5 razões para questionar a Id. das Trevas

Home » Curiosidades » 5 razões para questionar a Id. das Trevas

O período que vai do séc. V ao XI, aproximadamente, é conhecido por muitos como Idade das Trevas. Na verdade, o termo foi cunhado na década de 1330 por Petrarca, para fazer referência ao declínio da literatura latina. Mais tarde, foi tomado pelos protestantes (séc. XVI) e, em seguida, pelos pensadores iluministas (séc. XVIII) como um termo depreciativo.

O termo não oferece um julgamento justo. Felizmente, para os atuais estudantes de História, o período é agora conhecido como Alta Idade Média. Assim, dado os antecedentes sobre o termo, eis aqui cinco razões pelas quais a Idade das Trevas foram, na verdade, um período de grande progresso. Esta lista foi extraída e adaptada do Listverse.

1- Surgimento da Álgebra

Pergaminho com escrita em árabe

Graças ao conhecimento do povo islâmico, o mundo ocidental recebeu o primeiro livro sobre álgebra. O livro “Compêndio sobre Cálculo por Completude e Balanço” foi escrito por Al-Khwarizmi, e o título árabe do livro (al-?abr) inspirou o termo “álgebra”. Este livro forneceu a primeira solução sistemática de equações lineares e quadráticas. Al-Khwarizmi, juntamente com Diophantas, é considerado o Pai da álgebra.

2- Arte e Arquitetura

Exemplo de arquitetura da Idade Média

Durante a Alta Idade Média, a arquitetura foi diferente e inovadora. Ela introduziu a idéia de imagens realistas na arte, e estabeleceu as bases para o período românico, que surgiu na Baixa Idade Média. O período também incluiu a introdução e absorção de formas clássicas e conceitos arquitetônicos.

3- Renascimento Carolíngio

Pessoas estudando na Idade Média

O Renascimento Carolíngeo foi um período de avanços na literatura, redação, artes, arquitetura, jurisprudência, estudos bíblicos e litúrgicos, que ocorreu no final do séc. VIII e IX. O mais conhecido rei carolíngio foi Carlos Magno. O Império Carolíngio foi considerado um renascimento da cultura do Império Romano.

4- Nascimento das Universidades

Pessoas estudando nas universidades da Idade Média

A educação clássica foi o sistema utilizado pelas universidades que foram criadas na Alta Idade Média. As universidades ensinavam artes, direito, medicina e teologia. A Universidade de Bolonha, fundada em 1088, foi a primeira a conceder titulação. Além da estrutura clássica, com base no ensino grego antigo, essas universidades medievais eram fortemente influenciadas pela educação islâmica, que foi próspera na época.

5- Desenvolvimento Agrícola

Práticas de agricultura na Idade Média

Se porventura você quisesse morrer de fome, a Alta Idade Média não seria o momento apropriado para isso! Como conseqüência do excelente clima e grande conhecimento agrícola, o Ocidente se destacou nessa área. Durante o Feudalismo, ferramentas de ferro foram largamente utilizadas, e o gerenciamento da terra era feito pelo sistema de rotação de culturas. Excedentes também foram criados para que os animais fossem alimentados com grãos, e não grama.

By | 2015-05-31T15:55:47+00:00 6 de Janeiro de 2010|Categories: Curiosidades|Tags: , , , , |32 Comments

About the Author:

Professor, historiador e blogueiro, já trabalhei em algumas das maiores escolas públicas e particulares de Santa Catarina. Comecei a lecionar em 2001, sempre preocupado com um ensino caracterizado pela criatividade e inserção de novas tecnologias e metodologias variadas em sala de aula.

32 Comments

  1. sidney 7 de Janeiro de 2010 at 20:56

    olá Michel…passando para parabenisar pelo trabalho…e desejar todo sucesso…vi que você gosta e curte jogos de games e gostaria de lhe pedir uma dica e sugestão…podes me passar um email que possa entrar em contato? abraço..se possível entre em contato pelo email profesidney@yahoo.com.br

  2. Tathiana 7 de Janeiro de 2010 at 22:34

    A cara do ocidente tal qual o conhecemos começou a ser moldada na Idade Média (aliás esse nome também é questionável)
    Abraços Michel e parabéns pelo blog cada dia melhor!

