Home/Curiosidades/15 curiosidades históricas dos Assassinos

15 curiosidades históricas dos Assassinos

janeiro 21st, 2013|Curiosidades|27 Comments


A série Assassin’s Creed popularizou a Ordem dos Assassinos, através de personagens como Altaïr Ibn-La’Ahad, Ezio Auditore, Desmond Miles, entre outros. Porém, o que muitos não sabem, é que a Ordem dos Assassinos realmente existiu, durante a Idade Média. Nesta postagem, vamos conhecer 15 curiosidades históricas dos Assassinos.

Esta lista foi extraída e adaptada do Educaterra. Já publicamos outros textos relacionados ao universo de Assassin’s Creed. Confira

Hassan Ibn Sabbah, fundador da Ordem dos Assassinos

Hassan Ibn Sabbah, fundador da Ordem dos Assassinos

– A Ordem de Assassinos foi uma seita fundada no século XI por Hassan Ibn Sabbah, conhecido como “o velho da montanha”. Hassan criou a seita com o objetivo de difundir uma nova corrente do ismaelismo, que ele mesmo havia criado. Sua sede era uma fortaleza situada na região de Alamut, no Irã.

– Os Assassinos resultaram de uma disputa sucessória no califado fatímida, uma dinastia xiita que governou o Norte de África e o Egito nos séculos X e XI. Após a morte do califa al-Mustansir em 1094, Hassan recusou-se a reconhecer o novo califa, al-Musta’li, decidindo apoiar o irmão mais velho deste, Nizar.

– Em 1090, Hassan e os seus partidários já tinham capturado a fortaleza de Alamut, situada perto da atual cidade iraniana de Teerã. Esta fortaleza serviu como centro de operações, a partir da qual Hassan comandava a realização de ataques nos territórios que são hoje o Iraque e o Irã.

– A partir do século XII, os Assassinos começam a atacar a Síria, tendo tomado vários castelos situados nas montanhas de An-Nusayriyah. Um desses castelos foi Masyaf, a partir do qual Rashid ad-Din as-Sinan governou de forma praticamente independente em relação a Alamut.

– A fama do grupo se alastrou até o mundo cristão, que ficou surpreso com a fidelidade de seus membros, mais até que com sua ferocidade. Seu líder possuía cerca de 60 mil seguidores, segundo alguns relatos da época especulavam.

Ruínas da Fortaleza de Alamut

Ruínas da Fortaleza de Alamut, no Irã

– Alguns pesquisadores acreditam que a palavra Assassino viria de “Assass” – ou seja, “os fundamentos” da fé islâmica. Porém, desde Marco Polo que se acredita que o termo provém de haxixe ou haschichiyun, que significa “fumador de haxixe”.

– Algumas fontes cristãs medievais relatam que os Assassinos teriam por hábito consumir esta substância antes de perpetrarem os seus ataques, induzindo-lhes a visão do paraíso. Contudo, as fontes ismaelitas não fazem referência a qualquer prática deste tipo, sendo esta lenda resultado de relatos de viajantes.

– Apesar de andarem uniformizados na fortaleza de Alamut com trajes brancos e um cordão vermelho em volta da cintura, quando recebiam uma missão, os Assassinos preferiam se misturar aos mendigos das cidades da Síria, da Mesopotâmia, do Egito e da Palestina para não despertarem a atenção.

– Em meio à multidão urbana, eles levavam uma vida comum para não atrair suspeitas, até que um emissário lhes trazia a ordem para atacar. Geralmente, eles aproximavam-se da vítima em número de três. Se por acaso dois punhais ou lâminas ocultas nas mangas fracassassem, haveria ainda um terceiro a completar o serviço.

– Atuavam em qualquer lugar – nos mercados, nas ruas estreitas, dentro dos palácios e até mesmo no silêncio das mesquitas. Até o grande sultão Saladino, seu inimigo de morte, eles chegaram a assustar, deixando um punhal com um bilhete ameaçador em cima da sua alcova.

