Home/Curiosidades/15 curiosidades sobre a Campanha da Rússia

15 curiosidades sobre a Campanha da Rússia

dezembro 5th, 2012|Curiosidades|36 Comments


Em seu tempo, o general e imperador francês Napoleão Bonaparte foi admirado e até glorificado pelas suas vitórias em batalhas e talentos como general. No início do seu governo na França, havia uma grande chance de Bonaparte conquistar toda a Europa, iniciando pelo continente.

No entanto, a empreitada francesa na Rússia mudou tudo e acabou fazendo o general cair em desgraça. Por este motivo, conheça 15 curiosidades sobre a Campanha da Rússia.

O grande exército de Napoleão Bonaparte

– A Campanha da Rússia foi uma grande operação militar iniciada pelos franceses e seus aliados, sob o comando de Napoleão Bonaparte em 1812, e que teve grande impacto sobre o desenrolar das chamadas Guerras Napoleônicas, marcando o início do declínio do Primeiro Império Francês.

– Esta campanha foi orquestrada com o objetivo de punir a Rússia, que havia quebrado a determinação de Bonaparte de nenhum país manter relações comerciais com a Inglaterra, no chamado Bloqueio Continental. Ao mesmo tempo, a rendição do czar levaria ao domínio da França sobre toda a Europa Continental.

– As forças de invasão francesas, ao final, foram reduzidas a 2% do seu contingente inicial. A invasão provocou profundas mudanças no panorama social e político dos países envolvidos, gerando grandes movimentos migratórios, bem como reviravoltas nos panoramas estabelecidos das operações militares.

– Para um projeto dessas dimensões, em 1810, Napoleão começou a preparar uma tropa à altura. A grande armée (grande exército, em francês) reunia mais de meio milhão de homens. Eram 610 mil combatentes, levando 1420 canhões. Ao todo, 678 mil, se contar as tropas reservas.

– Esse gigantesco exército era formado por gente da Prússia, Áustria, Bavária, Saxônia, Itália, Polônia, Espanha, Croácia e até de Portugal. Apenas 200 mil eram franceses. Em dois anos, o imperador francês conseguiu estruturar seu poderio militar na Polônia, próximo à fronteira ocidental da Rússia.

Tropas de Napoleão Bonaparte e Moscou

– Composta de dez corpos de exército, quatro tropas de cavalaria, mais a força de elite da Guarda Imperial, a grande armée tinha como foco central um exército comandado pelo próprio Napoleão, com 250 mil homens e 527 canhões.

– A campanha começou na madrugada do dia 24 de junho de 1812, quando o grande exército napoleônico cruzou o rio Nemen e invadiu a Rússia sem avisos ou declarações formais de guerra. A ação foi um golpe nos planos do czar Alexandre I, que pretendia montar um exército de 900 mil homens.

– O problema é que essa massa militar estava sendo reunida na Moldávia, na Criméia, no Cáucaso, na Finlândia e em regiões do interior do império, longe demais do local de entrada do exército francês. Por isso, em junho de 1812, os russos só conseguiram colocar cerca de 280 mil homens e 934 canhões na fronteira.

– No dia 23 de julho, sem ter lutado nenhuma batalha decisiva, a grande armée havia sido reduzida em cerca de 2/3 por causa de fadiga, fome, deserção e morte. A vantagem, porém, continuava ao lado de Napoleão. No lado oposto, o czar reclamava da incompetência russa em interromper o avanço francês.

– No dia 14 de setembro, Napoleão iniciava a marcha em direção a Moscou, capital do império russo. Assim que os franceses passaram pelas ruas da cidade em direção ao Kremlin, pequenos incêndios começaram a surgir. Napoleão assistiu estarrecido o fogo devorar a a cidade, que ardeu por cinco dias.

Retirada do exército de Napoleão

– Após cinco semanas acampando sobre as cinzas da cidade, Napoleão decidiu dar meia volta e iniciar o retorno à França em 19 de outubro. Junto aos soldados, seguiram uma lenta procissão de carroças carregadas de peles, prata, porcelana e seda – fruto de saques.

– No dia 4 de novembro, uma neve pesada começou a cair sobre os franceses desnutridos. No dia 9, a temperatura caiu para cerca de -26° C e continuava baixando. O frio penetrava nas roupas esfarrapadas dos soldados e se somava à exaustão.

