Imperador Frederico II e as crianças mudas

Home » Curiosidades » Imperador Frederico II e as crianças mudas

Nesta postagem sobre o Imperador Frederico II e as crianças mudas, saiba como o imperador do Sacro Império Romano-Germânico empreendeu experiências proibidas com crianças, no século XIII, com o objetivo de descobrir qual a “língua original” concedida a Deus para os seres humanos.

As informações e imagem foram extraídas do livro A HISTÓRIA DA PSICOLOGIA, de Anne Rooney.

O imperador Frederico II (1194-1250) governou o Sacro Império Romano Germânico entre 1220 e 1250. Durante o seu reinado, ele teve a curiosidade de conhecer qual a língua original e se as crianças já sabiam pronunciá-la desde o seu nascimento.

As crianças “mudas”

Usar crianças em experiências nunca foi bem visto e, dentro da história da psicologia, eram consideradas experiências proibidas. Para certificar-se que as crianças já nasciam conhecendo a língua original, Frederico II resolveu se aventurar em um experimento.

Ele mandou criar algumas crianças privando-as de ouvir a voz humana. Assim, as mães adotivas e enfermeiras podiam dar banho e amamentar, mas não podiam conversar com as crianças. O imperador desejava saber qual língua estas crianças iriam falar: o hebraico, o grego, o latim ou a língua dos seus pais.

Imperador Frederico II e as crianças mudas

Imperador Frederico II cercado pelas crianças “mudas”

A experiência proibida de Frederico II foi relatada por um contemporâneo seu, o frade e cronista italiano Salimbene di Adam (1221-1290).  Segundo o frade, a experiência não deu certo porque, mesmo privada de conversar com os adultos, as crianças ouviam os próprios adultos conversarem entre si.

Outras experiências

O caso das crianças “mudas” de Frederico II não foi o único registrado na história. Muitos séculos antes outras experiências haviam sido feitas. No antigo Egito, o faraó Psamtik I, que reinou entre 664 a.C. e 610 a.C., fez a primeira experiência da história da psicologia.

Psamtik I ordenou que dois bebês recém-nascidos fossem criados por um casal de camponeses. Estes camponeses receberam rígidas instruções para não falar com os bebês ou até mesmo conversar perto deles.

O faraó achava que a linguagem era inata e acabou chegando a esta conclusão quando um dos bebês pronunciou “békos”. Psamtik achava que eles estavam falando o frígio, pois, nesta língua, békos significa pão. Consequentemente, achou que o frígio era a língua original.

By | 2017-04-13T12:55:41+00:00 13 de Abril de 2017|Categories: Curiosidades|Tags: , |8 Comments

About the Author:

Professor, historiador e blogueiro, já trabalhei em algumas das maiores escolas públicas e particulares de Santa Catarina. Comecei a lecionar em 2001, sempre preocupado com um ensino caracterizado pela criatividade e inserção de novas tecnologias e metodologias variadas em sala de aula.

8 Comments

  1. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 11:27

    O pior é que rei Psamtik I pode ter arranhado a verdade. Os frigios chegaram a Anatolia em torno do seculo VIII aC, o Egito já era velho de pauzinho na mão, MAS as cidades mais antigas do mundo estão na Anatólia Central, assim que iniciou o degelo da Ultima Era do Gelo: Catal Huyuk, Gobek Tepl! Tais cidades na fronteira do Paleolitico com Neolitico detonam vários modelos prévios. Não se imaginava cidade antes da agricultura, o que é uma possibilidade na região, como em Jericó. E nem que tantas tribos caçadoras -coletoras pudessem se concentrar num objetivo “esteril” como criar um santuário. Existiria uma “Frigia” antes dos frigios, antes dos egipcios. As cidades da Frigia pre-frigios seriam povoados dedicados a algum santuario religioso, uma reidencia mais de deuses que de humanos e associado a comercio possivelmente de sal ( o grande preservador da caça). O casamento comercio-religiao seria antiquissimo. Justamente a unica coisa que fez Jesus perder as estribeiras.

  2. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 11:29

    Quanto a lingua original ainda não a vislumbramos, mas já se reconstruiu idiomas que deram origens a familias de famílias linguisticas como o NOSTRATICO. O filme Guerra do Fogo, foi falado com o que se sabia na ocasiao do vocabulario nostratico.

  3. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 11:43

    Outros idiomas-mães : Dene-caucasiano (que inclui basco, eskimo e chines mandarim). Austronesio (que inclui o polinesio e o malgaxe). Australiano. Andamaniano (falado pelos estranhos negros do arquipelago Andaman no SE asiatico), Amerindio. Khoisan (que tem a maior riqueza de idiomas de todos incluindo estalos de lingua e fonemas inspiratorios), Nigercongoles

  4. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 12:02

    O Frederik II foi um protegido do papa mais poderos de todos os tempos e , até por isto, se torna o mais importante protagonista na queda de braço entre poder temporal do imperador alemão e papado entre 1050-1303. No topico da Igreja Medieval feito pelo prof Michel Goulart, eu falo dele melhor. Ele era poliglota, tinha um lado cientista que segundo seus inimigos , agentes da Igreja, estava para Dr Menguele. Era politicamente pragmatico e conseguiu reaver DIPLOMATICAMENTE, sem Cruzada, o acesso de cristãos europeus a Jerusalem depois da derrota acachapante da batalha de Hattin e do fracasso relativo de Ricardo Coração de Leao.

  5. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 12:03

    Por isto seu apelido era Espanto do Mundo, Stupor Mundi

  6. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 12:08

    Farao Psamtik I era mais Menguele que Frederik II, deixou as criancinhas serem cuidadas por babás mudos de nascença e mudos produzidos por mutilação da lingua. Era um político maquiavelico. Convidou assirios a invadir Egito e se tornou vassalo deles para chutar a bunda de invasores nubios do Egito. Depois se aliou a babilonios e chutou a bunda dos invasores assirios do solo egipcio.

  7. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 12:21

    Para mais detalhes sobre Frederik II veja: https://historiadigital.org/resumos/resumo-igreja-medieval/

  8. Klaus do Iate 27 de setembro de 2017 at 12:23

    O papa mais poderoso de todos os tempos tb está lá Inocentius III : I3. Não é emoticon é: I três.

  9. Sandra Martins 19 de Janeiro de 2018 at 11:10

    Sao tantos fatos interessantes que fica difícil sair. Parabéns! O ser humano é impressionante, quando acontecem coisas horríveis aos quais nos surpreendemos, temos a certeza de que ainda pode piorar.

Leave A Comment