Home/Curiosidades/4 importantes teóricos do Absolutismo

4 importantes teóricos do Absolutismo

Março 27th, 2012|Curiosidades|49 Comments


Absolutismo é um dos conteúdos mais importantes para compreender o período da Idade Moderna. Através dele, entendemos as principais manifestações políticas, econômicas, artísticas e até religiosas deste período. Portanto, é importante conhecê-lo mais a fundo. Absolutismo foi a prática política criada na Europa, a partir do século XV, que defendia o poder total nas mãos do rei.

Mas quem justificava todo este poder? É aí que entra a ação dos teóricos absolutistas, cujas ideias sustentavam o poder absoluto das monarquias europeias. A justificativa dos teóricos absolutistas tomou forma através das obras que ficaram marcadas na história e fizeram a alegria de muitas coroas no velho continente. Algumas destas obras se tornaram verdadeiros clássicos e são lidas por milhares de pessoas no mundo inteiro. Portanto, não deixe de ler

1- Nicolau Maquiavel

Pintura de Nicolau Maquiavel, historiador e escritor do Renascimento

Maquiavel foi um diplomata e historiador italiano, que defendia que o monarca deveria utilizar de qualquer meio – lícito ou não – para manter o controle do seu reino. A frase que resume suas ideias é: “Os fins justificam os meios”. A Itália foi uma das últimas regiões unificadas na Europa (1870).

Obra: O Príncipe

2- Thomas Hobbes

Pintura do matemático e filósofo Thomas Hobbes

Hobbes foi um matemático e filósofo inglês, que discorreu sobre a natureza humana e a necessidade de governos e sociedades. Dizia que o ser humano, no estado natural, é cruel e vingativo, necessitando de um governo forte e centralizado para manter o seu controle. A frase que resume suas ideias é: “O homem é o lobo do homem”.

Obra: Leviatã

3- Jacques Bossuet

Pintura do bispo e teólogo Jacques Bossuet

Bossuet foi um bispo e teólogo francês que criou o argumento que o governo era divino e os reis recebiam o seu poder de Deus. Assim, desobedecer a autoridade real seria considerado um pecado mortal. Um dos reis que se valeu de suas ideias foi o monarca absolutista Luís XIV.

Obra: Política tirada da Sagrada Escritura

4- Jean Bodin

Pintura do jurista e advogado Jean Bodin

Bodin foi um jurista francês, membro do Parlamento e professor de Direito, que defendia que a soberania é um poder perpétuo e ilimitado. Sendo assim , as únicas limitações do soberano eram a lei divina e a lei natural. Bodin usava de argumento religioso para justificar o poder do rei, da mesma forma que Bossuet.

Obra: Seis livros da República

49 Comments

  1. Ricardo Chicuta 27 de Março de 2012 at 16:34 - Reply

    Estou aqui desconfiando que esses teóricos eram todos sustentados pelos Reis da época.

    • Michel Goulart 27 de Março de 2012 at 16:41 - Reply

      Pois é, o puxa-saquismo é milenar. O Maquiavel tem cara de puxa-saco. Brincadeira.

  2. klaus do iate 27 de Março de 2012 at 18:36 - Reply

    Maquiavel era partidario da unficação italiana com Cesar Borgia, filho do papap Alexandre VI. O pensamento dele é rico e vai alem do fim justifica os meios. Ele era contra a profissao soldado, por causa da aemaça que as Forças armadas profissionais representam para suas sociedades em tempo de paz, uma reedição do dito romano antigo: Quem nos protege de nossos protetores? Ele achava que os exercitos naionais deveriam ser feitos de milicias de cidadaos como na Suica até hoje. Ele achava que todo o mau deveria ser cometido (todas as medidas impopulares) de uma só vez e o bem sempre aos poucos para que o povo encara-se o governante como benigno. Ele dizia que a etica do estado deve diferir da etica do individuo porque a necessidade de muitos supera a de poucos ( o que daria brecha para esmagar oligarquias ricas se estas pentelhassem a nacao)

  3. klaus do iate 27 de Março de 2012 at 18:38 - Reply

    Ele dizia que o governante deveria ser amado e temido. E se tivese que optar, que fosse temido (porque os humanos tendem a esquecer a gratidao ,mas sempre se lembram da autopreservação) . No entanto lembrava que apelar para o medo com frequencia transforma o medo em odio.

