A origem histórica de Altaïr Ibn-La’Ahad

Home » Curiosidades » A origem histórica de Altaïr Ibn-La’Ahad
Altaïr-Ibn-La'Ahad, de Assassin's Creed

Altaïr-Ibn-La’Ahad, de Assassin’s Creed

É inegável o sucesso da série Assassin’s Creed, tanto nos games quanto nos livros recentemente lançados. O impressionante é que, ao pesquisar sobre a história da série, percebi que vários elementos da ficção encontram a sua correspondência em elementos historicamente comprovados.

Nesta postagem, você vai ver que Altaïr Ibn-La’Ahad, personagem do primeiro game da Ubisoft, foi inspirado em Hassan-Ibn-Sabbah , o líder místico da Ordem dos Assassinos, seita que surgiu no século XI, em plena Idade Média.

A Ordem dos Assassinos

Hassan-Ibn-Sabbah ou “o velho da montanha”, foi um missionário islâmico ismaelita que, no final do século XI, conquistou a fortaleza de Alamut, localizada na região montanhosa do norte do Irã. Quando Hassan conquistou a fortaleza, em 1090, ela estava sob o domínio seljúcida. Os seguidores de Hassan, infiltrados entre os habitantes de Alamut, conquistaram a confiança dos seus residentes, convertendo-os secretamente, permitindo que Hassan, enfim, a dominasse completamente.

Deste ponto em diante, a sua comunidade e as suas filiais espalharam-se pelo Irã e Síria, e vieram a ser chamadas de Hashashin ou Hashishin ou Ordem dos Assassinos, um novo culto islâmico. O culto foi responsável pela morte de um considerável número de escolares e líderes Sunitas. Avisos não-letais podiam ser mandados também – por vezes, ao acordar, um futuro alvo encontrava uma adaga fincada ao seu travesseiro, próximo à sua cabeça.

Hassan Ibn Sabbah, fundador da Ordem dos Assassinos

Hassan Ibn Sabbah, fundador da Ordem dos Assassinos

 

By | 2014-01-26T09:50:46+00:00 22 de Janeiro de 2013|Categories: Curiosidades|Tags: , , |18 Comments

About the Author:

Professor, historiador e blogueiro, já trabalhei em algumas das maiores escolas públicas e particulares de Santa Catarina. Comecei a lecionar em 2001, sempre preocupado com um ensino caracterizado pela criatividade e inserção de novas tecnologias e metodologias variadas em sala de aula.

18 Comments

  1. Klaus do iate 31 de Janeiro de 2013 at 21:21

    Vou tentar encontrar algo da biografia de Sinan bin-al bin Mohamed, o cara que Hassan indicou para ser o seu tenente na porção síria da seita.

  2. Michel Goulart 1 de Fevereiro de 2013 at 19:07

    Se descobrir, avise!

  3. Klaus do Iate 5 de Fevereiro de 2013 at 15:21

    Logo apos morte de Jesus o cristianismo rachou entre os seguidores de Paulo de Tarso (defensores de um cristianismo for exportation) e os de Tiago irmao de Jesus, para quem a Igreja era um negocio de familia e os convertidos deveriam se adequar a muitos aspectos da lei mosaica(visitar Jerusalem na Pascoa, circuncisao). O segundo grupo praticamente foi exterminado pelas tropas romanas quando houve a I revolta judaica.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Rashid_ad-Din_Sinan

  4. Klaus do Iate 5 de Fevereiro de 2013 at 15:25

    Em contraste, mohamed prestes a morrer era um lider politico, militar e religioso bem sucedido, mas sua herança deu margem a uma disputa similar entre seguidores de coracao e familiares do Profeta que originou o racha entre sunitas e xiitas. Segundo mito, ainda em vida, encheram o saco de Mohamed para forca-lo a dizer quem seria seu herdeiro, perguntando para ele que era a pessoa que ele mais amava.
    -Aisha – o Profeta respondeu.Aisha era uma de suas esposas mais belas e jovens. Contrariados os interesseiros insistiram.
    – Aisha nao vale. Entre homens fieis, quem seria teu mais amado?
    – O pai de Aisha , porque pos ela no mundo.

  5. Michel Goulart 5 de Fevereiro de 2013 at 15:28

    Maomé mandou bem, hehe

  6. Michel Goulart 5 de Fevereiro de 2013 at 15:30

    Não acho que houve um racha. Houve debates no cristianismo primitivo em relação a quem deveria ser oferecida a salvação cristã. No início, o evangelho foi pregado apenas entre os judeus. Paulo realmente “exportou” o cristianismo, tirou do horizonte geográfico israelita, mas sem um grande racha.

