Home/Resumos/Resumo: Egito Antigo

Resumo: Egito Antigo

outubro 30th, 2011|Resumos|43 Comments


Neste resumo, você vai conhecer sobre a fascinante civilização do Egito Antigo, sua organização social, política, econômica e os mistérios de sua cultura e religião. Ao terminar de ler o conteúdo, faça o quiz e teste seus conhecimentos.

  • Quiz sobre o Egito Antigo: Teste seus conhecimentos sobre este assunto com o quiz. Aprenda os principais conceitos desta aula e fique fera nas avaliações.

Antecedentes

O Egito Antigo é uma das civilizações mais importantes e fascinantes da Antiguidade. A maior parte do que conhecemos sobre esta civilização vem das pirâmides, pinturas, textos e objetos deixados nas tumbas dos reis.

O Egito Antigo se localizava no nordeste da África, em pleno Deserto do Saara. Fazia parte, também, do Crescente Fértil, que englobava também outras regiões, como Mesopotâmia, Fenícia e Israel. A civilização egípcia se desenvolveu às margens do rio Nilo, que transformou o Egito Antigo em um imenso oásis com mais de 1000 quilômetros de comprimento.

Importância do Nilo

O vale do Nilo compreendia o Alto Egito, ou Terra do Sul, e o Baixo Egito, ou Terra do Norte. O rio Nilo desembocava no Mar Mediterrâneo. De junho a outubro, as águas do Nilo inundavam as terras de ambas as margens e depositavam o húmus, uma espécie de adubo natural que tornava a terra propícia para agricultura. Depois das cheias, os camponeses iniciavam a semeadura. Para saber a altura das cheias e se prevenir das enchentes, os egípcios utilizavam um poço à margem do rio, chamado Nilômetro.

O Rio Nilo teve tamanha importância para o Egito, que o grego Heródoto disse a seguinte frase: “O Egito é uma dádiva do Nilo”. Porém, Heródoto, nesta frase, falou apenas da questão geográfica. Não podemos esquecer que, se não fosse o trabalho de camponeses, artesãos e escravos, o Egito nunca teria se tornado uma grande civilização.

Economia

A agricultura era a principal ocupação dos egípcios. Os principais produtos eram o algodão, o linho, trigo, cevada, entre outros. Havia uma espécie de bambu, chamada papiro, que também era cultivada. Através dela, fabricava-se papel, que era utilizado em diferentes sistemas de escrita egípcia.

Os camponeses que moravam nos pântanos e largos costeiros criavam numerosas variedades de peixes. O produto da pesca, seco e conservado, acompanhado de pão e cerveja, constituía parte importante da alimentação dos egípcios. Os excedentes de produção eram comercializados nas planícies desérticas, ao longo do Nilo e pelo Mar Mediterrâneo. Fora do período das cheias e dos trabalhos agrícolas, os camponeses eram obrigados a trabalhar para o estado egípcio, em canais de irrigação, obras públicas e templos.

Sociedade

A sociedade egípcia era dominada pelo faraó, soberano todo-poderoso. Ele era considerado um deus vivo, filho de deuses e intermediário entre estes e os homens. O faraó era objeto de culto e sua pessoa era sagrada. O faraó tinha autoridade absoluta e concentrava, em si, os poderes político e religioso. Exercia, portanto, poder teocrático e despótico.

Abaixo do faraó, a sociedade estava dividida em sete grupos sociais: nobres, soldados, escribas, soldados, artesãos, camponeses e escravos. A divisão social não era rígida, ou seja, havia alguma mobilidade social, ainda que pequena. Por outro lado, havia grande desigualdade econômica entre os grupos sociais.

Religião

A religião, que era politeísta e antropozoomórfica, desempenhava um papel muito importante na vida dos antigos egípcios. O Egito era uma civilização teocêntrica, ou seja, praticamente tudo girava em torno da religião. Grande parte de suas crenças e rituais foram incluídos em seu livro sagrado, o Livro dos Mortos. Assim, eles acreditavam numa vida após a morte. Esta forte crença era representada com frequência em pinturas e objetos deixados nas tumbas. Para garantir a passagem para outra vida, desenvolveram técnicas de mumificação.

Eles construíram grandes túmulos, sendo que as pirâmides foram as maiores. As pirâmides serviam de descanso para os faraós e continham vários objetos pessoais para garantir o conforto destes na vida após a morte. Os egípcios também tinham incontáveis deuses, com funções e aspectos variados. Existiam deuses universais e locais. Entre os primeiros, alguns estavam ligados à morte e ao enterro das pessoas. É o caso de Osíris e Anúbis.