Assassinos em ação

– A organização tinha como marca o uso de veneno e adagas. De 1090 a 1256, os Assassinos destronaram quase todos que se opuseram a eles. Emires, governantes de cidades, comandantes de fortalezas e até religiosos notórios passaram a vestir armaduras de metal para evitar serem assassinados.

– Hassan treinou e organizou um bando de destemidos assassinos políticos como jamais se havia visto. Certa vez, durante a visita de um emir, querendo demonstrar a lealdade de seus homens, Hassan pediu que um de seus homens se suicidasse, ordem que foi cumprida imediatamente na frente de todos.

– Segundo alguns pesquisadores, a frase “nada é verdade, tudo é permitido“, popularizada na série Assassin’s Creed, era realmente utilizada por Hassan e os Grão-Mestres nos rituais de iniciação na Ordem dos Asssassinos.

Além de um rigoroso exame de admissão dos iniciados, recolhia crianças abandonadas ou as comprava de casais miseráveis para fazer delas o seu exército de fieis. Carentes de tudo, os jovens aspirantes viam-no como um deus-pai, dedicando-se integralmente a sua vontade, jamais ousando criticar uma ordem recebida.

– Hassan e os Grão-Mestres que governaram após o mesmo seguraram um grande poderio e influência política em toda a região, até que o líder mongol Hulagu Khan destruiu a base de Alamut, em 1256. Foi o fim da ameaça que a seita dos assassinos representava em todo o Oriente Médio.

27 Comments

  1. Klaus do iate 21 de janeiro de 2013 at 10:28 - Reply

    Ha também a interpretação que a palavra francesa assassin venha de “seguidor do Hassan”. E que a haxixe venha também do nome do fundador da seita. Esta segunda é menos provavel porque a droga haxixe é muito antiga. A maconha afeta o cerebro porque tem deltaTHC, ela é um preparado extraido das folhas da Cannabis. Da flor da Cannabis se extrai o haxixe que tem muito mais deltaTHC que a maconha. A Cannabis é nativa do Iemen ,mas, antes,de Cristo já era plantada e consumida em todo Crescente Fertil. da Cannabis também se extrai fibras de canhamo que pode ser usada para confecção de velas de barco, roupas e até moveis! Segundo as fontes cristãs, os Assassinos nao viviam fumando haxixe, apenas o usava na véspera de uma missão assassina, para nao temer a morte. O haxixe é um poderoso alucinogeno visual e , segundo a seita, mostraria como é o paraíso , para onde iria o martir. A chance de uma bad trip era reduzida pela educação que o islamico recebia. Segundo o Koran, os maus vão para o Inferno, os justos para o Paraiso, mas somente quem tomba em Guerra Santa, vai para o paraíso dos paraísos, onde serão recebidos por 52 huris, virgens angelicais de”seios de consistencia ideal”. Sabe-se lá o que seria isto. No dia da matança, o assassino estava muito consciente , sem drogas na mente capazes de atrapalhar sua missão.

  2. Klaus do iate 21 de janeiro de 2013 at 10:31 - Reply

    Meu professor de Farmacologia falava que a maconha nao era tão inocua exatamente por causa desta historia do haxixe aumentar a capacidade dos Assassinos matar.
    Mas o haxixe tem muito mais DeltaTHC que a maconha e o seu efeito alucinogeno nao melhoraria a eficacia matadora de ninguem. Finalmente o haxixe nao era consumido no dia da missão.

  3. Klaus do iate 21 de janeiro de 2013 at 10:33 - Reply

    Queria ter mais detalhes de como Hulegu deu fim na fortaleza de Alamut, coisa que varios tentaram sem sucesso.
    Os Cruzados chegaram a entabular acordos com os Assassinos na Síria-Líbano, vou pesquisar mais até onde foi esta cooperação.

