Home/Curiosidades/15 armas antigas mortíferas

15 armas antigas mortíferas

maio 3rd, 2012|Curiosidades|59 Comments


A história é construída por guerras e conflitos, que podem provocar fortes mudanças culturais e tecnológicas. Geralmente, a supremacia militar de um povo não era definida apenas pelas estratégias ou capacidade de seus generais, mas pelo poder de suas armas. Algumas das armas apresentadas na lista de 15 armas antigas mortíferas fazem parte do imaginário popular,  pois são incorporadas em filmes épicos, de fantasia e também em jogos eletrônicos.

Esta lista foi escrita graças ao amigo apaixonado por história Klaus Provenzano. Se você curte história militar e jogos, não deixe de conferir o jogo sobre armas históricas. Se você desejar se aprofundar no assunto e conhecer algumas armas utilizadas para sitiar cidades e fortalezas, fique ligado na lista

1- Gladium hispanicus

Gládio usado pelos romanos

Espada reta curta de dois gumes, junto com o pilum, arma principal do legionário clássico (séculos II a.C. a III d.C.). O exercito romano só a adotou muito tempo após a criação das legiões, quando se descobriu  que feridas  superficiais de 10 cm de comprimento (golpes de gume)  eram menos mortais que feridas de 10 cm de profundidade (golpes de  ponta). O gládio parece ter sido adotado quando romanos estavam enfrentando a guerrilha dos ótimos espadachins piberos para conquistar o resto da Hispânia, após Segunda Guerra Púnica. O gládio também deu nome aos lutadores profissionais que se enfrentavam em arenas para deleite da plateia.

2- Scramasax

Espada estilo Viking

Espada curta e, portanto, arma secundária de diversas tribos germanas: godos, francos, alamanos. Mas a preferência dos saxões por ela deu-lhes o nome pelo qual os romanos os chamavam. Ela tem apenas um gume. E é muito prática, serve para paz e para guerra é boa para golpes de ponta ou de gume.

3- Makaira e Falcata

Makaira, espada curva

A makaira era arma secundária do infante grego falangista, mas acabou se transformando na arma principal de outros povos (falcata ibérica, kurkri hindu…). Seu formato  amplia lesões produzidas por golpes de gume sem deixar a arma presa no corpo do adversário. Íberos com falcatas são considerados os melhores espadachins do mundo mediterrâneo dos séculos III e II a.C. Os modelos íberos geralmente possuem uma cabeça de cavalo no cabo.

4- Espada Celta

Espada usada pelos celtas

Os celtas eram mestres na metalurgia. As espadas retas de dois gumes surgem como facas longas ainda no neolítico. Mas eram quebradiças. Com a metalurgia do ferro elas ganham outra  desenvoltura. As espadas dão: 1) mais alcance que as facas 2) possibilidade de ampliar a lesão do golpe de aresta pelo seu peso e 3) a possibilidade de terçar armas, isto é, aparar golpes do adversário com a lâmina, mais facilmente. Com a criação das legiões romanas, as espadas celtas (spatha gálica) ganham importância tática.

5- Machado-Epsilon

Machado Epsilon Egípcio

O aperfeiçoamento de machados neolíticos em objetos de bronze, no vale do Nilo resultou no machado epsilon. Assim chamado pelo formato de sua lâmina lembrar  “a letra E dos gregos”.  Feito em várias versões, para uma ou duas mãos, com cabos de diversos comprimentos. Com cabo de lança, ele originou toda a família da alabarda, a família predileta de armas pra infantaria em formação frouxa que precisasse enfrentar cavaleiros em corpo-a-corpo. O versátil machado epsilon só exigia que a formação de batalha fosse pouco densa, para que pudesse ser brandido e não atingisse amigos, conjugando as vantagens da clava e da espada.