  3. Prof_Michel 8 de Janeiro de 2010 at 9:26

    Sidney, todos os meus contatos estão no ME ADICIONA, na barra lateral, inclusive MSN, Orkut, etc. De qualquer forma, meu e-mail é: michel.goulart@yahoo.com.br

    Tathiana, digamos que a cultura ocidental foi moldada muito antes, mas o cristianismo – e suas abordagens – foi uma grande herança cultural.

    Um grande abraço

  4. Helayne 16 de Março de 2010 at 21:54

    Eu adorei! Sempre fui contra ESTE TERMO, SINTO UM CERTO FASCÍNIO PELA iDADE mÉDIA, A ARQUITETURA, O CANTO GREGORIANO, A ARTE DOS VITRAIS E A CONSERVAÇÃO DA CULTURA CLÁSSICA SÃO MAIS QUE MOTIVOS SUFICIENTES PARA "DESESTIGMATIZAR" ESSA ÉPOCA!

  5. Prof_Michel 17 de Março de 2010 at 7:08

    Com certeza, Helayne. Leia o resumo sobre a Igreja Medieval e Feudalismo.

  6. Vitor Gugliemi 13 de Abril de 2010 at 16:09

    Acho que estais certo michel, mais se nao fosse pela igreja, a idade media, teria evoluido mais. 😀

  7. Prof_Michel 13 de Abril de 2010 at 16:13

    Provavelmente…

  8. Manoel Aires da Silva 21 de Abril de 2010 at 19:19

    Olá, Prof. Michel!
    Adorei a lista de História e vou utilizá-la com meus alunos. É sempre bom, como professores, mostrarmos aos nossos alunos o quanto o per´riodo medieval merece ser respeitado e revisto alguns conceitos sobre ele, principalmente o de Idade das Trevas.

    Prof. Mnaoel.

  9. Prof_Michel 21 de Abril de 2010 at 22:17

    É verdade, Manoel. E estou fazendo esta discussão com meus alunos em fórum. Se desejar participar, acesse:
    http://historiadigital.forumeiros.com/

  10. Rita Merlino 9 de Março de 2012 at 19:46

    Professor, adorei seu blog !!!!!
    Faço um trabalho em casa, é uma oficina de história da arte para jovens e tenho bastante cuidado com nossos estudos.
    O “falar fácil “para jovens exige muito conteúdo e domínio da essência dos assuntos. Você faz isso muito bem. Adorei as observacões sobre a “Idade das Trevas”; também falo para os meninos da oficina quanta coisa importante aconteceu nesse período.Gostaria que visse nosso blog , quando tivesse um tempinho e desse sua opinião sincera, ela vai se tornar importante pro grupo. O endereço é:www.ritamerlino.blogspot.com.
    A oficina chama-se Loucos por Arte.
    Muito obrigada

  11. Michel Goulart 10 de Março de 2012 at 10:15

    Excelente observação, Rita. Vou visitar o blog de vocês!

  12. Rita Merlino 5 de Maio de 2012 at 19:18

    Adorei os 5 pontos que fazem da Idade Média um período de mudanças. Na arte por exemplo, temos Giotto que integrou a cena e o envolvimento do espectador em seus quadros, num tempo emque a arte era mais para fazer as pessoas “lerem” as histórias, já que eram analfabetas. Compartilho plenamente a idéia de que o medieval não era período das trevas.
    Abraços e obrigada sempre
    Rita Merlino

  13. Michel Goulart 5 de Maio de 2012 at 21:28

    É isso aí, Rita. É a ideia que nós, enquanto historiadores, tentamos desconstruir.