– Ao frio, somavam-se os constantes ataques perpetrados pelos russos. No dia 14 de dezembro de 1812, sob um frio de -38° C, apenas 10 mil homens conseguiram cruzar o rio Nemen de volta. A contagem das baixas do fracasso napoleônico: 550 mil homens mortos. No lado russo, 250 mil soldados efetivos.

– Toda a história da campanha napoleônica na Rússia gerou a famosa obra literária Guerra e Paz, de Leon Tolstói. Ela foi escrita na segunda metade do século XIX, eternizando dezenas de passagens da campanha. A derrota inicial da Rússia e sua vitória final também são lembrados na Abertura 1812, de Tchaikovsky.

– Em 2001, uma escavação de rotina em Vilnius, capital da Lituânia, revelou um grande achado: os ossos de 2 mil jovens, no que parecia ser uma cova comum. Após as investigações, os arqueólogos se emocionaram ao descobrir que eram os restos mortais de soldados franceses mortos durante a campanha da Rússia, em 1812.

36 Comments

  1. Klaus do Iate 6 de dezembro de 2012 at 23:40 - Reply

    Atribuir as derrotas de Napoleao e Hitler na Russia ao general Inverno é uma grande supersimplificação e retira os meritos dos genrais e do povo russo. É possivel invadir e vencer os russos em casa mesmo no inverno. A analise da campanha russa pelo ingles Basil Lidell Hart , considerado o Sun Tzu do Ocidente, lança muita luz sobre ela.

  2. Klaus do Iate 6 de dezembro de 2012 at 23:41 - Reply

    Napoleao foi um genio militar ambicioso. Tivesse nascido alguns meses antes seria um piemontês (italiano), já que a Corsega, onde nascera, havia sido vendida para França.

  3. Klaus do Iate 6 de dezembro de 2012 at 23:43 - Reply

    Muito criativo, foi designado pelo governo revolucionario francês para o front italiano, considerado secundario. Os revolucionarios já enfrentavam as tropas da Restauração. Napoleao era de origem humilde, mas a Revolucao, executando quase todo o generalato por suas origens aristocraticas, deu sua grande oportunidade a ele.

  4. Klaus do Iate 6 de dezembro de 2012 at 23:46 - Reply

    Napoleao , embora formado pela conceituada Escola Militar Francesa, era um oficial da artilharia, o setor menos prestigiado do exercito francês da época. Mas ele era oportunista, rapido e surpreendente, e com exercito pequeno fez um estrago nas forças austrohungaras na Italia. O governo revolucionario , entao o designou para o Egito, uma importante provincia do imperio otomano que era vital para as comunicacoes da Inglaterra com sua mais importante provincia: a India.

  5. Klaus do Iate 6 de dezembro de 2012 at 23:50 - Reply

    No Egito e paises vizinhos, apesar das vitorias iniciais, a marinha inglesa e uma má compreensao napoleonica do que era o Islam deram um fim em sua aventura oriental. Apesar do fracasso politico-militar, Napoleao quando voltou para frança era lembrado apenas pelas vitorias na Italia e nao pela derrota no Oriente Medio. A expedição napoleonica também abriu caminho para o nascimento da Egiptologia Cientifica. Se sabemos tanto a respeito do Antigo Egito devemos agradecer a Napoleao.

  6. Klaus do Iate 6 de dezembro de 2012 at 23:55 - Reply

    Dono de ideias militares inovadoras, altamente carismatico com suas tropas e com os civis, a alta burguesia francesa viu naquele homem: a espada que iria acabar com a bagunça dos jacobinos e restabelecer a “normalidade” necessaria aos lucros.
    A Republica Francesa se tornou uma monarquia novamente ,mas em bases novas. No disfarce de exportação da Revolução, o imperio frances aumentou o seu territorio na Europa. Muitas cabeças coroadas foram trocadas por parentes e amigos de Napoleao. E uma aparentemente estranha aliança da Inglaterra parlamentarista e burguesa com monarquias absolutas do Antigo Regime produziu 5 ou 6 coalizoes para deter Napoleão.

  7. Klaus do Iate 6 de dezembro de 2012 at 23:56 - Reply

    Napoleao venceu quase todas as coalizoes com sua rapidez, suas surpresas , seus conceitos inovadores e os recrutamentos maciços que a Revolução possibilitou.

  8. Klaus do Iate 6 de dezembro de 2012 at 23:59 - Reply

    A maré só começou a virar contra o genio militar com a perda da batalha de Trafalgar, onde as marinhas unidas de Espanha (dominada) e França não conseguiram tirar o poder naval da Inglaterra. Napoleão desejando vencer economicamente a Inglaterra declarou o Bloqueio Continental com otimas consequencias para nós, brasileiros.

