América.

Hoje, no entanto, a maioria dos pesquisadores admite a teoria de que ele seria alóctone, isto é, de que chegou na América vindo de outros continentes, como a Ásia. A hipótese de que o homem americano é proveniente da Ásia é reforçada pela grande semelhança entre os índios americanos e os mongóis.

A chegada dos primeiros seres humanos na América se deu, provavelmente, através de diferentes rotas migratórias.

Rotas migratórias

A teoria mais aceita do povoamento do continente afirma que levas de seres humanos passaram da Ásia para a América em várias ondas migratórias, através do Estreito de Bering. Estas migrações ocorreram durante a glaciação, quando houve grande acúmulo de gelo sobre a superfície da terra.

Neste período, devido ao baixo nível dos mares e congelamento das águas, formou-se um caminho terrestre natural que possibilitou a travessia. Alguns pesquisadores identificam outras rotas migratórias, como a Malaio-Polinésia e a Australiana, que afirma que o homem chegou à América através do Oceano Pacífico, fazendo escalas em suas ilhas.

Estas sucessivas ondas migratórias podem justificar a diversidade cultural e linguística na América. No entanto, nenhuma dessas hipóteses pôde ser comprovada, como ocorreu com a passagem de Bering.

Organização social

Os povos da pré-história americana se dividiam em diferentes estágios de desenvolvimento social, cultural e econômico. Haviam os povos no estágio paleolítico, que viviam da caça, da pesca e da coleta e eram nômades. Entre estes, podemos destacar os esquimós, os charruas e os xavantes.

Existiam povos no estágio neolítico, que conheciam a agricultura e viviam de forma sedentária, organizados em aldeias. Entre estes, podemos destacar os pueblos, aruaques e tupis-guaranis. Em algumas regiões, o maior desenvolvimento da agricultura, aliado ao aumento da população e à introdução de novas tecnologias, propiciou o surgimento de grandes e complexos centros urbanos.

A partir dessas bases, organizaram-se as civilizações pré-colombianas dos maias e astecas, na América Central; e os incas, na América do Sul.