  14. Klaus do Iate 8 de novembro de 2012 at 11:45

    Nao só na China ou no Islam a filosofia brilhou. A navalha de Okham é desta época! amon Lull é desta época. Nesta fase da historia europeia se formularam claramente importantes questoes e para algumas até foram dadas respostas!

  15. Klaus do Iate 20 de Maio de 2013 at 13:25

    Perguntas formuladas pelas cabeças medievais europeias cristãs ocidentais:
    1) Quem deve predominar Estado ou Igreja?
    2) Devemos moldar nossos pensamentos por nossas crenças ou o oposto?
    3)Reforçar os direitos do individuo ou destacar os limites impostos pela participação deste individuo dentro da coletividade aquele pertence?
    4)É preferível o risco de adotar inovações ou preservar tradições seguras?
    5) Submeter todos a leis consentidas por todos ou a autoridade de quem sabe mais?
    6) Submeter as relações entre Estados a leis consensuais ou reconhecer a inevitabilidade do domínio dos mais fortes?

  16. Klaus do Iate 23 de Maio de 2013 at 13:34

    1. ALGEBRA:Vale notar que , apesar do Ocidente medieval cristão ter adotado o coração da álgebra dos islâmicos, o sistema de notação envolvendo letras e números e o “sagrado sinal” de igual, foi um aprimoramento posterior do Ocidente.

  17. Klaus do Iate 23 de Maio de 2013 at 13:37

    O arado pesado celta, bom para solos densos como os da Europa Transalpina, já existia na Antiguidade, mas os romanos por algum motivo o desprezaram. 1)A volta do uso do arado celta, 2)a criação medieval do arado puxado pelo ombros e peito não pelo pescoço do animal, num jeitão de cachorro de treno 3) e um misterioso aquecimento global pre-peste negra são as causas do brutal aumento da produtividade agricola no fim da Alta idade media

  18. Klaus do Iate 23 de Maio de 2013 at 13:40

    UNIVRSIDADE: Que quase todo o conhecimento era concentrado nas maos da igreja, todos estao carecas de saber, mas acentuar que a criação da primeira universidade foi um esforço do Estado para diminuir a concentração do saber na mao da igreja, não é algo tao popular. A criação da cruzada e da universidade sao iniciativas surgidas por causa da briga Estado Imperial X Igreja catolica. A aliança estabelecida por romanos e francos perigou após 1050.

  19. Klaus do Iate 23 de Maio de 2013 at 13:43

    O Renascimento carolingio infelizmente não emplacou muito por causa das imensas dificuldades economicas e politicas do imperio, fosse ele mais estavel, ai sim o Renascimento Carolingio poderia ter dado conseuquencias como do Renascimento Florentino. para filosofar tem que ter barriga cheia primeiro. Ao inves disto, a naufragar do Imperio, viu nascer o feudalismo e o predominio da Igreja em assuntos politicos.

  20. Francisco Oliveira 24 de junho de 2013 at 20:26

    Pois é, se a igreja não tivesse segurado a onda depois que o império romano caiu, eu não estaria lendo tanto besteira. Essa sua afirmação é baseada em que?

  21. Klaus do Iate 6 de Janeiro de 2014 at 10:15

    Al-kwarizm significa litaralmente “o Corézmio”, A Corésmia era uma parte da Pérsia. E a Pérsia Medieval era a parte intelctualmente mais sofisticada do Mundo Islâmico Pos-desintagraçao do Califado Abassida. Rivalizando com a Pérsia da época estava al-Anadalus (A Espanha islâmica). Muito provavelmente Al-kwarizm era apenas um apelido ou pseudonimo do autor do livro, como al-Mansur ( o Vitorioso), al-Cid… Mas a palavra no ocidente originou algarismo, originalmente aqueles simbolos designados pelos hindus para denotar quantidades (1,2,3…). Na nossa atual Matematica Ocidental , boa parte da algebra é de origem islâmica e boa para da Geometria é grega/mesopotâmia. Mas muito tb foi criaçao do proprio Ocidente. Um avanço se fez na geraçao do Newton (seculo XVII).