  9. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 0:03 - Reply

    Embora as tropas regulares da Espanha e Portugal tenham sido vencidas, guerrilheiros portugueses e espanhois apoiados por tropas e suprimentos ingleses vindos pelo mar (que estava totalmente nas maos britanicas), ainda desafiavam obstinadamente Napoleão na Iberia. Napoleão nao tinha paciencia suficiente pra lidar com a guerrilha liderada por Wellington e julgava erradamente que aquele front agora era secundario. Deixou o “rescaldo do incendio para seus oficiais do segundo escalao” e foi tratar pessoalmente de outros fronts.

  10. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 0:06 - Reply

    O bloqueio continental foi uma má ideia. A Inglaterra ainda tinha como mercado consumidor de seus produtos industrializados toda a America Latina. Além disso na Europa, nao só Portugal e Espanha burlavam o Bloqueio Continental, a Russia também burlava.

  11. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 0:15 - Reply

    Hart fala que Napoleao era incialmente mestre na arte de abordar o inimigo de modo INDIRETO, concentrando, dividindo, correndo veloz e surpreendendo. O deslocamento ANTES do combate e explorando bem APOS cada vitoria. Estes ANTES e DEPOIS eram mais importantes que o DURANTE , o golpe, o combate propiramente dito. Mas as proprias vitorias faceis contra inimigos mas poderosos, o reme-reme da guerrilha iberica, as chances de recrutar mais gente, a devoção e a qualidade de suas tropas foram tornando Napoleao cada vez mais atraido pela batalha em si. O Napoleao rapido e surpreendente esteve ausente na campnha russa de 1812!

  12. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 0:22 - Reply

    Hart fala que boa parte da surpresa já foi estragada porque a reação francesa era claramente esperada pelos russos quando resolveram furar o bloqueio. Os russos sabiam o que ocorreu à Iberia. A enorme concentração de tropas de todo imperio napoleonico na Polônia era explicita. Faltava Napoleao estragar a velocidade. Isto foi concedido novamente pelos proprios numeros. Os numeros deram outra oportunidade aos russos. Exercitos com muitas bocas devem ser atingidos no estômago.
    Onde estava o Napoleão que confiava mais em velocidade que em massa? A guerrilha iberica o matou?

  13. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 0:26 - Reply

    As condicoes geograficas apenas acentuaram as fraquezas da Grand Armee. É certo que o inverno europeu de 1812 começou e terminou mais tardiamente que o normal. Porem os generais de Gengis Khan conquistaram a Russia no inverno. Generais de Hitler sofreram com inverno russo, mas tiveram pelo menos dois veroes ainda dentro do territorio russo.

  14. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 0:33 - Reply

    Os numeros da Grand Armee também deixaram os movimentos dela muito explicitos. Napoleao cruza a fronteira com o grosso de suas tropas enquanto imagina que a divisao menor avançando lentamente , liderada por seu irmao Jerome vá se atracar com o exercito russo. Então a enorme divisao de Napoleao atacaria portas deles. Os russos notam e nao se sentem obrigados a lutar, apenas recuaram e queimaram tudo que pudessem carregar.

  15. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 0:45 - Reply

    A grand Armee avançou cada vez mais dentro do territorio russo procurando envolver em duas mandibulas o exercito russo menor e mais movel. Os russos nao estavam dispostos a meter a cabeça dentro da gulhotina. Em Smolensk, as mandibulas se fecharam de modo tao obvio que os russos escapuliram. Em Borodino a aproximação foi tao obvia, que os russos tiveram tempo de fortificar muito uma paisagem que naturalmente já era defensiva com trincheiras. A sede de batalha do novo Napoleao impaciente nao resistiu. E as mandibulas francesas quebraram seus dentes. Foi uma vitoria francesa com muitas baixas. Mas a Grand Armee ainda tinha muitas bocas. Moscou foi tomada, mas os russos a queimaram. O exercito frances deixou Moscou e voltou para casa nao por causa do frio, mas pela desmotivação, que já vinha desde a guerrilha iberica, quando retorno sobre o investimento era baixo e na Russia foi nulo.