6- Adaga-Anel

Adaga com anel no cabo

Arma secundária típica dos alanos, um povo de arqueiros montados de fala iraniana. O anel no cabo possibilitava que o usuário mudasse muito rapidamente a posição da mão, quando enfiava seu dedo anelar no anel do cabo. Golpes podeiram ser desferidos de cima para baixo e de baixo para cima, em sequência.

7- Falx e Ronfaia

Falx, espada curva

Espadas para uma ou duas mãos, com lâmina curva de um só gume, no lado interno da curva. Arma principal da infantaria trácia e dácia. As falx dácias produziam feridas mutilantes e obrigaram os legionários de Traianus a mudar o feitio de seus elmos e das ombreiras da lorica segmentata. Elas tinham um inconveniente sério: podiam ficar presa no corpo do adversário. A ronfaia trácia aparece um tanto modificada nos gladiadores da modalidade Trácio, adversários tradicionais dos Hoplomacos e Murmillos.

8- Espada kopesh e Cimitarra

Espada Khopesh

A espada curva de único gume no lado externo da curva, a kopesh, era a arma por excelência da nobreza da Era do bronze para combates corpo-a-corpo. Ela era boa para golpes de gume. Ela originou a kopis grega (que aparece no filme 300) e a makaira. Ela originou também a cimitarra islâmica. Com advento de raças de cavalos capazes de suportar um homem no lombo, ela se tornou a preferida pelos cavaleiros para fazer a colheita de membros e cabeças sem se preocupar muito se os golpes seriam letais. Além disso, tinham a vantagem de não ficar presas ao corpo do inimigo, devido ao formato curvo com gume no lado convexo.

9- Mangual

Antigo mangual

O mangual é outro exemplo da ferramenta agrícola capaz de se tornar arma como foices, machados e tridentes.   Os primeiros manguais tinham cabos longos como o da figura e eram usados para debulhar trigo no Egito e Mesopotâmia. A substituição do bastão curto por uma bola de metal, com ou sem espículas, a tornou uma arma temida até por cavaleiros medievais em armadura completa.  Os manguais com espículas fazem mais dano, mas podiam ficar cravados no inimigo e deixar os usuários desarmados.

10- Francisca

Francisca, antigo machado franco

A francisca é um machado de arremesso usado por germanos ocidentais das florestas: francos, alamanos, escadinavos e saxões.  A arma tem pouco alcance, mas com contato visual possível nos bosques da Europa central, elas eram ideais. Em caso de necessidade podia ser mantido na mão para combate corpo-a-corpo.  Os francos tinham este nome porque eram uma federação de tribos anti-romanas livres, como eles gostavam de lembrar. Os francos tinham especial predileção por esta arma para arremesso e, por isso, a arma foi assim chamada francisca.

11- Sarissa

Grande lança Sarissa

As lanças de estocada eram a arma principal das falanges. A lança grega dori ou akantoe, de 2,5 m, era mantida na mão, tinha uma extremidade com ponteira em forma de folha aerodinâmica para entrar e para sair do corpo do inimigo. Na outra extremidade, pontas mais rombudas, cônicas eram usadas para furar inimigos caídos em golpes de cima para baixo e usadas para fincar no chão a arma durante ataques de cavalaria onde o próprio cavalo ajudava a empalá-lo. Aumentando o comprimento de seus eixos, os macedônios produziram a sarissa. Tais lanças chegaram a ter 6m.

12- Pilum

Pilo, tipo de lança romana

O pilum foi um aperfeiçoamento do dardo comum. Ele tinha uma ponta de metal piramidal para ser difícil de ser arrancado, um longo pescoço de metal para resistir a tentativas de decepar a ponta com golpe de espada e para que a ponteira toda se dobrasse ao invés de se quebrar. Isto impedia reaproveitamento do pilum. Isto também fazia com que o pilum cravando na carne dificilmente fosse arrancado e cravando-se no escudo celta torna-se o escudo muito pesado.