    • Michel Goulart 21 de janeiro de 2013 at 12:27 - Reply

      Sim, os Templários, em alguns aspectos, se inspiraram na seita de Hassan.

  4. Klaus do Iate 31 de janeiro de 2013 at 12:33 - Reply

    A relacao entre Templarios e Assassinos é historicamente complexa. A seita dos Assassinos como Prof Michel ja disse vem de uma dissidencia xiita dentro do Islam e depois se especializaram em magnicidio (matadores de VIP’s , matadores de aluguel , especialistas em vitimas polticamente importantes, cristaos ou islamicos). Os templarios surgem pouco depois da Primeira Cruzada, como um grupo de sacerdotes cristáos com formaçao guerreira para escolta aramda de peregrinos entre os portos do litoral e a interiorana Jerusalem. Isto se fazia necessario porque mesmo apos sucesso inacreditavel da Primeira Cruzada, a zona rural do “reino” feudal de Jerusalem , que ia de Antioquia a Gaza e do mar ao rio Eufrates, era extremamente insegura pos ainda ficava nas maos de saqueadores islamicos.

    • Michel Goulart 31 de janeiro de 2013 at 13:14 - Reply

      Não conhecia o termo magnicídio, mas é isso mesmo: assassinatos políticos.

    • Michel Goulart 31 de janeiro de 2013 at 13:15 - Reply

      Esta fórmula de saqueadores nas principais estradas é clássica até hoje nos melhores RPG’s de fantasia.

  5. Klaus do Iate 31 de janeiro de 2013 at 12:40 - Reply

    Lá pela Quinta Cruzada, ficou claro que a sobrevivencia da posse da cidade de Jerusalem pelos cristaos exigia a conquista do Egito. O rei francês Luis IX, que seria canonizado, entrou em acordo com os outros poderes vizinhos ao norte para poder se dedicar. Um deles foi Sinan, o lider indicado por Hassan para o ramo “sírio” da organizaçao, em torno de 1160.
    Sinan se tornou ainda mais fanatico que Hassan e seus seguidores chegaram a declarar que ele era Alah encarnado! Isto o tornou odiado em todo Islam e Sinan entrou em negociaçao com o rei cristao de Jerusalem, embora varios graos-mestres templarios e senhores feudais do norte do reino (como o conde de Tripoli), já tivessem sido vitimas dos Assassinos.

  6. Klaus do Iate 31 de janeiro de 2013 at 12:43 - Reply

    Os Assassinos da Síria desistiram de matar graos-mestres templarios porque descobriram que a Ordem de monges-guerreiros-bancarios nunca ficava sem liderança. Matavam um, assumia outro ainda mais agressivo. A fortaleza templaria de Bagras era uma ameaça constante aos Assassinos da Siria. Templarios e Assassinos entao fecharam um acordo. Os templarios de Bragras nao atacavam o QG sirio de Sinan e Sinan os pagava anualmente 2000 besants.

  7. Klaus do Iate 31 de janeiro de 2013 at 12:53 - Reply

    Sinan também estava se aproximando do rei Amauri de Jerusalem, interessado na conquista do Egito. Sinan converteria todos os assassinos da Siria em cristaos, em troca seu QG seria tolerado dentro dos dominios cristaos sem ter que pagar nada aos Templarios. Os embaixadores Assassinos já estavam de volta para casa com o OK do rei cristao, quando foram atacados por um destacamento Templario a paisana, melando o acordo. O rei Amauri ficou furioso e exigiu que o grao-mestre entregasse o templario que liderou o atentado aos magnicidas (geralmente eram os Assassinos quem tocaiavam!). O grao-mestre templario disse que apesar da razao de existir a Ordem fosse Jerusalem, eles só entregariam o homem ao papa. Amauri morreu por motivos alheios a Assassinos e Templarios, melando a missao Egito temporariamente, mas o rei francês retomaria a ideia. No meio de outra aproximaçao entre rei cruzado e Assassinos, os templarios foram novamente contra a aproximaçao. Mas o Egito, os Assassinos e o Estado cruzado tiveram que lidar com os mongois. Os assassinos na Siria foram detonados pelo Egito, os assassinos no Iran (sede original) foram detonados pelos mongois, os cruzados tiveram que apelar para diplomacia com mongois e finalmente o Egito parou o avanço mongol em batalha. O exercito mongol faria nova tentativa,mas abortaram a missao quando o khan dos khans na epoca, morreu.