  16. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 0:59 - Reply

    Muitas aguas ainda rolariam depois do fracasso na Russia. Em 1813, ainda confiando mais em massa que em velocidade, Napoleao teve que enfrentar a rebeliao da vencida Prussia conjugada com o contraataque russo. Napoleao vencia, mas somente quando os exercitos inimigos paravam de se mexer. Quando Napoleao pediu tregua, foi a vez da Austria conquistada, se revoltar. Os numeros de baixas da Grand Armee da campnha russa começaram a fazer falta. Mas, afinal, o velho Napoleao rapido, surpreendente e oportunista foi ressuscitado depois de um tempo, só que tardiamente. Blucher e Schwarzenberg convergiram sobre Napoleao e o venceram em Leipzig. Napoleao ainda conseguiu voltar com seu exercito restante pra a França, para onde a Coalizao inteira se dirigiu.

  17. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:09 - Reply

    Na França em nitida desvantagem numerica, Napoleao reafiou suas armas abandonadas: velocidade e surpresa. Rejustou de modo realistico objetivos a seus meios mais parcos. Dividia com seus movimentos a massa inimiga em grupos menores e os comia separadamente. Mas ainda estava obcecado com a ideia que era a batalha pp dita que resolvia tudo. E em Laon, Napa “se engasgou com um pedaço muito grande de carne” , o exercito de Blucher, o prussiano.

  18. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:13 - Reply

    Ainda assim Napa fugiu com tropas remanescentes e conseguiu construir mu novo exercito desguarnecendo importantes cidades e surgindo nas costas do inimigo. O comando da coalizao austro-russo prussiana entrou em debate acalorado se deviam marchar sobre Paris ou dar meia volta para enfrentar o novo exercito do Napa. Acabaram marchando sobre Paris porque se nao o fizessem, Wellington vindo da Espanha o faria. Napoleao vendo que nao poderia alcançar Paris antes de um dos dois grupos inimigos se rendeu e foi parar na ilha de Elba para seu primeiro exilio.

  19. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:22 - Reply

    Todo este rodeio era para mostar que a derrota da campnha russa nao foi tao irreversivel assim. E nem tao trabalho do clima sem suor ou sangue russos. A derrota em Trafalgar, a guerrilha iberica e a decisao de ordenar Bloqueio Continental tiveram mais influencia. Porque elas motivaram uma mudança na mente de Napoleao. Esta mudança que está por tras da derrota na Russia, na Alemanha e na França..

  20. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:23 - Reply

    Na segunda chance de Napoleao (que termina na famosa Waterloo e na dose diaria de arsenico ingles na meiuca do Atlantico), novamente a chance de recrutar grandes massas e resolver tudo num só golpe, temperou a rapidez e as surpresas de Napoleao. Wellington bestamente se orgulhava de que em Waterloo tudo só foi resolvido no ultimo momento.

  21. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:25 - Reply

    Na linha da crença que o general Inverno foi o mais terrivel genral dos russos em 1812 ha um fato que costuma ser lembrado em historia contrafatual.

  22. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:28 - Reply

    O seculo XIX europeu era dado a grandes feiras de Ciencia Internacionais. No auge do poder imperial, a frança foi sede de uma delas. O italiano Alessandro Volta apresentou ao quase-italiano Napoleao,a pilha eletrica! Napoleao ouviu atentamente o sabio e perguntou-lhe para que servia o artefato. Do alto de sua sinceridade de cientista desinteressado, Volta disse ao imperador que ainda nao via alguma aplicação pratica ao invento. Mas a Ciencia nao demorou muito para notar que o principal subproduto da passagem de corrente eletrica por um corpo ser o calor.

  23. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:32 - Reply

    Existem artigos de historia contrafatual, onde a Grand Armee invade a Russia no impiedoso inverno de 1812 com cobertores eletricos, torradeiras e engenhocas capazes de derreter a neve e descongelar comida. Mas a luz de que o frio anormal também foi rigoroso com os russos e de tudo que Hart falou sobre a evolucao mental de Napoleao, as pilhas e cobertores eletricos de Volta nao livrariam a Grand Armee da derrota.

  24. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:41 - Reply

    A desventurada expedição napoleonica ao Oriente também pode ser considerada um prenuncio do movimento sionista (criação de um Estado Judaico na Palestina). A ideia depois seria encampada pelos ingleses.
    Napoleao tentava ser simpatico aos judeus quando estava entre eles e simpatico aos islamicos quando estava entre eles. Falava dos ideais libertarios da revolução aos holandeses,chegou a convence-los a usar a bandeira tricolor da revolucao, deitadinha e a abandonar a bandeira laranja da dinastia tradicional, mas condenava-os quando se atreviam a falar de nacionalismo ou autodeterminação dos povos. Napa tentava ser mais poltico que general, mas na realidade pontou mais quando usava a espada. Nao era Camaleão Bonaparte. Afinal gato escondido com rabo de fora está mais escondido que rabo escondido com gato de fora.