13- Martiobarbulum

Barbinha de Marte

Preocupações com a economia mais frágil do império após anarquia militar do século III fizeram o pilum ser substituído pelo martiobarbulum (barbinha de Marte) ou plumbata (dardos curtos feitos de chumbo).  Eles precisavam de menos chumbo e de artesãos menos habilidosos para serem feitos, cada legionário poderia carregar vários deles no lado interno de seus escudos parma. E naõ eram caros como arcos ou necessitavam de grande treinamento. Mas seu alcance era sofrível e não tinham os efeitos inteligentes produzidos pelo pilum.

14- Tridente

Tridente usado como arma

Derivado de atividade agrícola ou pesqueira. Os primeiros tridentes surgiram no Palelolitico. A refração na Água pode tornar difícil arpoar um peixe em aguas transparentes.  Os gladiarores retiários ,verdadeiros netunos vivos, os usavam e torciam dentro das vitimias para dano adicional e para que não saíssem facilmente.

15- Besta

Besta antiga

As bestas eram mini-balistas. Em inglês são cahamdo arco-em cruz porque o arco repousa na horizontal perpendicularmente ao eixo principal da arma. Seus projeteis são chamados de virotes. Eram superiores a arcos em poder de penetração e exigiam menos treino dos usuários, porém sua cadência de tiro era muito menor que a dos arcos, porque o remuniciamento era lento. Eram boas armas para snipers, franco atiradores, bem protegidos, distantes e sem pressa de recarregar, como homens em barcos ou ameias de fortes.

59 Comments

  1. Rodrigo 4 de maio de 2012 at 7:59 - Reply

    ea katana? ela ea espada mais foda de todos os tempos

    • RodrigoTorezin 4 de maio de 2012 at 13:49 - Reply

      Discordo meu chará

      eu tenho uma katana e uma ninjato.. e a ninjato é muito mais facil de se manuziar

    • David 17 de abril de 2013 at 22:15 - Reply

      Não querendo criar polêmica, mas a arma principal nas guerras antigas corpo a corpo, era sem dúvida a lança.

      Te desafio, vem com uma espada Katana e eu vou com uma lança ok. =)
      Ah, geralmente tem um acessórios, o escudo.

      • Michel Goulart 18 de abril de 2013 at 6:51 - Reply

        O problema da lança é deixá-la preparada para o próximo ataque, caso haja falha no ataque anterior. A katana é muito mais ágil.

  2. Karl 4 de maio de 2012 at 8:26 - Reply

    Desculpe,mas você não colocou as Katanas(espadas japonesas),no qual eu acho simplesmente divinas e mortíferas e também tem as shurikens,mas as shurikens era usado mais como distração.

    Tirando este detalhe,gostei muito de ter lido sobre essas armas no qual a maioria nem conhecia.

  3. Michel Goulart 4 de maio de 2012 at 9:37 - Reply

    Perfeito, mas a katana vai em outra lista. Afinal, a quantidade de armas é absurda!

    • jeferson 4 de maio de 2012 at 12:10 - Reply

      alguem ja te disse q vc e a cara do david brasil??

  4. Móveis Curitiba 4 de maio de 2012 at 10:07 - Reply

    E interessante ler sobre essas armas

  5. klaus provenzano 4 de maio de 2012 at 10:55 - Reply

    Pessoal já vou adiantando que a kataná não é isto tudo, como vcs verão na proxima lista…
    Cara isto vai gerar polemica…
    parafraseando os romanos:
    A Verdade é dura ,mas é a Verdade.
    Ou os persas:
    A verdade ilumina a mente e deixa o coração nas trevas.