    • Michel Goulart 29 de Março de 2012 at 4:08 - Reply

      Sob uma ótica de liderança política, Maquiavel não estava errado.

  4. klaus do iate 27 de Março de 2012 at 18:40 - Reply

    Hobbes foi um matemático e filósofo inglês, que discorreu sobre a natureza humana e a necessidade de governos e sociedades. Dizia que o ser humano, no estado natural, é cruel e vingativo, necessitando de um governo forte e centralizado para manter o seu controle. A frase que resume suas ideias é: “O homem é o lobo do homem

    Hobbes é a antitrese de Rousseau e seu Bom Sauvage. Hobbes nao criou a frase , ele só cita Plauto, pensador romano dos eculo I

  5. klaus do iate 27 de Março de 2012 at 18:45 - Reply

    Bodin e Bossuet só recuperam ideias do direito divino dos reis carolingios, de Agostinho. Estes por sua vez sao só a versao crista do abolutismo oriental egipcio, chines e persa, onde o governnante se tem poder politico temporal é porque rebeu mandato divino ou ele mesmo é um deus. Aunica brecha é se o rei foi usurpado, é porque ele perdeu o mandato do Céu. interessante notar que os 4 pensadores dos seculos XVI-XVII citados só recuperam pensamento politico pre-medieval de justificativa da autoridade.

  6. jaiana 24 de setembro de 2012 at 8:52 - Reply

    hobbes tem cara de chato mesmo e paresse ser honesto

  7. larinhaa 18 de Fevereiro de 2013 at 15:58 - Reply

    todos esses teóricos foram muito importantes para a nossa historia,suas “teorias” e “conceitos” são sabias ,pois nos dar uma ideia de como na quela época cada um pensava..Uns defendia o governo centralizado,outros defendia o lado religioso ..cada um com seu ponto de vista e que hoje fazem parte da historia humana….

  8. u 27 de Abril de 2013 at 12:21 - Reply

    valeww me ajudou muito

  9. kk 5 de junho de 2013 at 10:24 - Reply

    hum que legal

  10. Vivi Andriani 25 de julho de 2013 at 22:15 - Reply

    a históriadigital é um site maravilhoso , eu recomendo

    • Michel Goulart 26 de julho de 2013 at 8:35 - Reply

      Obrigado, Vivi Andriani. Trabalhamos para ficar cada vez melhor.

  11. João 3 de agosto de 2013 at 12:15 - Reply

    Nicolau Maquiavel amigo de Ezio Alditore, dos credos dos assassinos aeuheauhuehue

  12. Leonardo 7 de outubro de 2013 at 15:09 - Reply

    lol muito chato tnc ;/@

  13. leonardo 9 de outubro de 2013 at 23:11 - Reply

    JEAN BODIN KK’ RI MUITO

  14. Karen 11 de outubro de 2013 at 0:02 - Reply

    Esse Klaus de Iate é uma biblioteca ambulante. Sério, cara. Você tem Síndrome de Savant? Quem tem essa síndrome costuma gravar tudo em apenas uma lida. E jamais esquece nada! Sabe tudo da sua vida, lembrando de cada dia, minutos e segundos, até mesmo a data, o que estava acontecendo no mundo aquele dia. Simplesmente uma biblioteca ambulante!

    • Michel Goulart 11 de outubro de 2013 at 14:14 - Reply

      Savant não, pois tem sérios efeitos colaterais no cérebro. Mas diria que o mestre Klaus, possivelmente, possui a famosa memória eidética, ou memória fotográfica.

