Livro: A Era de Napoleão

Home » Livros » Livro: A Era de Napoleão

O livro A Era de Napoleão, de Alistair Horne, aborda o período entre 1796 e 1815, indo desde a ascensão à queda do líder francês, passando pelas mudanças dramáticas em curso na França e nos demais países europeus vizinhos. Com estilo elegante e direto, o autor foca nas conquistas não militares de Napoleão, no seu gosto pelo poder, na sua versatilidade e energia inesgotável e em como era viver na França sob seu reinado.

Capa do livro A Era de Napoleão

>> Compre na Livraria Saraiva (R$ 39,90)

>> Compre na Loja Submarino (R$ 39,90)

O livro foi lançado em 2013 e conta com 232 páginas. Ao ler, você vai conferir

  • Durante quase duas décadas, Napoleão Bonaparte impôs suas ideias e personalidade com êxito – de seu cultuado exército a edificações suntuosas, das roupas a decoração e ornamentação pública, das leis à ópera, da conduta sexual aos dias do calendário.
  • Nascido em meio à pobreza na Córsega, Napoleão Bonaparte foi alçado ao poder nos anos turbulentos que se seguiram à Revolução Francesa, quando a maior parte da Europa se voltava contra a França. Herdeiro da revolução, não foi um revolucionário, mas um reformador e modernizador.
  • Alçado imperador da França em 1804 com o título de Napoleão I, ambicionava fazer de “Paris não apenas a cidade mais bela do mundo, mas a mais bela que já existiu, e também a mais bela que jamais poderia existir”.
  • Por meio de uma série de vitórias brilhantes e improváveis, conquistadas tanto por sua notável habilidade em inspirar suas tropas quanto pelo talento militar, Napoleão trouxe uma paz triunfante que o transformou no ídolo da França e, mais tarde, em seu governante absoluto.
  • O autor guia os leitores por meio de cada aspecto de seu governo: do compromisso francês com uma aristocracia baseada no mérito e não mais na hereditariedade ao código civil napoleônico – seu legado mais importante e duradouro – incluindo também aspectos culturais e da vida cotidiana.
  • No centro da história, está um homem singular, cuja ambição, força de vontade e habilidade para comandar transformou a Europa, lançando as bases do mundo moderno. Sua derrocada se deu em 1815, mas seu ideário já havia sido amplamente difundido.

About the Author:

Professor, historiador e blogueiro, já trabalhei em algumas das maiores escolas públicas e particulares de Santa Catarina. Comecei a lecionar em 2001, sempre preocupado com um ensino caracterizado pela criatividade e inserção de novas tecnologias e metodologias variadas em sala de aula.

5 Comments

  1. Klaus do Iate 5 de dezembro de 2013 at 20:05

    Dentro de varias de suas qualidades que o ajudavam a ser o grande lider militar que foi, estava um superpoder absurdo de se lembrar, sem ajuda, do nome de incontáveis pessoas. Não preciso dizer qque as pessoas se derretiam por ele, quando eram chamdas peo nome. Dava impressão de que ele considerava você especial.

  2. Roxanne Landry 7 de dezembro de 2013 at 6:41

    Releio, sorrio, pergunto: como foi possível eu escrever uma coisa tão insonsa? Até nas Letras se reflecte a Batalha Permanente. Cativa-me a inovação contra a vulgaridade. De Paris envio uma carta a Emília. Opino que As Flores do Mal alçaram Baudelaire à posição de príncipe dos poetas. Vai ficar surpreendida pois acha que eu só penso em micro-assassinos. Foram eles que me arrastaram do Rio a Paris. Foram eles que, depois de três anos de casados, me roubaram ao seu convívio. Parece-me que estou a ouvi-la: Agora o cientista está interessado em Literatura? Mas que absurdo!

  3. Klaus do Iate 12 de dezembro de 2013 at 20:36

    Entendi nada

  4. Daniele Pimentel 20 de Maio de 2014 at 11:46

    Tô contigo Klaus do Iate! Joguei parte do texto acima no google e vieram artigos relacionados a Oswaldo Cruz! Como não tive paciência de ler deixo para os curiosos: http://medicosilustresdabahia.blogspot.com.br/2011/02/306-urcicio-santiago.html

  5. ERNESTO VICENTE 21 de Fevereiro de 2017 at 21:54

    Lamentavel…. NÃO COMPRE
    Tivesse eu percebido que este Alistair Horne, era INGLES., teria evitado essa aquisição.
    Ele passa o tempo todo tentando desmerecer a figura de Napoleão Bonaparte, tentando deixa-lo menor. Claro… Napoleão foi uma grande pedra nos sapatos dos ingleses.
    Quem gosta de história, gosta da história de Napoleão Bonaparte, e ao ler este livro, se sente ultrajado, pelo modo que este Pseudo-escritor, nitidamente tendencioso, o retrata,
    NÃO COMPRE…..

Leave A Comment