Home/Notícias/Prof. Michel fala sobre games na educação

Prof. Michel fala sobre games na educação

junho 29th, 2012|Notícias|5 Comments


Saiu a minha entrevista para a rádio virtual do portal Dia a Dia Educação, ligado à Secretaria de Educação do Estado do Paraná (PR). Participei do programa juntamente com a professora e pesquisadora Lynn Alves, da Universidade Federal da Bahia (UFBA). O tema da entrevista foi o uso de games na educação.

Crianças jogando

A entrevista seguiu um roteiro bem interessante. Falamos da perspectiva do uso de games na educação, do aumento das pesquisas acadêmicas sobre este assunto; da polêmica questão envolvendo games com temática violenta; entre outros temas muito legais. Vale a pena conferir

Eu sou suspeito de falar sobre este assunto, até porque sou um entusiasta do uso de jogos na educação e, mais especificamente, no processo de ensino-aprendizagem de história. Eu vejo estas mídias como de grande potencial educacional, especialmente com uma boa mediação por parte do professor.

Aqui no blog, disponibilizamos uma grande quantidade de jogos históricos. E na plataforma Educopédia – na qual faço parte como produtor de aulas e objetos de aprendizagem – há uma grande quantidade de jogos disponíveis para todas as disciplinas.

E você, acredita ou não que os jogos podem e devem ser utilizados no dia-a-dia escolar?

5 Comments

  1. Klaus do iate 3 de julho de 2012 at 10:52 - Reply

    Podem e devem.
    Quanto ao estimulo de violencia, nao so filmes de acao, mas romances em livros tradicionais e artes marciais tb seriam incentivadores… Ha estudos m ostrando que quando praticantes de jiujitsu estavam envolvidos em crimes tb havia uso de cocaina e/ou etanol e/ou esteroides anabolizantes no evento.
    Quanto ao uso de jogos propositalmente didaticos ou comerciais, todos decveriam se usados. Um bomprofessor sabe extrair o que há de útil em um God of War.
    A unica rssalva que eu faço aos pais é somente quanto ao uso por crianças muito novas de jogos onde o heroi-usuario tem que ter ações nada eticas para pontuar

    • Michel Goulart 3 de julho de 2012 at 15:25 - Reply

      Perfeito. Concordo plenamente! Deve haver um limite no uso de jogos com determinadas temáticas, limite este relacionado à faixa etária. Mas aí, já cabe aos pais impor estes limites.

  2. Klaus do iate 3 de julho de 2012 at 10:53 - Reply

    Os simuladores tb deveriam simular que toda ação do jogador tenha conseuqencias desagraveis se tomadas açoes desagraveis a outros

  3. Klaus do iate 3 de julho de 2012 at 10:58 - Reply

    Qto ao potencial de chatice dos jogos propositalmente didaticos, a coisa deve passar pela noçãode prazer-motivação. O objetivo n01 ser o prazer e muito implicitamente a transmissao de conteudo. Acho que especificamente em historia, é possivel fazer algo com precisao historica e ainda sim ser divertido: um exemplo é Rome total War

  4. Klaus do iate 3 de julho de 2012 at 11:08 - Reply

    Buda ja acosnelahva o caminho do meio. Como os jogos sao calcados em desafio-prazer, ha muito em comum com behaiorismo e adestramento de animais. Nao que nao sejamos animais, mas tb deveriamos reservar um espaço para meditar por meditar, puxar o freio de mao no corre-corre do dia a dia e apenas filosofar, nos perguntarmos porque fazemos tal ou qual coisa. Este desenvolver um espirito critico nao será possivel se 100% tempo agirmos como chimpanzes diante de alavancas e amendoins.

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.