  15. Ygor Richard 15 de dezembro de 2013 at 13:08 - Reply

    vlw pela ajuda agora aprendi mais coisas sobre o absolutismo…

  16. Candeo 13 de Março de 2014 at 16:55 - Reply

    Fazendo A Tarefa ….

  17. Lucas 16 de Março de 2014 at 14:34 - Reply

    qual foi o argumento teórico utilizado pelo Nicolau para justificar o poder do absolutismo?

  18. eli 20 de Março de 2014 at 12:03 - Reply

    Na real, muito obrigado, me ajudou muito, e alias esse maquiável tem uma cara de morgado que vou dizer hein chega a assustar….

  19. Klalus do iate 8 de Abril de 2014 at 8:45 - Reply

    Tenho memoria fotografica nao, só tento RELACIONAR sempre um dado novo, com os dados velhos e para minha surpresa, nao ha coisas completamente novas. Fica fria, Karen! Se vc ganhar um pouquinho de tempo de planeta, como eu ,mas tentar manter espirito curioso de jovem e de se maravilhar( nao se indignar ou se escandalizar), num primeiro momento com as aparentes novidades, vc ficará assim tb.
    E isto dá uma certa trranquilidade, ver que a realidade um misto relativamente harmonioso de novidade e semelhança.

  20. João Mendes Pinto 14 de Maio de 2014 at 19:55 - Reply

    O absolutismo pode parecer p’ra vocês muito careta mas sem ele os reinos teriam continuado divididos como no feudalismo, com cada senhor ou conselho a fazer o que lhe apetecia. O absolutismo trouxe unidade nacional, limites ao poder do Papa e início do conceito de nacionalidade.

  21. luana 16 de Maio de 2014 at 22:24 - Reply

    Me ajudou muito mesmo na minha conclusão para o trabalho , gostei pq esse site resume bastante . Muito bom Parabéns para o criador!

  22. Klaus do Iate 17 de Maio de 2014 at 19:46 - Reply

    João também acho que o absolutismo teve sua hora e sua vez, mas depois é como fralda ou mamadeira para criança de 5 anos: só atrasa. Quanto ao conceito de nacionalidade ou nação, diria que na Europa Ocidental do seculo XI também foi benéfico. Acabou com a fragmentação severa da autoridade e garantiu que o Estado não é propriedade privada de um homem ou de sua família, mas algo mais coletivo e permanente. Tipo: a França não é do Carlos Magno ou do François I ou mesmo do bom Henrique IV, a França é dos franceses. Se ela fosse do Napoleão teria sido desmembrada em Viena. Mesmo para Alemanha pos 2aGG nunca se reunificaria. . O brabo foi o que “surgiu” depois: o nacionalismo, que é botar a nação acima de outras coisas muito mais sagradas. O nacionalismo produz orfãos. O nacionalismo constrói impérios, mas não os mantem, pelo contrario, os destroi. Espanha por muito tempo foi de seus reis, ao inves do conceito mais aberto da republica. Apesar de ter nascido em 1492, hoje há separatismos nacionalistas em Bascônia, Catalunha e Galiza. Yugoslávia era uma realização pessoal do Tito, virou oito países inimigos entre si.

  23. Klaus do Iate 17 de Maio de 2014 at 19:54 - Reply

    Einstein dizia que o nacionalismo é um tribalismo. Não troco mau país por nada, mas não sou contra a participação dele dentro de bloco político-militar mais amplo,DESDE QUE a associação não se torne uma relação parasita-hospedeiro. Na atual União Européia, vejo uma Alemanha carregando o piano sozinha, uma França a contestar-lhe a liderança cooperando pouco, uma Inglaterra que não se compromete de cabeça com a coisa e um bando de endividados. Mas como tal coisa se produziu? Quando se dividiram as tarefas, o Leste Europeu e e a Europa Mediterrânea viraram colônias do Eixo Benelux-Alemanha-França. E as elites da Europa “Pobre” aplaudiram a resolução. Isto eu não desejaria para o Brasil dentro de um coeso Mercosul. Mesmo que fossemos a “cabeça do casal” porque depois ficaríamos com os problemas que a Alemanha atual têm.