  6. klaus provenzano 4 de maio de 2012 at 11:01 - Reply

    Uma lista atraente não deve ter tanta informação. Ma note que toda representação de faraó que se preza tem ele com braços cruzados portanto um cajado (“bengala”) e um mangual do modelo antigo como na foto. isto tem duas leituras possiveis:
    O faraó é o dono da agricultura (mangual) e da pecuária (cajado de pasto). 2) O faráo é o bom pastor que protege (cajado) e também pune (mangual em uso punitivo ou militar).
    O chicote, o mangual, a boleadeira, a funda e o nunchaku, todos obedecem ao principio que a velocidade é maior quanto o maior o raio suando a mesma força. e o dano é proporcional principalmente à velocidade e não a massa. Este segundo rpincipio explica porque bals de armas de fogo são tão perigosas , ou porque um prego caindo de um andaime no decimo andar ou uma garota bonitinha de 50kg e faixa preta de karatê podem causar tanto estrago

    • Michel Goulart 4 de maio de 2012 at 11:08 - Reply

      O filme “Kick Ass” é que o diga. Em relação ao faraó, nunca tinha pensado aquela ferramenta como o mangual. Boa leitura.

  7. klaus provenzano 4 de maio de 2012 at 11:03 - Reply

    Notem como a professora Ana dos 4 mitos sobre aprendizagem está certa: O conhecimento NAO é composto de fatos isolados!

  8. Magrelo 4 de maio de 2012 at 13:22 - Reply

    Gostei muito. Espero não ter que encarar nenhuma delas!

  9. Noticia Morte 4 de maio de 2012 at 13:23 - Reply

    Excelente! Me deu ótimas ideias!

  10. Longino 4 de maio de 2012 at 13:33 - Reply

    Muito interessante,bom post.Uma duvida minha sobre a Francisca,será possível que os Francos (atuais franceses) não tenham esse nome pela preferência e identificação com essa arma,e não o contrário? Como dito no texto,alamanos, escandinavos,saxões e germânicos em geral também a usavam.
    Seguindo essa linha de raciocínio,os saxões,talvez foram chamados assim pela utilização sem precedentes da espada Saex o que,supostamente,explicaria etimologicamente a origem dessas denominações.
    Se coerente,isso nos traria uma compreensão de quão violenta foi essa época.Em um tempo em que um povo era “batizado” pela arma que empunhava.

    Estou na espera junto com o pessoal,pelo post sobre armas Orientas/Asiáticas!!!

    Klaus, como assim “a katana não é isso tudo”,já levou uma na cara? rsrsrsrs 😀

    Abraços e parabéns…

    • klaus provenzano 7 de maio de 2012 at 9:27 - Reply

      Longinus, tb já li que os francos foram chamados de francos pelo nome da arma, mas isto não procede. Os queruscos venceram 3 legioes de Augustus em Teutoburg, com impacto psicologico bom sobre romanos. Mas isto é tb exagerado em alguns textos. De todo modo, embalados pela vitoria os queruscos montaram uma calizao antiromana com os chatios grandes e chatios pequenos. Esta coalizao durou muito tempo e com o tempo passou a ser menos antiromana. A coalizão autodenominava os Franks (os Livres em alemão). Como tinham predileção pela machadinha de arremesso, os romanos passaram a chama-la de Aquela dos Francos, Francisca. Os saxoes não se chamavam de saxoes eles formavam uma coalizoa que com tempo se tornou algo permanente , uma nação. Mesmo processo resultou nos godos e alamanos.

  11. Raf 4 de maio de 2012 at 13:42 - Reply

    faltou disco da xena, as faquinhas samurai da nuca e os sabres de katana tem a famosa hattori hanzo ainda =]

    • Michel Goulart 4 de maio de 2012 at 13:49 - Reply

      Calma, Raf. A lista sobre armas orientais e a lista sobre armas exóticas vêm nas próximas semanas. Sério 🙂

  12. Bruno 4 de maio de 2012 at 15:31 - Reply

    E as espadas de duas mãos e bastardas (uma mão e meia)? eram bem letais também pra quem sabia (e aguentava) usar, germanos, romanos, vikings, saxões, há diversos povos que usavam!