Mumificação

De acordo com a religião egípcia, a alma precisava de um corpo para morar por toda a eternidade. Sendo que o corpo tinha quer conservado para abrigar a alma, os egípcios desenvolveram técnicas de mumificação, a partir de substâncias químicas. O tipo de mumificação dependia da condição social do morto. No geral, o processo durava dois meses e era trabalho dos embalsamadores. Além da lavagem do corpo, a mumificação envolvia dois procedimentos básicos: evisceração e desidratação.

A evisceração, ou retirada dos órgãos, iniciava pela extração do cérebro pelas narinas. Em seguida, as vísceras eram retiradas por um corte no abdômen. Cada órgão era depositado em vasos canopos, que acreditavam ser protegidos por divindades. O coração, no entanto, permanecia no corpo. A desidratação consistia em retirar a umidade do corpo e dos órgãos, para evitar decomposição. Para isso, imergiam o corpo em natro, que era um tipo de sal utilizado para este fim. Seguia-se o enfaixamento com bandagens de linho, entre as quais depositavam-se joias e amuletos de proteção.

Enquanto os embalsamadores se ocupavam da proteção do corpo, uma sepultura era preparada e decorada. De acordo com a fortuna do morto, a tumba se resumia a um simples buraco no rochedo ou então era uma sequência de salas cavadas na montanha e bastante decoradas. O uso ou não de um sarcófago para o depósito do corpo também dependia da condição social.

Política

Inicialmente, o Egito estava dividido em nomos, ou seja, pequenos Estados independentes. Em seguida, esses Estados se uniram, formando o Alto e Baixo Egito. Por volta de 3200 a.C., o Egito foi unificado sob o comando de um único soberano – o faraó. A unidade política do Estado egípcio foi fundamental para organização das obras públicas.

Assim, a criação de um Estado centralizado no poder do faraó estava ligada à necessidade de controle e direção dos grandes trabalhos hidráulicos. Porém, o Estado, que no início foi apenas o organizador das obras necessárias ao bem-estar da população, passou a explorar cada vez mais o trabalho das comunidades. A organização do Estado egípcio no decorrer de sua história está dividido em quatro períodos principais: Período Arcaico, Antigo Império, Médio Império e Novo Império.

Período Arcaico e Antigo Império

O Período Arcaico ocorreu entre 3200 a.C. e 2800 a.C., aproximadamente. Nesse período, os exércitos egípcios lutaram contra os núbios e os beduínos do deserto, pela posse de matérias-primas, como pedra, cobre e ouro. O Antigo Império, por sua vez, ocorreu entre 2800 a.C. e 2100 a.C., aproximadamente.

Nesse período, o Egito foi um Estado pacífico e dedicado a construção de obras de drenagem e irrigação. Também foi nesse período que se construíram as grandes pirâmides de Quéops, Quéfren e Miquerinos. O Antigo Império terminou principalmente por causa do enfraquecimento da autoridade do faraó, diante do poder dos grandes proprietários de terra e dos chefes dos diversos nomos.

Médio Império e Novo Império

O Médio Império ocorreu entre 2100 a.C. e 1580 a.C., aproximadamente. Nessa época, príncipes do Alto Egito restauraram a unidade política do Império, erguendo Tebas como capital. Foi um período de boa administração e bastante prosperidade. O Médio Império terminou por causa de agitações políticas internas que enfraqueceram o país. Isso permitiu que o Egito fosse dominado pelos hicsos, povo nômade de origem asiática.

Enfim, o Novo Império ocorreu entre 1580 a.C. e 715 a.C., aproximadamente. Nesse período, Tebas foi novamente a capital. Os hicsos foram expulsos e o Egito foi marcado por numerosas conquistas. Devido a novas agitações internas e novas ondas de povos invasores, o Egito entrou em decadência e foi conquistado sucessivamente pelos assírios (670 a.C.), pelos persas (525 a.C.), pelos gregos (332 a.C.) e pelos romanos (30 a.C.).

Legado cultural

Além dos complexos rituais de mumificação, os egípcios deixaram várias contribuições culturais. Na escrita, desenvolveram três sistemas diferentes: o hieroglífico, considerado sagrado e usado pelos sacerdotes; o hierático, mais complexo e utilizado pelos escribas; e o demótico, mais simplificado e popular.