  8. Klaus do Iate 31 de janeiro de 2013 at 12:55 - Reply

    Michel, qual é a relaçao dos Assassinos com os Templarios NO JOGO?

    • Michel Goulart 31 de janeiro de 2013 at 13:13 - Reply

      No jogo, os Templários são os vilões, que desejam coletar as peças do Éden para os seus próprios fins.

  9. guihh 7 de junho de 2013 at 16:48 - Reply

    na verdade assassino vem do termo assasseen que quer dizer guardião em arabe!!!

  10. Afonso 13 de junho de 2013 at 11:16 - Reply

    Ainda existe esta seita ?

  11. vanessa ismaelle 30 de setembro de 2013 at 0:50 - Reply

    uma bela história que meu querido avô nagibe, me contava quando eu era criança ,só hoje sei que eles realmente existiram ,e um antepassado da minha familia fez parte deste clã .

    • mark 27 de outubro de 2018 at 16:09 - Reply

      Isso é vdd?

  12. Adelia Carvalho Campos Soares 1 de outubro de 2013 at 12:06 - Reply

    Já li a obra “Assassin’s Creed” embora já conhecesse sobre a Ordem dos Assassinos, este site me ajudou bastante.

  13. Mateus Meneses 21 de janeiro de 2014 at 14:59 - Reply

    Hassan Sabbah e seus sucessores buscaram ocupar a maior parte dos fortes, em uma serie territórial que transitava do Irã até a Palestina, passando pela Síria, para fazer com que a influência da ordem fosse sentida em todas as paragens e para que os punhais dos devotos provocassem medo em toda a parte. Odiados por turcos e árabes, por sunitas e xiitas, dos quais eram um ramo dissidente, foi mais do que viável que a estrutura dos Assassinos, se aproximasse dos cavaleiros templários, emboabas nas terras orientais, como eles mesmos se sentiam por serem temidos e consequentemente odiados. Não só isso. Nas duas ordens foi associado a relação entre o fanatismo religioso e o espirito bélico extremados que encantaram os primeiros cavaleiros cristãos, liderados por Hugo de Payens, a fundarem a Ordem dos Cavaleiros do Templo, no ano de 1118. A dedicação dos devotos, a renuncia de tudo, inclusive de uma vida particular fora da ordem, a obediência acima de tudo e o espírito de ordem religiosa e guerreira que os faziam por cúmulos, membros de uma cavalaria espiritual, logo contraíram os valores dos cavaleiros cristãos com os dos assassinos.

  14. Célio Figueiredo 23 de janeiro de 2014 at 10:21 - Reply

    Klaus, sua informação sobre Maconha e Haxixe está equivocada.
    A maconha não é uma droga extraída das folhas da Cannabis e o Haxixe da Flor.
    Os efeitos psicotrópicos (que não são alucinógenos) vêm todos da Flor da Cannabis. A diferença é que quando falamos de maconha, nos referimos ao ato de fumar as flores da Cannabis depois de secas, nunca as folhas, e o Haxixe como você disse é a extração mais pura da substância encontrada nas flores.

    Mas é tudo a mesma coisa, Ambos vem da Flor da Cannabis, a diferença é que o Haxixe é mais concentrado e nenhum deles causa alucinações.