    • Michel Goulart 4 de maio de 2012 at 17:05 - Reply

      Boa lembrança, Bruno. Me permita uma dúvida: o que significa espada de uma mão e meia?

      • Bruno 11 de maio de 2012 at 9:44 - Reply

        Espadas bastardas eram um “meio-termo” entre espadas de duas mãos e espadas de uma mão, logo, eram mais versáteis. Eram longas e admitiam golpes de uma mão ou uma mão com a ajuda de outra, daí vem o termo espada de “uma mão e meia”.

        • Michel Goulart 11 de maio de 2012 at 11:24 - Reply

          Valeu pela resposta, garoto!

          • Luan 20 de maio de 2012 at 2:14

            eu aprendi isso em algum lugar…e sobre a besta também..ah sim,Assassin’s Creed kkk

  13. klaus provenzano 7 de maio de 2012 at 9:30 - Reply

    O processo é relativmaente frequente, primeiro um ato politico cria um Estado e depois cria-se uma ção (como foi o Brasil) . Interessante notar que o ato politico as vezes é catalisado pela presença ameaçadora de um poder externo (como foicom francos) asvezes é um ato politico do proprio poder externo ( como a criação da Nigeria e da India pelos ingleses).

  14. klaus provenzano 7 de maio de 2012 at 9:34 - Reply

    Longino, já li isto tb, mas nao procede. O nome da arma venho do nome do povo e a origem do nome francos vem da vitoria dos queruscos sobre 3 legioes de Augustus em Teutoburg. A importancia desta batalha é exagerada por estudiosos alemães, por razoes nacionalistas. Embalados pela vitoria, os queruscos montaram uma aliança perpetua com os chatios magnos e chatios parvos. Ninguem esperava que a aliança fosse durar tanto tempo. Eles se denominavam os Livres (Franks em alemão), livres de dominio romano. Com o tempo a coalizão se tornou menos antiriomana. A nação dos godos, dos alamanos e dos saxoes tb se formou por processo semelhante de aliança perpetua de grupos originalmente dispares.

  15. klaus provenzano 7 de maio de 2012 at 9:40 - Reply

    Longino, eu nunca levei uma katana na cara. Ufa! Mas como dizia o genral Liddel Hart, considerado o SunTzu do Ocidente: “Embora experiencia pessoal nao seja transferivel, somente um tolo não aprende com a experiencia dos outros ” Eu não preciso usar droga para saber que elas fazem mal, né? hehehe Aguarde nova lista que vou comentar mais sobre a katana usando citação ou convidando quem realmente já tomou com ela na cara.

    • Michel Goulart 7 de maio de 2012 at 9:56 - Reply

      Existe alguém que tomou uma katana – ou ninja-to – na cara e sobreviveu para contar história? Credo.

  16. Illidan 11 de maio de 2012 at 11:05 - Reply

    Hahahahaha…

  17. jon carlos 16 de junho de 2012 at 18:51 - Reply

    legal

  18. Heitor 11 de fevereiro de 2013 at 2:01 - Reply

    Tenho uma katana, um machado e uma messer(espada alemã) aqui em casa, pratico cortando garrafas e posso confirma que a katana não é essa coca-cola toda não, a vantagem dela é que ela é um pouco mais leve.

    agora uma arma que acho foda é o Martelo de Guerra

    • Michel Goulart 11 de fevereiro de 2013 at 8:42 - Reply

      Pois é, há outros comentários destacando exatamente isso.

  19. caio 20 de março de 2013 at 15:38 - Reply

    veio eo katar

  20. E.joffre 2 de novembro de 2013 at 19:21 - Reply

    nau sou muito conhecedor de armas antigas…mas o Imperio romano obteve muitas comquistas…usando uma espada ki se nau me engano era no maximo duas vezes o tamanho de uma Adaga. Isso obrigava os Pretorianos treinarem mais e serem mais habilidosos e valorizarem cada vitoria sobre o adversário portanto so ia pro combate os melhores guerrreiros…alguem tem aí uma foto de dessa espada romana??