No campo das ciências, os egípcios desenvolveram principalmente a aritmética, a astronomia e a medicina. As ciências procuravam resolver problemas como controle de inundações, sistemas hidráulicos e preparação do plantio. As artes eram controladas pelo Estado e estavam voltadas para a glorificação dos deuses e dos faraós. Na arquitetura destacam-se as pirâmides e templos.

A escultura e pintura serviam principalmente como auxiliadores da arquitetura. Na pintura, os seres humanos e deuses eram representados sempre com a cabeça e as pernas em perfil, enquanto o tronco e olhos, de frente. Alguns atribuem significado mágico e religioso a este estilo de arte.

43 Comments

  1. Luisa 18 de julho de 2011 at 10:55 - Reply

    Adorei o resumo professor! Também adorei aprender sobre essa grande civilização.
    Luisa Serafim

  2. Prof_Michel 18 de julho de 2011 at 11:03 - Reply

    Aprender sobre o Egito é sempre legal.

  3. klaus do iate 21 de março de 2012 at 9:19 - Reply

    Nossa civilização tem muitas influencias gregas e judaicas e ambas destas duas civilizacoes foram influenciados pelo Egito faraonico. Acho que por isso volta e meia temos surtos de egiptomania, é como olhar para fota de um bisavô e se espantar com a semelhança fisica entre ele e voce.

  4. Francisco T L Garcia 21 de maio de 2012 at 11:24 - Reply

    Caro Colega,

    Também sou professor e seu trabalho desenvolvido é bastante enriquecedor. Ocorre que notei um equívoco no Quiz disponibilizado pelo senhor. Lá consta a escrita hierática como:Tipo de escrita egípcia mais complexa e utilizada pelos escribas. No entanto, a escrita hierática era uma escrita hieroglífica simplificada, usada para escrever textos com pincel em madeira ou em tiras de papiro. Utilizava-se esse tipo de escrita em textos religiosos e não religiosos. Espero ter contribuído.

  5. anacarolina 24 de maio de 2012 at 9:38 - Reply

    adorei de mais vol tirar dez

  6. edilaine 8 de junho de 2012 at 19:02 - Reply

    eu estou começando a estudar egito agora mais ja estou gostando e muito

  7. jhennifer 15 de junho de 2012 at 20:58 - Reply

    legal.gostei realmente ajudou muito parabens!!!!!!!!xd

  8. Mariana 28 de julho de 2012 at 1:51 - Reply

    os excedentes de produção eram comercializados nas planícies desérticas’

    esta certo dizer que eram ‘comercializados’? nao eram apenas trocas?

    • Michel Goulart 28 de julho de 2012 at 14:33 - Reply

      Mas o comércio não pressupõe, necessariamente, uma relação capitalista de comprar e vender. O comércio in natura, por exemplo, que vigorava na antiguidade oriental e na Id. Média, consistia em trocas de produtos agrícolas.

  9. Simone Rocha 22 de setembro de 2012 at 1:14 - Reply

    Amei este site. Estou aprendendo muito. Obrigada.

  10. Izaque Moraes 6 de fevereiro de 2013 at 21:20 - Reply

    Gostei do resumo sobre Egito, estou mais fascinado que antes vou procurar ler mais sobre essa antiga civilização.

    • Michel Goulart 7 de fevereiro de 2013 at 5:34 - Reply

      Legal, Izaque. Vai fundo, pois o Egito é realmente fascinante.

  11. mariaclarafletcher@hotmail.com 10 de fevereiro de 2013 at 20:02 - Reply

    Exclente resumo, me ajudou muito.

  12. sebastiona 22 de fevereiro de 2013 at 18:56 - Reply

    eu nao o conseguindo fazer a minha conclusao sobre os egipicios!preciso muito de ajuda neste momento……tem alguma pagina prame indicar q me mstre uma conclusao exata para eu poder obter os fatos q eu preciso

  13. sebastiona 22 de fevereiro de 2013 at 18:59 - Reply

    ……..ah e eu gostei muito por ter liberdade de expressar aki a minha opiniao…..obrigada……..mais so q eu ainda naum cheguei no ponto certo……..obrigada por tentar me ajudar……..ah e mais uma coisinha meu nome naum e sebastiona e o email ta errado…………..obg