  24. Anne Rodrigues 15 de junho de 2014 at 15:44 - Reply

    Obrigado me ajudou no trabalho de historia

  25. zacarias luis garcia vemba 15 de julho de 2014 at 18:47 - Reply

    Quero saber das caracteristicas comuns entre Maquiavel Bodin e Hobbes. Antes de tudo gostei do que vi agora sobre tudo dos grandes pensadores que as suas ideas ajuda-nos

  26. Emanuel Gustavo 30 de julho de 2014 at 19:33 - Reply

    Ótimo conteúdo.

  27. fernanda 16 de setembro de 2014 at 9:31 - Reply

    cara esse conteúdo ate que não ME ajudou em nada

  28. wellington 10 de Março de 2015 at 12:34 - Reply

    valeu por ajudar no trabalho de historia outimo conteudo valeu

  29. Anny Ribeiror 4 de Maio de 2015 at 10:52 - Reply

    obrigado por ajudar a fazedr meu dever lkkkkkkkkk 🙂 MUITO BOM

  30. Aline 16 de Maio de 2015 at 18:53 - Reply

    Conteúdo muito bem explicado e resumido…Valeu!!!

  31. iago 27 de Maio de 2015 at 20:46 - Reply

    Pesquisa Concluída…

  32. marcone 11 de junho de 2015 at 16:56 - Reply

    Quais as principais ideias dos teoricos do absolutismo?

  33. Pamela 16 de setembro de 2015 at 17:41 - Reply

    Quais sao as carracterisca principais de absolutismo?

    • Michel Goulart 18 de setembro de 2015 at 7:32 - Reply

      Pamela, é só ler o texto do resumo sobre o Absolutismo.

  34. angelnsue 30 de outubro de 2015 at 3:20 - Reply

    sinceranente,ambos aurtores tenian algo en comun.

  35. Andreia 25 de Fevereiro de 2016 at 17:56 - Reply

    Gostei muito das explicações, ajudou muito no trabalho, deu pra entender direitinho a teoria de cada um

  36. jessie 2 de Março de 2016 at 12:06 - Reply

    ajudou muito nas minhas pesquisa com alunos mas preciso de um pouco mais…rsrs

  37. MARIA VITORIAS.N 5 de junho de 2016 at 18:18 - Reply

    GOSTEI MUITO DE FAZER ESSE TRABALHO PORQUE TIREI 10 KKK E SERIO PRA QUEM LEU ESSE COMENTARIO

  38. MARIA VITORIAS.N 5 de junho de 2016 at 18:19 - Reply

    QUANDO FAZER ISSO EM UM TRABALHO SEMPRE COMENTE QUANTOS CADA UM QUE LER ESSE COMENTARIO

  39. Jc 23 de setembro de 2016 at 8:21 - Reply

    Vlw gente me ajudou mt ✌

  40. Rodrigo 11 de Abril de 2017 at 16:51 - Reply

    Mano eu vim procurar Nicolau Maquiavel e so achei esse tal de Nicollas Maquievel

  41. Uma Aluna 17 de Maio de 2017 at 9:51 - Reply

    Não sei porque,mas,quando li esse texto tive a impressão de que todos os teóricos mostrados,passavam o dia tomando chá e pensando em teorias,enquanto os reis os mantinha.
    Até eu,pré-adolescente,não me imagino aprovando o absolutismo da forma que falaram.Em pensar que,dizendo o que disseram,estariam cortando seus próprios direitos e desejos ao rei de bandeja; Pensando agora,que ser humano,ainda mais inteligentes como eles,faria isso?Algo com certeza não está certo.

    • Michel Goulart 17 de Maio de 2017 at 14:01 - Reply

      Faz sentido, mas veja bem: Thomas Hobbes trabalhava para o rei Carlos II, da Inglaterra, que estava perdendo o poder para o parlamento; e Maquiavel era amigo pessoal de Lorenzo de Médici, o príncipe de Florença.

Leave A Comment