  21. miguel lucas 3 de dezembro de 2013 at 11:59 - Reply

    Katanas são espadas feitas para uma luta em que os combatentes usam armaduras megaa leve como a dos samurais , uma katana não consegue perfurar uma armadura medieval nem causar dano !!

  22. Emilly 2 de janeiro de 2014 at 19:55 - Reply

    Gostei muito de todas essas armas magnificas ^_^

  23. Gabriel 24 de janeiro de 2014 at 21:25 - Reply

    uma katana é uma espada leve e uma armadura de samurai é resistente a nivel de receber tiros resistir e uma katana feita corretamente pode cortar qualquer coisa praticamente

  24. gabrila 17 de março de 2014 at 20:50 - Reply

    valeu

  25. Eu 18 de maio de 2014 at 11:00 - Reply

    Vc esqueceu da Alabarda, Skeggox, Acha, Katana, Montante, Cimitarra, Espada Thraex, Marreta e Martelo de Guerra.

  26. Eu 18 de maio de 2014 at 11:03 - Reply

    Francos não são atuais Franceses, os francos do sul da europa ascendem os franceses, mas missigenados com romanos e bizantinos, os francos do norte eram germânicos e nórdicos.

  27. Klaus do Iate 12 de julho de 2014 at 11:34 - Reply

    Isso aí. Perfeito. Mas alguem disse o contrario disto?

  28. Klaus do Iate 12 de julho de 2014 at 11:39 - Reply

    É exatamente o gládio. Ele esta no primeiro artigo da trilogia das armas antigas. A idéia era ser curta porque os combates se davam num mafuä de gente muito proxima uma do outra. As formaçoes de infantaria tinham alta densidade. Quem estivesse com espadagao iria se dar mal. Golpe nao sairia com potencia, ou usuario iria se ferir ou ferir amigos.
    As espdas longas romanas (spatha galica) nunca sairam de moda na cavalaria. E quando se tornou dificl recrutar mais gente na infantaria (sec V), as unidades ficaram com menos densidade e as esapdonas voltaram a dominar entre infantes

  29. ronald edson feliz 14 de outubro de 2014 at 18:44 - Reply

    essas armas são muito maneiras mesmo da hora

  30. ronald edson feliz 14 de outubro de 2014 at 18:44 - Reply

    essas armas são muito maneiras

  31. Michel Ademir Dognini 5 de dezembro de 2014 at 7:02 - Reply

    Os exércitos japoneses e romanos nunca se enfrentaram mas como praticante de artes marciais sei que infelizmente muita coisa é mais teórica que eficiente…eu acredito que seria difícil fazer aquela movimentação ortodoxa de katana (cuja tive um breve treinamento) depois de se levar uma morning star mesmo que no elmo (alias esta arma não está ali)

  32. Leônidas o Rei 22 de janeiro de 2015 at 9:19 - Reply

    Eu prefiro um .38 podem vim com qualquer espadinha 😉 haha

  33. El Kukuri 3 de março de 2015 at 15:49 - Reply

    Um show!
    Parabéns pela coletânea e trabalho de publicá-las.
    Sempre há espaço para o conhecimento!

  34. Daniel 28 de outubro de 2015 at 9:32 - Reply

    Sou fascinado pela cultura japonesa, mas realmente a katana nunca pôde se comparar ao nível das espadas ocidentais. A manufatura da katana era incrível, mas igualmente complexa, o que dificultava a produção rápida em larga escala. Seu uso requer intenso treinamento e ela é pouco útil contra guerreiros de armadura pesada. Funcionou muito bem no japão, considerando que não era qualquer um que poderia portar armas, considerando que o metal japonês sempre foi muito deficiente e impediu o uso de armaduras pesadas do mesmo nível que a ocidental. A katana é linda, eu fico besta só de verem manusear uma, mas ela não é tudo isso que dizem se compararmos com similares da Idade Média. A cimitarra de aço damasco, por exemplo, é mais fina, mais leve, mais resistente e de corte muito superior.

