As rãs mutiladas de Luigi Galvani

Home » Curiosidades » As rãs mutiladas de Luigi Galvani

Nesta postagem sobre As rãs mutiladas de Luigi Galvani, você vai entender como o cientista italiano Luigi Galvani utilizou rãs mutiladas para compreender a relação entre o sistema nervoso e o movimento muscular.

As informações e imagem foram extraídas do livro A HISTÓRIA DA PSICOLOGIA, de Anne Rooney.

Em Darwin, Macacos e a Psicologia Comparada, vimos que a teoria da seleção natural de Charles Darwin fez desaparecer as diferenças biológicas fundamentais entre homens e animais, possibilitando avanços na psicologia comparada.

A utilização de animais em estudos científicos fazem parte da história da psicologia. Animais como gatos, coelhos e ratos já foram utilizados em grandes experimentos sobre o uso do cérebro e comportamento. Mas alguns cientistas utilizaram rãs para descobrir a conexão entre o sistema nervoso e as reações musculares.

As rãs mutiladas

Antes mesmo de Galvani, um fisiologista holandês, Jan Swammerdan (1637-1680), já havia feito experimentos com rãs. Através delas, Swammerdan chegou a conclusão que o cérebro é responsável pelo movimento, não o coração. E foi mais além, demonstrou que o movimento pode ocorrer mesmo sem a presença do cérebro.

As rãs mutiladas de Luigi Galvani

Experiências em eletrofisiologia com rãs mutiladas.

Para fazer isso, o fisiologista retirou o cérebro de uma das rãs e a fez nadar por reação motora. Através de um pequeno choque elétrico, fez contrair os músculos de uma perna removida de outra rã. Assim, Swammerdan conseguiu fazer uma conexão entre estímulo e reação através da ação dos nervos.

Esta pesquisa, ao tratar da relação entre estímulo e resposta, tornou-se uma das bases da psicologia behaviorista.

A ionização dos fluídos

Vale ressaltar que Swammerdan não conseguiu explicar como os nervos transmitiam informações. Coube ao cientista italiano Luigi Galvani (1737-1798) avançar mais nas pesquisas sobre o sistema nervoso central. E, para isso, Galvani continuou os experimentos com rãs.

Galvani estava removendo a pele de uma rã morta que foi utilizada para pesquisas de eletricidade estática. Neste momento, um dos assistentes aplicou pequeno choque em um dos nervos do animal. A perna se contraiu como se o animal estivesse vivo.

O cientista italiano continuou observando a passagem da corrente elétrica pelos músculos da rã e chegou a conclusão que o movimento muscular ocorria devido a ionização dos fluídos no corpo. Esta é considerada uma das mais importantes descobertas da neurologia.

By | 2017-05-03T15:25:54+00:00 3 de Maio de 2017|Categories: Curiosidades|Tags: , |3 Comments

About the Author:

Professor, historiador e blogueiro, já trabalhei em algumas das maiores escolas públicas e particulares de Santa Catarina. Comecei a lecionar em 2001, sempre preocupado com um ensino caracterizado pela criatividade e inserção de novas tecnologias e metodologias variadas em sala de aula.

3 Comments

  1. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 15:26

    Mary Shelley escreveu o Monstro de Frankstein. Comprovadamente 1)ela leu trabalhos de Galvani 2)Havia experimentos publicos com homens recem executados por enforcamento, onde a passagem de corrente eletrica os “chegava a sentar” 3) uma baita serie de erupções vulcanicas na Indonesia causou o famoso Ano sem Verão no Hemisfério Norte. Este terceiro evento foi vital para trancafear um grupo de jovens escritores talentosos entediados em uma estação de férias e os fazer organizar uma especie de concurso ao melhor conto de terror.

  2. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 15:28

    Galvani demonstra que os tecidos vivos de alguma forma geram correntes elétricas, não-eletrônicas (isto é não através de eletrons percorrendo o meio de um condutor sólido metálico), mas através de ions em solução aquosa.

  3. Denilson Barbosa 9 de novembro de 2017 at 14:06

    Luigi Galvani tudo leva a pensar que este experimento não estava mesmo visando a rãs, iniciou pela rãs mas o seu alvo era encontrar uma forma para reabilitar membros do corpo humano que por algum motivo perdera o movimento, e através de seus experimentos outras descobertas foram feitas, Lendo o relato da experiência a gente consegue ver como Luigi via ou ver o que ele planejava, é uma espécie de historiografia.

Leave A Comment