  14. sebastiona 22 de fevereiro de 2013 at 19:00 - Reply

    ….meu nome é sebastiny………..vlw ai por tudo.ok

  15. Lu Abreu 31 de março de 2013 at 0:17 - Reply

    Simplismente perfeito esse site *-*

  16. karina azevedo 10 de abril de 2013 at 10:51 - Reply

    olhei esse site e nao gostei pois minhas notas estao muito ruim em historia aff…

  17. mara 17 de abril de 2013 at 16:50 - Reply

    esse site eu n gxtei nem tao pouco

  18. marcos 8 de maio de 2013 at 19:40 - Reply

    muito legal estou no fudamental 1 e tenho uma prova de história e aposto que eu passo gostaria que vc colocasse mais coisas do egito ou mitologia grega!:)

  19. Letícia Kuschel 16 de maio de 2013 at 15:01 - Reply

    Olá, prof. Michel,
    Está na minha tarefa e estou com dificuldades para fazer será que poderia me ajudar? Na hora da mumificação eles preparavam o corpo de um funcionário, Como se chama esse funcionário?
    Tentei jogar o jogo Mummy Maker mas não consegui achar a resposta pois está em Inglês,pode me ajudar?

    • Michel Goulart 16 de maio de 2013 at 15:04 - Reply

      Letícia, esta atividade é opcional, mas vamos lá: no início do jogo aparece o nome da pessoa que vai eer mumificada. Veja se vc consegue encontrar.

  20. João 21 de maio de 2013 at 20:17 - Reply

    Muito incompleto. Tem que te esforçar mais.

  21. laiglisson 2 de julho de 2013 at 20:45 - Reply

    muito bom

  22. geovanna keilly s.oliveira 19 de julho de 2013 at 14:29 - Reply

    gostei do pouquinho!!!!!!!!!!!

  23. heloisa e rafaela 22 de agosto de 2013 at 10:21 - Reply

    eu amei é muito interessante

  24. Ruthe raquiely 1 de outubro de 2013 at 10:38 - Reply

    eu ñ achei, interessante porque eu prefiro entar em outro site, nem fala sobre os gregos, e a história do egito antigo…blabla

  25. shaylana shirly 1 de outubro de 2013 at 10:42 - Reply

    é isso aí minha amiga Ruthe eu vim pesquisar sobre a história do antigo egito e os gregos e ñ achei nadaaaaaaaaaaaaa que site bom pra dizer o contrárioooooooooo é péssimooooo

  26. Anelise 25 de dezembro de 2013 at 16:43 - Reply

    Olá professor,
    Tem como sugerir algum texto para leituras sobre História Antiga? Estou cursando história e acho bacana ter uma gama de textos amplas para leitura!
    A opinião e visão de pessoas que cursam ou cursaram o curso é sempre bacana.

  27. Mariana Fernandes 6 de abril de 2014 at 10:47 - Reply

    Ameiiii esse blog é perfeito.

  28. julia 2 de junho de 2014 at 15:26 - Reply

    gostei muito do resumo!

  29. gabrielli weber 13 de novembro de 2014 at 19:40 - Reply

    esse site me salvou,depois dessa vou tirar um dez no meu trabalho

  30. samantha prates 22 de janeiro de 2015 at 12:56 - Reply

    Achei muito interessante pois aprender sobre egípcios não é coisa fácil e você mostrou que não é tao difícil que parece. desejo parabéns!!

  31. teca 13 de abril de 2015 at 17:25 - Reply

    muito bom,irá me ajudar na prova!

  32. leonardo 19 de maio de 2015 at 15:31 - Reply

    prof tem algum resumo mas direto em um testo pois acho difisil emtemder e colocar no rotero

  33. Rejane 29 de maio de 2015 at 23:37 - Reply

    E sobre o direito no Egito

  34. Ana 22 de julho de 2015 at 18:50 - Reply

    Gostei + ou –
    não encontrei o que eu procurava

  35. Ana karolina 22 de julho de 2015 at 18:53 - Reply

    não ….gostei….muito….tbm….não…encontrei….o..que….eu…procurava…….. :*

  36. julia 16 de agosto de 2016 at 11:21 - Reply

    eu gostei muito , ira me ajudar na prova

  37. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 12:30 - Reply

    Difícil dizer qual é o principal legado do Egito. No campo das ideias/crenças, chutaria:
    1) É possivel governar muita gente,muito diferente, em vasto território, por muito tempo, com grau minimo de violencia
    2) Leve uma vida ética, pois depois da morte há um ajuste de contas.

    Claro que 1) tem a ver com 2)

Leave A Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.