  35. Daniel 28 de outubro de 2015 at 9:39 - Reply

    Já disseram aqui e eu concordo. As lanças são as melhores armas corpo-a-corpo. É claro que possuem seus defeitos, mas todas as armas têm algum. As principais vantagens da lança são: Fácil de serem produzidas, requerem pouco treinamento para uso razoável e conseguem manter a formação da unidade em combate de exércitos. Este último não é apenas um detalhe. Foi comentado sobre espadas longas, por exemplo, mas nas guerras da antiguidade os exércitos sempre preferiram as espadas curtas como o gládio do que as espadas longas porque uma espada curta pode ser manuseada sem quebrar a formação, mas o mesmo não pode ser dito sobre a espada longa (imaginem vários soldados enfileirados tentando brandir suas espadas de duas mãos. É impossível, eles são impelidos a quebrarem a formação, o que seria um erro estratégico terrível na maioria das vezes).

  36. Daniel 28 de outubro de 2015 at 9:46 - Reply

    As tropas mais famosas usavam lanças como arma primária e espadas curtas como arma secundária. Os romanos preferiam a espada curta como arma primária, mas antes de iniciarem o corpo-a-corpo cada soldado lançava pelo menos 2 pilos. O arco-e-flecha também foi outra arma fantástica. Os filmes sempre retratam da maneira errada o uso do arco, por isso a gente acaba não tendo a real dimensão da sua brutalidade. Os arqueiros não ficavam puxando flecha de uma em uma da aljava. Em vez disso eles puxavam várias de uma vez ficavam segurando com uma das mãos (a mão que tensionava a corda), assim conseguiam disparar num ritmo bastante acelerado. Alguns relatos mencionam que os arqueiros ingleses conseguiam disparar até 2 flechas por segundo.

  37. Daniel 28 de outubro de 2015 at 9:48 - Reply

    Os romanos eram fortes porque eram bem treinados e tinham várias táticas de batalha, sempre mantendo a formação. Os piores inimigos que enfrentaram foram os arqueiros a cavalo justamente porque se viam obrigados a quebrar a formação. Manter a formação é fundamental no combate corpo-a-corpo e acho que isso precisa ser considerado ao pensarmos sobre as armas mais terríveis da antiguidade.

  38. fernanda 1 de novembro de 2015 at 16:25 - Reply

    boa tarde eu quiria sabre qui cor em as armas

  39. karina 23 de março de 2016 at 20:22 - Reply

    Estou fazendo um trabalho sobre as armas medievais,esse site me ajudou muito na minha pesquisa mais a minha duvida seria todas essas armas são da idade media,ou seja (Armas Medievais).

    • Michel Goulart 24 de março de 2016 at 10:18 - Reply

      Oi, Karina, nem todas são medievais. É só ler o post com atenção e você vai ver as datas das armas

  40. augusto 30 de maio de 2016 at 15:19 - Reply

    cara muito da hora as armas porem eu acho que voce poderia colocar ai os escudos lanterna pesquisa ai sao resistentes e posuem aproximadamente 4 tipos de laminas diferentes mas mesmo assim parabens muito legal

  41. Weverton Santos 13 de dezembro de 2017 at 9:02 - Reply

    achei legal o conteúdo exposto sobre elas mas acho que faltou falar de outras armas,pois a maioria são espadas,eu mencionaria o shakran que é uma arma antiga sim mas não uma que deve ficar sempre em punhos,o shakran é uma arma de arremesso e eu acho que armas desse tipo deveriam ser expostas no conteúdo!

Leave A Comment

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.