    Talvez haja alguma confusão com o Ópio, que apesar de não ter relação com os Assassinos, esse sim é um alucinógeno extraído das folhas da Papoula.

  15. Luiz Gustavo Soares Silva 3 de setembro de 2015 at 21:53 - Reply

    Quer saber mais sobre a história dos Assassinos e sua relação com o jogo de videogame? Leia o texto Cultura da Mídia e Medievalidade: Uma análise do videojogo Assassin’s Creed. Acesse: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/dominiosdaimagem/article/view/22693/16618

  16. Ricardo Durão Ereto 29 de maio de 2016 at 15:54 - Reply

    Nosso deus se fosse hoje no Brasil

  17. Grão Mestre 20 de setembro de 2016 at 13:36 - Reply

    Vale lembrar que apos a Ordem desmoronar os assassinos que restaram se esconderam entre os povos vizinhos e continuaram a trabalhar como mercenarios
    É quem não vos garante que ainda não estejam por aí?

    É qual eram os postos da ordem do mais alto ao menor?

  18. Cristão 21 de dezembro de 2016 at 14:13 - Reply

    Pènsei que esse último ato relacionado ao assassinato do Embaixador Russo no dia de ontem me fez refletir bastante, a maneira como o assassinato ocorreu e a razão que motivou o rapaz de 22 anos me fez lembrar algumas partes do jogo que tem por objetivo aniquilar o plano de poder dos templários. Se os templários existem até os dias atuais com nomes diferentes e não declarados, acredito que mais escondida ainda seja uma ordem de assassinos permanente até os dias atuais. A ligação e as origens são muito fortes, não sei, mas acredito que as duas ainda existem até os dias atuais.

  19. Alex Kadosh 2 de janeiro de 2017 at 21:25 - Reply

    Mas não acho que os Templários sejam uma Ordem escondida hoje. Concordo que tenham outro nome ou estejam escondidos em outras ordens. Até porque quando os templários foram caçados uns mudaram de nome, outros se uniram a exércitos (vide a frota de Portugal e o símbolo de suas velas) e outros fugiram para Escócia, onde foram abraçados pelos pedreiros livres.

  20. John Andrey .A.G 4 de janeiro de 2017 at 1:26 - Reply

    A algum tempo resolvi pesquisar um pouco sobre minha familia, a familia ‘de Abreu’ e nao Abreu mas sim de Abreu , em fim, eu descobrir que o parente mais antigo dos de Abreu que se tem noticia e Joao Jorge de Abreu capitao da guarda templaria

  21. Gustavo 15 de janeiro de 2017 at 12:19 - Reply

    Cristão! Não acredito que o assassinato do embaixador Russo tem origens exatamente numa disputa que na verdade nunca existiu. Acredito que a Ordem dos Assassinos é inspiradora de grupos pós contexto criador da Ordem que utilizam técnicas ou variações e adaptações estratégicas visando deixar mensagens muito mais de “sobrevivência” dos extremistas e de prova que não irão parar do que necessariamente algo a ver com templários. Enquanto com o passar dos séculos os cristãos perderam força, os muçulmanos crescem e ganham cada vez mais adeptos extremistas ou não da religião. A forma de atrair é segura e simples: Num mundo de desigualdades, disseminação de ódio e uma fina camada passando bem às custas de um resto faminto e arruinado + ansiedade dos tempos e cobranças diversas (sejam tecnológicas, mudanças comportamentais, relações interpessoais) + Extremismo religioso + Lavagem Cerebral = EI

  22. Ana Carolina 10 de julho de 2017 at 14:35 - Reply

    Artigo maravilhoso! Comentários mais ainda! Estou fazendo uma pesquisa para o meu TCC, que se tudo der certo, será sobre o jogo e vcs já me ajudaram bastante de alguma forma. Se alguém puder me indicar alguns livros sobre o assunto, ficarei eternamente grata! Abraço a todos!

Leave A Comment

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.