  25. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:45 - Reply

    Napa tb tinha planos para a America. Ao conquistar a Espanha, fez com que ela devolvesse a Luisiânia a França e desse a metade que faltava do Haiti. Napa planejava desmontar o lucrativo comercio triangular do recemnascido EUA.. A Luisiania abasteceria o Haiti de comida, madeira e produtos estrategicos de cotidiano, que o Haiti tradicionalmente recebia dos americanos e o Haiti daria apreço de banana seu açucar para a França aquecer sua nascente revolução industrial.

  26. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:47 - Reply

    A Revolução Francesa a principio declarou o fim do escravismo negro em suas colonias americanas. O sul dos EUA via com horror o abolicionismo frances e o norte dos EUA via com horror o plano napoleonico de uma Alerica francesa quase autosuficiente.

  27. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:53 - Reply

    Acontece que Napa nao era um filho legitimo da Revolução. Relegalizou o escravismo no Haiti. Os negros haitianos radicalizaram também. Redeclarando abolicao, declarando independencia da frança e massacrando todos os brancos da ilha! O genral negro Deassalines rasgou a faixa branca central da bandeira tricolor da Revolução deixando claro como seria seu governo (a bandeira haitiana é vermelha e azul até hoje) e criando a primeira declaracao de independencia na America Latina (1804). Napoleao nao se deu por vencido e eneviou tropas e mais tropas para esmagar os ex-escravos haitianos. Mas a marinha inglesa, o Aedes egypti e as atitudes dubias dos americanos destruiram as tropas que, segundo Napoleao, esmagariam o Haiti em 6 semanas e conqusitariam toda a Luisiânia depois.

  28. Klaus do Iate 7 de dezembro de 2012 at 1:55 - Reply

    Como os planos de Napa goraram e nao querendo ver a Luisiânia na mao dos ingleses e prevendo que a guerra na Europa seria retomada , Napa vendeu a imensa e fertil Lusiânia a preço de banana para os EUA.

  29. Klaus do Iate 12 de dezembro de 2012 at 9:08 - Reply

    Tb é interessante lembrar que enquanto napoleao “curtia”seu primeiro exilio em Elba, seus inimigos redesenhavam a Europa no Congresso de Viena que durou muitos dias e foi regado a muito vinho e valsa. Napoleão retomava o controle da França enquanto ingleses, austriacos, russos e prussianos ainda estavam no bla-bla-bla. Seu governo de 100 dias nunca teve o poderio que seu governo anterior, mas em Waterloo, ele perigou vencer em varios momentos.

  30. Klaus do Iate 12 de dezembro de 2012 at 10:54 - Reply

    Napa perdeu muitos homens na campanha russa de 1812 , que fizeram falta depois. E cavalos também! Muitos deles mortos de frio e comidos!
    Na campanha de 1813, defendendo a Alemanha francesa de invasores russos, prussianos e austriacos, Napa tinha cavalaria insuficiente ainda devido ao fiasco de 1812.

  31. Klaus do Iate 12 de dezembro de 2012 at 10:56 - Reply

    Napa nao perdeu somente muitos homens na campanha russa de 1812. Ele perdeu muitos cavalos que fizeram falta na campanha de 1813, quando defendia territorios franceses na Alemanha contra invasores russos, prussianos e austriacos,

  32. Klaus do Iate 11 de Janeiro de 2013 at 9:50 - Reply

    O exílio em Elba, nao foi exatamente uma prisão. Napoleão tinha dirieto a governanr a ilha, ter um exercito de 1000homens e estampar sua bandeira pessoal como bandeira da ilha. Como já dito, os vencedores se estapeavam DURANTE Congresso de Viena, quando Napa saiu de Elba e retomou a França , onde por 100 dias teve sua segunda chance. Ja a estadia em Santa Helena na meiuca do Atlantico foi de prisão mesmo, com direito a minidoses diarias de arsenico. Para quem gosta de teorias conspiratorias. Cada uma das 4potencias vitoriosas antinapoleonicas tinham motivos para dar uma maozinha para Napa sair de Elba, inckusive ingleses!!! No Congresso , cada facação se referia ao Ogro como mães se referiam ao bichopapao para fazer seus filhos comerem verduras!

  33. Athos 4 de novembro de 2015 at 12:18 - Reply

    Obrigado pelos complementos Klaus.

Leave A Comment