  7. Klaus do Iate 5 de Fevereiro de 2013 at 15:34

    As dissidencias dentro do xiismo continuaram, surgiram os fatimidas, os ismaelitas, os seguidores dos sete ao inves dos 12 imas. E assim de dentro de heresias das heresias chegou-se a Hassan que tomou Alamut conquistando a conversao de seus habitantes primeiro. Hassan escolheu como lider da seita no seu tentaculo sirio Rashid ad-Din Sinan bin Salman bin Mohamed. Sinan montou seu QG nas Montanhas Amanus no extremo norte do Ultramar (a regiao Siro-Palestina sob controle cruzado. Entao o Velho das Montanhas, lider da seita dos Assassinos que os cruzados se referiam era Sinan e nao Hassan. Sinan viveu muito. Ele foi responsavel pela morte de muitos VIP’s cristaos e islamicos, mas principalmente islamicos sunitas, claro. Entre suas vitimas estariam Raimund II conde de Tripoli, Conrado herdeiro do rei de Jerusalem ( a mando de Ricardo coracao de Leao?!), muitos governantes islamicos sirios, alguns mestres templarios e tentaram malsucedidamente matar duas vezes o mais famoso lider anticruzado Saladin. Os assassinos em missao consideravam que iam para martirio, como antes deles os judeus sicarios e hoje os homens-bomba do Hezbolah.

  8. Michel Goulart 5 de Fevereiro de 2013 at 16:04

    Klaus, qual a fonte destas informações? Tem algum livro sobre isso?

  9. Klaus do Iate 5 de Fevereiro de 2013 at 19:43

    Sim
    1) Os Templarios de Piers Paul Read
    2) God’s war: a new history of the crusades de Christopher Tyerman (ja vi este em portugues recentemente na Saraiva)
    3) A indesfectivel Wikipedia em ingles:http://en.wikipedia.org/wiki/Rashid_ad-Din_Sinan

    Conforme eu for descobrindo mais do Sinan vou te falar aqui.

    E agora me venho algo na cabeça : Hassan+Sinan= Assassinos? Será???? Em arabe ficaria algo como Hashshashin. A droga haxixe é nomeada a partir deles e nao o oposto, como falam alguns textos.

  10. Klaus do Iate 5 de Fevereiro de 2013 at 19:56

    Raimund II de Tripoli foi a primeira vitima nao-islamica dos Assassinos Sirios.
    Sinan construiu uma grande autonomia da sede Assassina original (Alamut), mas quando Sinan (considerado Alah encarnado) morreu, Masyaf, nos montes Amanus (=montes Nazairi), o QG sirio, perdeu sua autonomia e ficou sob controle mais estrito de Alamut.

  11. Fábio 4 de Março de 2013 at 10:32

    Valeu pelas informações (boa pesquisa e texto claro). Sou professor de história e nunca tinha ouvido falar de Assassin’s Creed até os alunos me falarem a respeito, depois que estudamos a Independência dos EUA. Por boa coincidência, ao navegar pelo site, que tenho utilizado como uma das fontes para preparar aulas, encontrei essa matéria. Agora, vou falar sobre a Ordem dos Assassinos quando for dar aula sobre as Cruzadas e explicar o papel das ordem religiosas militares, como os Templários. E talvez usar algum trecho ao tratar das Guerras de Independência dos Estados Unidos. Muito obrigado.

  12. Klaus do Iate 6 de Março de 2013 at 11:30

    Michel, este foi um topico a respeito dos Assassinos na comu Medievalismo do orkut

    http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=94361&tid=2442037815893984469

  13. Nato 21 de Abril de 2014 at 17:58

    Somos peças de um jogo que Céu joga,
    Divertem-se connosco no tabuleiro do ser,
    E tornamos um a um à caixa do nada…

  14. Edna Alves dos Santos 12 de Março de 2015 at 14:57

    “Vivendo e aprendendo.”

  15. Nayane Alencar 12 de outubro de 2015 at 23:09

    Agora fiquei confusa, sempre achei que o personagem inspirado no Hassan (Ou “O velho da montanha”) fosse o mentor de Altair, Al Mualin. E que Altair fosse inspirado no assassino que matou o templário Robert DeSablé (Assim como no jogo). Alguém aí também acha que era Al Mualin e não Altair Ibn LaAhad?

  16. Michel Goulart 14 de outubro de 2015 at 16:33

    Isso é só uma hipótese, Nayane. Não deve ser levado ao pé-da-letra.

  17. Trony 21 de dezembro de 2017 at 0:23

    Na verdade Hassan-Ibn-Sabbah é o Al Mualim de Assassins Creed

Leave A Comment