  22. Michel Goulart 6 de Janeiro de 2014 at 12:54

    Que deu origem ao termo algarismo?

  23. Adinalzir Pereira Lamego 6 de Janeiro de 2014 at 20:11

    Prezado Prof. Michel
    Sempre é bom acrescentar contribuições que revelem a importância da Idade Média. E isso o seu texto faz muito bem. Meus parabéns! 🙂

  24. Michel Goulart 7 de Janeiro de 2014 at 6:45

    Obrigado, Adinalzir.

  25. Klaus do Iate 8 de Janeiro de 2014 at 5:10

    sim, isto mesmo Al-Kwarizm>algarismo

  26. Mayrlane Alencar 7 de Fevereiro de 2014 at 10:40

    Seria muito improvável se pensar o “período das trevas” dando à luz as primeiras universidades.

  27. Celio Abboud 7 de Fevereiro de 2014 at 17:43

    Leiam o Livro:
    “como a Igreja Católica Construiu a Civilização Ocidental” de Thomas Woods Jr.

  28. Fabio Rocha 1 de junho de 2015 at 18:19

    Pelo menos o modo como vejo sendo usado o termo “idade das trevas”, se refere ao período em que o cristianismo se firmou como religião oficial e a diretamente o poder. Muita literatura foi rejeitada pela igreja, cruzadas, caças as bruchas e etc.
    Veja por exemplo o oriente que teve seu ápice no conhecimento até o século XII, pendendo este status quando o Islã se tornou o poder.

  29. Albari 6 de julho de 2015 at 22:17

    Não existe um medievalista moderno que acredite que tal período foi uma época de trevas; o fato de haver professores propagando esta visão errônea da história, mostra como a educação do nosso país está falida. Pois bem, se as fontes estão do nosso lado, a vitória é garantida. Darei um exemplo de um pequeno diálogo: De acordo com o que disse o Prof. Dr. Orlando Fedeli, a Igreja, seguindo a palavra de Deus, espalhou o conhecimento pelo velho mundo. O filósofo brasileiro Costa Nunes no seu magnífico livro “História da Educação na Idade Média”, diz que a Igreja era a única instituição que tinha o poder de ensinar em um período ainda repleto de terror bárbaro, e ela assim o fez. Edward Grant, um renomado historiador internacional, concorda com tal informação. A renomada historiadora francesa – país no qual possui os melhores escritos sobre o período – Régine Pernoud, em seu aclamado livro “Luz Sob a Idade Média”, diz que a criança, como em qualquer outra época, vai à escola; esta, no princípio, em sua paróquia. Nela, a gramática era ensinada, em algumas até: Retórica e Lógica. Ela, ainda diz: Em idade mais avançada, o jovem escolher ir a universidade ou não.

  30. Albari 6 de julho de 2015 at 22:23

    O Ph.D em história pela Columbia University, Thomas Woods, reuniu em seu famoso livro “Como a Igreja Católica Construiu a Civilização Ocidental” uma série de informações que mostram como os monges católicos salvaram todo o conhecimento da Antiguidade Clássica. A Ciencia, Universidades, Hospitais, Assistencia social, Economia, Direito . . . A Igreja e o cristianismo é o divisor de águas deste processo, No resnascimento colocaram o homem no centro do universo, no lugar de Deus. O racionalismo decidiu enxergar o mundo pelo prisma da razão e da ciência. Seduzidos muitos loucos criaram novas seitas e igrejas. No iluminismo foi iniciada a difamação; apoiada sempre no relativismo filosófico. No modernismo, os ateus promoveram a negação da negação.

  31. Décio Almeida 1 de Fevereiro de 2016 at 20:21

    Olá, parabéns pelo artigo. O termo idade das trevas, pode aplicado especificamente pelo fato do domínio da igreja, que subjugou as mentes, a alma e a cultura das pessoas durante toda a idade media

  32. Michel Goulart 2 de Fevereiro de 2016 at 5:43

    Mas a Igreja não foi essa vilã toda aí, não

Leave A Comment