Home/Artigos/O perigo que vem do espaço

O perigo que vem do espaço

Fevereiro 25th, 2013|Artigos|5 Comments


A História nos mostra que, de tempos em tempos, aparecem profecias sobre o apocalipse ou fim do mundo. Algumas com enfoque religioso, outras não. Este fenômeno ocorre por vários motivos, dentre os quais a falta de controle que temos sobre o futuro ou existência. Um caso recente, que todos vão lembrar, ocorreu nas vésperas do dia 21 de dezembro de 2012, que fechou o ciclo de 5125 anos do Calendário Maia. Pensou-se que o mundo acabaria naquele dia. O temor ficou evidenciado na ação de algumas pessoas que passaram a se refugiar em abrigos secretos alguns dias antes, temendo um cataclisma ou coisas do tipo.

Passagem do Cometa Halley, em 1910

O que as pessoas ignoram é que, das profecias apocalípticas disseminadas desde os primeiros grupos humanos, todas fracassaram. Parece óbvio, mas é um dado que deveria ser considerado antes de tanto temor e comoção. Mesmo assim, rumores de fim do mundo voltaram a ser discutido recentemente nas redes sociais, devido ao meteorito que caiu na sexta-feira (15/02) em uma zona povoada da região russa dos Urais, onde deixou pelo menos 950 feridos e causou pânico entre a população. A princípio, os moradores pensaram se tratar de uma chuva de meteoritos, o que foi negado pela agência espacial russa. A maior parte dos danos foi por causa das janelas quebradas devido ao forte impacto do meteorito.

Um dia depois, uma bola de fogo foi vista no céu da baía de São Francisco, no litoral da Califórnia, na costa oeste dos Estados Unidos. Da mesma forma, moradores da cidade de Rodas, província de Cienfuegos, em Cuba, disseram ter presenciado a queda e a explosão de um corpo celeste alguns dias antes. Não demorou muito para que o pânico do apocalipse voltasse com mais força que o próprio impacto destes corpos celetes. No entanto, vale lembrar que não foi a primeira vez que a passagem de corpos celestes foi associada ao fim dos tempos. No início do século XX, o cometa Halley causou uma preocupação ainda maior.

Em 1881, um astrônomo descobriu que a cauda de cometas têm um gás mortal, chamado de cianogênio, tão tóxico quanto o cianeto, que é semelhante a ele. A descoberta não recebeu muita atenção, até que alguém notou que a Terra passaria próxima à cauda do cometa Halley, em 1910. O respeitado jornal estadunidense “The New York Times” e vários outros questionavam se todas as pessoas do planeta morreriam envenenadas pelo gás tóxico, o que levou a uma onda de pânico nos Estados Unidos. Finalmente, cientistas com a cabeça no lugar explicaram que não havia motivos para temer a passagem do cometa, que ocorreu sem maiores problemas.

Diante do que a História nos mostra e diante dos fatos recentes, talvez seja o momento de acreditar um pouco mais nas afirmações e orientações dos cientistas e especialistas, ou mesmo nas escrituras sagradas – para aqueles que creem. Não cabe a nós, pessoas comuns, prever quando e como o mundo vai acabar.

5 Comments

  1. Klaus do Iate 25 de Fevereiro de 2013 at 7:50 - Reply

    Imagina se o meterorito russo de de fev/2013 caísse no 22/12/2012 maia!

  2. Klaus do Iate 26 de Fevereiro de 2013 at 9:52 - Reply

    Em torno de 1910 na despovoadissima Tunguska, Siberia, uma area circular enorme de taiga foi desmatada até a raiz, sem cratera central e circundada por pinheiros caídos de modo radial, com raizes voltadas para o centro.
    Náo houve vitimas humanas, mas a area enorme da Russia aumenta a chance de coisas enormes vindas do espaço cairem lá. As manchas urbanas ainda sao areas pequenas comparadas a areas de biomas naturais ou rurais, mas isto pode mudar com as conurbaçoes e megalopoles.
    Em 1910, ninguem aventou experimentos de armas secretas humanas ou invasoes de ET’s. Os mais calmos aventaram a queda de um meteoro, mas nao havia cratera central ou fragmentos de rochas atípicas.
    Tunguska era muito misteriosa.
    Hoje sabe-se que o que houve um Tunguska foi a queda de um cometa. Eles sao grandes o suficiente para nao serem tao reduzidos em tamanho pelo atrito com atmosfera, eles explodem pouco acima do solo com força de bomba atômica e e nao deixam fragmentos ou crateras porque sao feitos quase 99% de gelo.
    Mas imagine um cometa de Tunguska caindo em Kiev, ou Nova York ou Tokyo!

    • Michel Goulart 26 de Fevereiro de 2013 at 9:59 - Reply

      Esse é um dado sensacional! Não sabia do caso Tunguska, nem lembrava que os cometas são feitos de gelo e não deixam vestígios. É uma evidência importante para aqueles que ficam buscando explicações extraterrestres.

  3. Klaus do Iate 27 de Fevereiro de 2013 at 7:19 - Reply

    Nem tinha pensado nisto.Entendi o que o professor quis dizer, mas um cometa ainda é uma explicação extraterrestre hehe.

Leave A Comment